Uso medicinal de Varronia curassavica Jacq. “erva-baleeira” (Boraginaceae): estudo de caso no sul do Brasil / Medicinal use of Varronia curassavica Jacq. “erva-baleeira” (Boraginaceae): case study in Southern Brazil

Samara Fenilli Bristot, Mariana Possamai Della Colle, Angela Erna Rossato, Vanilde Citadini-Zanette

Resumo


O emprego das plantas medicinais para o tratamento de enfermidades é uma prática tão antiga quanto a espécie humana. A utilização dessas plantas ocorre não somente em áreas rurais como também em áreas urbanas e por grande parte da população mundial. O conhecimento popular, passado de geração em geração, é ponto de partida para pesquisas visando o desenvolvimento de novos medicamentos. A etnobotânica contribui nesse contexto, pois também estuda a relação entre o uso das plantas medicinais e o homem. O presente estudo objetivou realizar levantamento do conhecimento local sobre Varronia curassavica Jacq., conhecida popularmente como erva-baleeira, por meio de um formulário aplicado às agentes da Pastoral da Saúde, Regional Sul 4, no sul do estado de Santa Catarina, Brasil. Foram entrevistadas 10 agentes que detinham conhecimento de uso com a erva-baleeira. Várias indicações de uso foram relatadas pelas agentes, sendo as mais frequentes dores musculares, hematomas, contusões, artrite, reumatismo e artrose. Em comparação com os estudos encontrados, vários ratificam seu potencial como anti-inflamatório tópico, indicação validada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). No entanto, as demais indicações populares, citadas pelas agentes, necessitam de estudos, visando a sua validação quanto a aspectos de segurança e eficácia. Este levantamento possibilitou a sistematização do conhecimento popular na forma de registro do conhecimento local.


Palavras-chave


Biodiversidade, Etnobotânica Urbana, Fitoterapia, Planta Medicinal, Santa Catarina.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, U. P. de; Lucena, R. F. de & Alencar, N. L. 2010. Método e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: Albuquerque, U.P. de, Lucena, R.F & Cunha, C. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Nupeea, Recife. Pp. 41-64.

Alice, C. B.; Siqueira, N. C. S. de; Mentz, L. A.; Silva, G. A. A. B. & José, K. F. D. 1995. Plantas medicinais de uso popular: atlas farmacognóstico. Ulbra, Canoas. 205p.

Almeida, M. Z.; Léda, P. H. O.; Silva, M. Q. O. R.; Pinto, A.; Lisboa, M.; Guedes, M. L. M. L. & Peixoto, A. L. 2014. Species with medicinal and mystical-religious uses in São Francisco do Conde, Bahia, Brazil: a contribution to the selection of species for introduction into the local Unified Health System. Revista Brasileira de Farmacognosia 24: 171-184.

Anvisa. 2016. Bulário eletrônico. Acheflan. Brasília. DF. Disponível em . Acesso em 01 julho 2016.

Bayeux, M. C.; Fernandes, A. T.; Foglio, M. A. & Carvalho, J. E. 2002. Evaluation of the antiedematogenic activity of artemetin isolated from Cordia currassavica DC. Brazilian Journal of Medical and Biological Research 35: 1229–1232.

Brandão, D. C.; Brandão, G. C.; Miranda, J. B. de; Faria, P. A. & Jesus-Garcia, R. 2006. Estudo fase III, duplo-cego, aleatório, comparativo para avaliar a eficácia e tolerabilidade da Cordia verbenacea e do diclofenaco dietilamônio, em pacientes portadores de contusões, entorses, traumas e lesões musculares, com início inferior a 24h. Revista Brasileira de Medicina 63: 408-415.

Brasil. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2011. Disponível em . Acesso em 25 maio 2014.

Brasil. Decreto nº. 5.813, de 22 de julho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Brasília, DF. 2006b. Disponível em . Acesso em 18 junho 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. 2006a. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS - PNPIC-SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde (Série B. Textos Básicos de Saúde), Departamento de Atenção Básica, Brasília. 92p.

Brasil. Ministério da Saúde. RENISUS: Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Brasília. D.F. 2009. Disponível em: Acesso em 13 dezembro 2016.

Brasil. Portal da Saúde. Uso de fitoterápicos e plantas medicinais cresce no SUS. 2016. Disponível em Acesso em 23 junho 2016.

Carvalho Júnior, P. M.; Rodrigues, R. F. O.; Sawaya, A. C. H. F.; Marques, M. O.; Shimizu, M. T. 2004. Chemical composition and antimicrobial activity of the essential oil of Cordia verbenacea DC. Journal of Ethnopharmacology 95: 297-301.

Chariandy, C. M.; Seaforth, C. E.; Phelps, R. H.; Pollard, G. V. & Khambay, B. P. S. 1999. Screening of medicinal plants form Trindad and Tobago for antimicrobial and insecticidal properties. Journal of Ethnopharmacology 64: 265-270.

Costa, J. G. M. da et al. 2015. The genus Cordia: botanists, ethno, chemical and pharmacological aspects. Revista Brasileira de Farmacognosia 25: 542–552.

Di Stasi, L. C. 1996. Plantas Medicinais: arte e ciência. Um guia de estudo interdisciplinar. Unesp, São Paulo. 230p.

Dutra, R. C.; Campos, M. M.; Santos, A. R. S. & Calixto, J. B. 2016. Medicinal plants in Brazil: pharmacological studies, drug discovery, challenges and perspectives. Pharmacological Research 112: 4-29.

Ereno, D. Anti-inflamatório feito com extrato de planta da Mata Atlântica está pronto para entrar no mercado. 2005. Pesquisa FAPESP 110:79-81.

Feijó, E. V. R. S; Oliveira, R. A. & Costa, L. C. B. 2014. Light affects Varronia curassavica essential oil yield by increasing trichomes frequency. Revista Brasileira de Farmacognosia 24: 516-523.

Fernandes, E. S.; Passos, G. F.; Medeiros, R.; Cunha, F. M. da; Ferreira, J.; Campos, M. M.; Pianowski, L. F. & Calixto, J. B. 2007. Anti-inflammatory effects of compounds alpha-humulene and (−)-trans-caryophyllene isolated from the essential oil of Cordia verbenacea. European Journal of Pharmacology 569: 228-236.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 11 Dez. 2020.

Gandolfo, E.S. & Hanazaki, N. 2014. Distribution of local plant knowledge in a recently urbanized area (Campeche District, Florianópolis, Brazil). Urban Ecosystems 17: 775-785.

Hernandez, T.; Canales, M.; Avila, J. G.; Duran, A.; Caballero, J.; Romo de Vivar, A. & Lira, R. 2003. Ethnobotany and antibacterial activity of some plants used in traditional medicine of Zapotitlán de las Salinas, Puebla (México). Journal of Ethnopharmacology 88: 181-188.

Hernandez, T.; Canales, M.; Teran, B.; Avila, O.; Duran, A.; Garcia, M. A.; Hernandez, H.; Angeles-Lopez, O.; Fernandez-Araiza, M. & Avila, G. 2007. Antimicrobial activity of the essencial oil and extracts of Cordia curassavica (Boraginaceae). Journal of Ethnopharmacology 111: 137-141.

Ioset, J.R.; Marston, A.; Gupta, M.P. & Hostettmann, K. 2000. Antifungal and larvicidal cordial quinines from the roots of Cordia curassavica. Phytochemistry 53: 613-617.

Ladio, A. H.; Albuquerque, U. P. 2014. Etnobiologia urbana. In: ALBUQUERQUE, U.P. (Org.) Introdução à etnobiologia. Nupeea, Recife, p.35-41.

Lorenzi, H. & Matos, F. J. de A. 2008. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Instituto Plantarum, Nova Odessa. 440p.

Magalhães, P. M. 2010. Estratégias para o mercado de plantas medicinais e aromáticas no Brasil: o exemplo da erva-baleeira. Informe Agropecuário 31: 94-100.

Medeiros, P. M.; Almeida, J. L.; Albuquerque, U.P. 2014. Etnia, renda e escolaridade. In: ALBUQUERQUE, U.P. (Org.) Introdução à etnobiologia. Nupeea, Recife, p. 169-174.

Mendes, A. D. R.; Lacerda. T. H. S.; Rocha, S. M. G. & Martins, E. R. 2014. Reguladores vegetais e substratos no enraizamento de estacas de erva-baleeira (Varronia curassavica Jacq). Revista Brasileira de Plantas Medicinais 16: 262-270.

Oliveira, D. M. C. de; Luchini, A. N.; Seito, L. N.; Gomes, J. C.; Crespo-Lopez, M. E. & Di Stasi, L. C. 2011. Cordia verbenacea and secretion of mast cells in different animal species. Journal of Ethnopharmacology, 135 (2): 463-468.

Panizza, S. 2000. Plantas que curam: cheiro de mato. 9.ed. Ibrasa, São Paulo. 279p.

Parisotto, E. B.; Michielin, E. M. Z.; Biscaro, F.; Ferreira, S. R. S.; Wilhelm Filho, D. & Pedrosa, R. C. T. 2012. The antitumor activity of extracts from Cordia verbenacea DC. obtained by supercritical fluid extraction. Journal of Supercritical Fluids 61: 101-107.

Passos, G. F.; Fernandes, E. S.; da Cunha, F. M.; Ferreira, J.; Pianowski, L. F.; Campos, M.M. & Calixto, J.B. 2007. Anti-inflammatory and anti-allergic properties of the essential oil and active compounds from Cordia verbenacea. Journal of Ethnopharmacology 110: 323–333.

Ranga, N. T.; Melo, J. I.; Silva, L. C. Boraginaceae. In: WANDERLEY, M. G. L. et al. (Coord.) Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. 2012. Instituto de Botânica, São Paulo p. 117-142.

Refsio, C.; Brandão, D. C.; Brandão, G. C.; Korukian, M.; Garcia, R. J.; Bonfigliori, R.; Nery, C. A. S. & Gamba, R. 2005. Avaliação clínica da eficácia e segurança do uso de extrato padronizado da Cordia verbenacea em pacientes portadores de tendinite e dor miofascial. Revista Brasileira de Medicina 62: 40-46.

Rogerio, A. P.; Andrade, E. L.; Leite, D. F.; Figueiredo, C. P. & Calixto, J. B. 2009. Preventive and therapeutic anti-inflammatory properties of the sesquiterpene alpha-humulene in experimental airways allergic inflammation, Brazilian Journal Pharmacology 158: 1074-1087.

Roldão, E. F.; Witaicenis, A.; Seito, L. N.; Hiruma-Lima, C. A. & Di Stasi, L. C. 2008. Evaluation of the antiulcerogenic and analgesic activities of Cordia verbenacea DC. (Boraginaceae). Journal of Ethnopharmacology 119: 94-98.

Rossato, A. E.; Pierini, M. M.; Amaral, P. A.; Santos, R. R. & Citadini-Zanette, V. (Orgs.). 2012. Fitoterapia racional: aspectos taxonômicos, agroecológicos, etnobotânicos e terapêuticos. Dioesc, Florianópolis, v.1. 213p.

Sertié, J. A. A.; Basile, A. C.; Panizza, S.; Matida, A.K. & Zelnik, R. 1990. Anti-inflammatoryactivity and sub-acute toxicity of artemetin, Planta Medica 56: 36-40.

Sertié, J. A. A.; Basile, A. C.; Panizza, S.; Oshiro, T. T.; Azzolini, C. P. & Penna, S. 1991. Pharmacological assay of Cordia verbenacea III: Oral and topical anti-inflammatory activity and gastrotoxicity of a crude leaf extract. Journal of Ethnopharmacology 31: 239–247.

Sertié, J. A. A.; Woisky, R. G.; Wiezel, G. & Rodrigues, M. 2005. Pharmacological assay of Cordia verbenacea V: oral and topical anti-inflammatory activity, analgesic effect and fetus toxicity of a crude leaf extract. Phytomedicine 12: 338-344.

Silva Junior, A. A. 1997. Plantas Medicinais. EPAGRI, Itajaí. CD–ROM.

Silva, C.S.P. 2007. As plantas medicinais no município de Ouro Verde, GO, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília. 153p.

Ticli, F. K.; Hage, L. I.; Cambraia, R. S.; Pereira, P. S.; Magro, A. J.; Fontes, M. R.; Stabeli, R. G.; Giglio, J. R.; Franca, S. C.; Soares, A. M. & Sampaio, S. V. 2005. Rosmarinic acid, a new snake venomphospholipase A2 inhibitor from Cordia verbenacea (Boraginaceae): antiserum action potentiation and molecular interaction. Toxicon 46: 318–327.

Vásquez, S. P. F; Mendonça, M. S. & Noda, S. N. M. 2014. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica 44: 457-472.

Viu, A. F. M; Viu, M. A. O. & Campos, L.Z.O. 2010. Etnobotânica: uma questão de gênero? Revista Brasileira de Agroecologia 5: 138-147.

Zank, S.; Hanazaki, N. Exploring the links between ethnobotany, local therapeutic practices, and protected areas in Santa Catarina coastline, Brazil. 2012. Evidence-based complementary and alternative medicine, v. 2012, 15p.

Zank, S.; Hanazaki, N. & Santos de Mello, A. 2015. Participatory Approaches and Conservation of Medicinal Plants: Identifying priority species in the community of Areais da Ribanceira (Brazil). Ethnobotany Research and Applications 14: 357-366.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-016

Apontamentos

  • Não há apontamentos.