Capacidade de germinação de Abrus precatorius L. (Fabaceae) / Germination capacity of Abrus precatorius (Fabaceae)

Ana Isabela Mafra

Resumo


A presente pesquisa avaliou a capacidade de germinação das sementes de Abrus precatorius sob diferentes tratamentos que simularam as condições ambientais. Foram realizados experimentos de escarificação; embebição por curto período, com água em temperaturas diferentes por seis horas; embebição por longo período, com água ambiente em diferentes números de dias; sombreamento, com as intensidades de 0,50 e 100% de luz, com sementes escarificadas e não escarificadas; soterramento em profundidades de 2 e 5cm, variação de temperatura e choque térmico utilizando estufa, banho-maria e geladeira; salinidade nas diluições de 0, 5, 10 e 20; e avaliação de setenta dias com as sementes que não sofreram manipulação, denominadas in natura. A germinabilidade das sementes nos diferentes tratamentos foi comparada por meio de ANOVA e teste de Tukey. Foi verificado que as sementes apresentam germinação muito lenta quando não sofrem manipulação antes do plantio. A dormência ocorre por impermeabilidade da testa que é muito resistente, portanto, o método de escarificação foi o mais eficiente. Abrus precatorius só embebe quanto sua testa apresenta danos. Esta espécie consegue germinar com e sem a presença de luz. A germinação tolera apenas concentrações muito baixas de sal. Tanto a variação de temperatura quanto o choque térmico não apresentam grande influência sobre a germinação, porém o choque térmico mostrou-se mais eficiente do que as variações de temperatura, aumentando levemente as taxas de germinação. As plântulas conseguem emergir de soterramentos com até 2cm de profundidades, não tendo reservas necessárias para emergir de soterramentos de 5cm.


Palavras-chave


Germinação, Dormência, Escarificação.

Texto completo:

PDF

Referências


Baskin, C. C., Baskin, J. M. (2014). Seeds: Ecology, Biogeography and Evolution of Dormancy and Germination. San Diego, Academic Press.

Bird, E. C. F. (2008). Coastal geomorphology: an introduction. John Wiley & Sons Ltd. England, 411p.

Borges, C. T., Deuner, C., Rigo, G. A., Oliveira, S., Moraes, D. M. (2014). O estresse salino afeta a qualidade fisiológica de sementes de rúcula? Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, 10(19), 1049-1057.

Brancalion, P. H. S., Rodrigues, R. R., Gandolfi, S. (2015). Restauração florestal. São Paulo: Oficina de Textos; 432 p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2009). Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. – Brasília: Mapa/ACS. 399 p.

Carvalho, N. M. E., Nakagawa, J. (2012). Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP. 588p.

Chen, H. E., Maun, M. A. (1999). Effects of sand burial depth on seed germination and seedling emergence of Cirsium pitcheri. Plant ecology. v.140. p.53-60.

Cordazzo, C. V.; Paiva, J.B.; Seeliger, U. (2006). Plantas de dunas da costa sudeste atlântica. União Sulamaricana de Estudos da Biodiversidade, Pelotas. 107 p.

Ferreira, A. G., Borghetti, F. (2004). Germinação do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed. 323p.

Freitas, R. R., Carvalho, D. A., Alvarenga, A. A. (1990). Quebra de dormência e germinação de sementes de capim-marmelada (Brachiaria plantaginea). Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal. v.2. n.2. p.31-35.

Hesp, P. A. (2012). A Surfzone-beach-dune interactions. In: KRANENBURG, W. M.; HORSTMAN, E. M.; WIJNBERG, K. M., (Eds). Crossing borders in coastal research: jubilee conference proceedings. University of Twente, Enschede, the Netherlands.

Labouriau, L. G. (1983). A germinação de sementes. Washington: Organização dos Estados Americanos. 170p.

Lima, G. S., Dias, A. S., Soares, L.A. A., Gheyi, H. R., Nobre, R. G., Silva, A. A. R. (2019). Eficiência fotoquímica, partição de fotoassimilados e produção do algodoeiro sob estresse salino e adubação nitrogenada. Revista de Ciências Agrárias, 42(1), 214-225.

LISBOA, A. C. O. (2017). Germinação de sementes e desenvolvimento embrionário de Corema album. Dissertação de Mestrado em Engenharia Agronómica – Hortofruticultura e Viticultura. Instituto Superior de Agronomia. UNIVERSIDADE DE LISBOA. 71p.

Mafra, A. I. (2004). Fenologia de Abrus precatorius no litoral sul da praia de Navegantes – SC – Brasil. Relatório final de projeto de pesquisa. PIBIC. (CNPq). UNIVALI.

Pinheiro, G. F., Emilio, T. C., Bosa, P. E., Cunha, S. R. (2004). Avaliação da variação temporal da distribuição e abundância da vegetação vegetal das dunas da Praia de Navegantes, SC. Anais do Congresso Brasileiro de Oceanografia, Itajaí.

Rondon, J. N., Sassaki, R. M., Zaidan, L.B.P., Felippe, G. M. (2001). Effects of moisture content and temperature during storage on germination of the achenes of Bidens gardneri Baker. Revista Brasileira de Botânica. v. 24. p.35-41.

Serikiaku, G. T. (2002). Levantamento florístico de Convolvulaceae e Fabaceae no litoral sul do município de Navegantes, SC - Brasil. 70 f. Itajaí, Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciências Biológicas - Ênfase em Biotecnologia). Centro Tecnológico da Terra e do Mar- CTTmar. Universidade do Vale do Itajaí.

Smiderle, O. J. E., Souza, R. C. P. (2003). Dormência de sementes de papicarana (Bowdichia virgilioides Kunth) Fabaceae – Papilionidae. Revista Brasileria de Sementes. v. 25. n. 1, p.72-75.

Soares, J. B. C., Silva, C. P., Guerra, D. G. F., Arueira, L. J. M. (2011). Superação da dormência em sementes de Desmodium tortuosum. Agropecuária Científica no Semiárido. 7:4:05-08.

Souza, C. L. M. (2015). Armazenamento de sementes e caracterização morfofisiológica de espécies do gênero Physalis. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais), Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA, Brasil, 88p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I. M.; MURPHY, A. (2017). Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 858p.

Zaidan, L. B. P. E., Barbedo, C. J. (2004). Quebra da dormência em sementes. In: FERREIRA, A. G. E BORGHETI, F., Germinação do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed. p.135-146.

Zuffo, A. M., Bush, A., Oliveira, M., Teixeira, H. R. S; Aguilera, J. G. P. (2020). Posição e profundidade de semeadura na formação de mudas de Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert (Fabaceae). Acta Biológica Catarinense. Jul-Set;7(3):98-107.

Zuffo, A. M., Steiner, F., Zuffo Júnior, J. M., Bush, A., Silva, J. M. R. da., Limede, A. C., Oliveira, C. E. da S. (2017). Nonchemical methods to break seed dormancy of canafistula [Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert (Fabaceae)]. Australian Journal of Crop Science. 11(12): 1567-1572.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.