Aplicação de metodologias extensionistas na produção de equídeos na região da zona oeste do Rio de janeiro com ênfase em mormo e anemia infecciosa equina / Application of extension methodologies in the production of equidae in the western region of Rio de Janeiro with emphasis on glanders and equine infectious anemia

Federico dos Santos Cupello, Marina Jorge de Lemos, Thiago Ventura Scoralick Braga, Alline Ferreira Brasil, Silvia Paranhos Turner, Natalia Santana Lima Borges Figueiredo, Flávia Vieira Fonseca Brandão

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo aplicar metodologias extensionistas através da elaboração de um projeto com produtores rurais na região da zona oeste do Rio de Janeiro/RJ, a fim de orientá-los sobre as doenças mormo e AIE e sobre a função do extensionista rural. O trabalho foi realizado no período de novembro de 2019 a maio de 2020 no município do Rio de Janeiro – RJ, no qual 15 (quinze) criadores participaram da pesquisa. Os produtores variavam em quantitativo animal (de 1 a 120 animais) e com finalidades diversas (reprodução, trabalho, esporte, cavalgadas, competições e lazer). A abordagem inicial aos produtores ocorreu de duas formas, a primeira através de visita às propriedades e a segunda através de contato telefônico para aplicar em seguida um questionário com 12 perguntas-chave, simples e objetivas, com intuito de conhecer o público abordado e suas deficiências, elaboradas em uma plataforma do Google para auxiliar na entrevista. Para os 15 produtores rurais foi enviado através de uma plataforma on line o questionário para os seus e-mails e após todos terem respondido, foi desenvolvido material abordando pontos onde os gráficos identificaram serem de maior importância a abordagem. A técnica utilizada no projeto foi de abordagem individual e massal, onde foi enviado para cada produtor, material de apoio explicando sobre a importância do trabalho do extensionista e das doenças através de panfletos e cartazes para serem colocados e distribuídos na propriedade entre os funcionários. Como técnica massal, foi criado um vídeo para ser divulgado em algumas plataformas sociais como Instagram, WhatsApp e YouTube e o mesmo material disponível para apresentação em formato Power Point para ser apresentado de forma presencial e com isso, buscou-se aumentar a abrangência das informações, não só limitando aos 15 colaboradores. Foi realizado novo contato com todos os colaboradores cinco dias após envio do material digital disponibilizado, para esclarecimentos de possíveis dúvidas e reforçar a importância da divulgação do material aos vizinhos e amigos, e foi verificado que houve boa aceitação de todos os produtores que receberam o material e que todos entenderam a importância do papel do extensionista na propriedade, assim como o quanto não prevenirem seus rebanhos, pode comprometer toda produção. Com a utilização da metodologia individual através de perguntas chave, verificou-se que na maioria das propriedades, os equídeos são utilizados para o lazer e que a maioria desconhece o papel do extensionista numa produção rural, assim como apresentaram pouco conhecimento sobre as doenças mormo e anemia infecciosa equina, e que em função disso, cometem falhas que abrem precedente para a entrada de animais doentes na propriedade. A utilização de técnicas de massa aumentou a abrangência do projeto para mais produtores rurais, ao passo que a técnica individual foi útil para aproximação do extensionista e seus colaboradores. O trabalho do extensionista na propriedade junto ao produtor rural resultou positivamente na qualidade da produção, evidenciando a importância da ajuda do extensionista para melhorar o conhecimento dos produtores rurais em relação a como se prevenirem contra o mormo e a anemia infecciosa equina.


Palavras-chave


Equino, extensão rural, doença infeciosa

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, C.E. et. al. ANEMIA INFECCIOSA EQUINA: Artigo de Revisão. Revista Conexão Eletrônica, Três Lagoas, MS, v. 16, n.1, 2019.

ALMEIDA, V. M. A. Anemia infecciosa eqüina: prevalência em eqüídeos de serviço em Minas Gerais. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec, v.58, n.2, Belo Horizonte, 2006.

ALMEIDA, V. M. A. et. al. Prevalence of equine infectious anemia in stud farms in Minas Gerais, Brazil. Semana: Ciências Agrárias, v. 38, n. 3, p. 1335-1346, 2017.

BROWN, C. V. Revisited: Emerging zoonoses. ASM News, v.69, p.493-497, 2003. CALLOU, A. B. F. Extensão rural no Brasil: da modernização ao desenvolvimento local. Revue uniRcoop, v. 5, p. 164, 2007.

CASSIANO, M. R. da. O abigeato e o agronegócio em Dom Pedrito. UNIPAMPA, Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio, 2012.

COSTA, E. et. al. Panorama da equinocultura no Rio Grande do Sul. Informativo Técnico, v. 5, 2014.

CASTRO, C. N. de; PEREIRA, C. N. Agricultura familiar, assistência técnica e extensão rural e a política nacional de Ater. IPEA, cap.4, p. 16-18, 2017.

DITTMANN, L.R. et.al. Aspectos clínicopatológicos do mormo em equinos - revisão de literatura. Alm. Med. Vet. Zoo, p.3, 2015. 46

FARIA, A. A. R.; DUENHAS, R. A. A Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pnater): um novo modelo de desenvolvimento rural ainda distante da agricultura familiar. Revista Eletrônica Competências Digitais para Agricultura Familiar, v. 5, n. 1, p. 137-167, 2019.

FERREIRA, T. T. Perfil da criação de cavalos crioulos no município de Dom Pedrito/RS.UNIPAMPA, Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio, 2013. FRANCO, M. M. J.; PAES, A. C. Anemia infecciosa equina. Revisão de Literatura. Veterinária e Zootecnia, v.197, p. 5, 2011.

GONÇALVES, T. L. et. al. NOITE DA PECUÁRIA: UM PROJETO DE EXTENSÃO RURAL E UNIVERSITÁRIA. Anais do VII Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. Universidade Federal do Pampa, 2015.

GUIRRO, E. C. B. P. et. al. Extensão voltada ao cavalo e carroceiro: Projeto carroceiro UFPR – Palotina e processo carroceiro de Iporã. Editora UFPR. Ed. Extensão em Foco, Curitiba, n. 7, p. 141-148, jan./jun., 2011.

HEREDIA, B.; PALMEIRA, M.; LEITE, S. P. Sociedade e Economia do "Agronegócio" no Brasil. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 25, n. 74, p. 159-176, Oct. 2010.

LEME, D. P. et. al. Projeto Carroceiro de Florianópolis. Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2014.

LEOPOLDINO, D. C. C. de. MORMO EM EQUINOS. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA, Ano VII, N. 12, 2009.

LIMA, M. F. N. T. Cuide da sua montaria, previna a anemia. Corumbá: Embrapa Pantanal, folder 177, p.2 - 4, 2013.

LISITA, F. O. Considerações sobre a extensão rural no Brasil. EMBRAPA, Brasil,2005. MARQUES, A. P. D. Epidemiologia matemática da anemia infecciosa equina. UNICAMPA, São Paulo, p.2-4,2012.

MELOTTI, V. D. Inserção do Discente de Medicina Veterinária à Realidade dos Sistemas Produtivos Pecuários. Primeira composição dos Anais do I JEC (Jornada de Extensão e Cultura do Centro-Oeste), v.8, n.1, 2019.

MORAIS, A. N. de et al. Rural extention for small producers of beef and dairy cattle. Rede de Ensino Doctum, p. 43, 2019.

SASSI, R. A. Equinocultura: investimentos e paixão pelos animais. AgroANALYSIS, v. 39, n. 10, p. 48, 2019.

TAYLOR, S. D. Equine Infectious Anemia Virus. Interpretation of Equine Laboratory Diagnostics, Wiley Online Library, p. 147, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.