Uso de decanoato de nandrolona (Deca-Durabolin ®) como estimulante da proliferação óssea em fratura de úmero com união retardada / Use of nandrolone decanoate as bone growth stimulator in humerus fracture with delayed union

Débora Maria Marques Callado de Oliveira, José Fernando Ibanez

Resumo


O uso de esteroides anabolizantes, como o decanoato de nandrolona, tem sido indicado para tratar estados catabólicos ósseos por apresentar pouca atividade androgênica e efeito positivo sobre a massa óssea. Um cão da raça Poodle, de 2 anos de idade, com peso de 4 kg, foi submetido à duas aplicações por via intramuscular de 2mg/kg de decanoato de nandrolona 50mg (Deca-Durabolin ®) com intervalo de 15 dias, após apresentar união retardada em fratura de úmero. A imagem radiográfica de 125 dias após a osteossíntese com o método de fixação tied-in, sugeriu início de não-união hipertrófica devido à espessa linha radiopaca correspondente à fratura e exuberância do calo ósseo. Ao exame físico, o paciente manifestou bom apoio do membro e o implante não apresentou falha. O paciente retornou 145 dias após a cirurgia para novo exame radiográfico, o qual demonstrou evolução do calo ósseo, com presença de ponte óssea unindo 3 corticais. Durante a avaliação ortopédica apresentou marcha normal e não foram observados clinicamente efeitos colaterais relacionados ao uso do decanoato de nandrolona. Conclui-se que este esteroide anabolizante possui grande potencial para estimulação da proliferação óssea em fratura com união retardada tendendo a não-união em cão.

Palavras-chave


Cães, Esteroides anabolizantes, Não-união.

Texto completo:

PDF

Referências


Piermattei DL, Flo GL, Decamp CE. União retardada e não-união. In:__ (2009). Ortopedia e tratamento de fraturas de pequenos animais. São Paulo: Manole, 189-199.

Ferreira IM et al. (1998). The influence of 6 months of oral anabolic steroids on body mass and respiratory muscles in undernourished COPD patients. Chest Journal, 114:19-28.

McCarthy TL et al. (2003). Runx2 integrates estrogen activity in osteoblasts. The Journal of Biological Chemistry, 278:43121-9.

Vanderschueren D et al. (2004). Androgens and bone. Endocrine Reviews, 25:389-425.

Millis DL, Jackson AM. Uniões tardias, Não-Uniões e Más-Uniões. In: Slatter D. (2007). Manual de cirurgia em pequenos animais. São Paulo: Manole, 1849-1861.

Grant GR, Olds RB. Tratamento das fraturas expostas. In: Slatter D. (2007). Manual de cirurgia em pequenos animais. São Paulo: Manole, 1793-1797.

Roe SC. External fixators, pins, nails, and wires. In: Johnson AL, Houlton JEF, Vannini R. (2005). AO Principles of Fracture Management in the Dog and Cat. New York:Thieme Stuttgart, AO Publishing, 52-7.

Schmaedecke A et al. (2003). Tratamento cirúrgico de união Retardada e não-união de fraturas em cães: revisão de literatura, Revista da Educação Continuada do CRMV-SP, São Paulo, 6:74-82.

Kim M, Choe S. (2011). BMPs and their clinical potentials. BMB Reports, 44:.619–634.

Ahmad F et al. (2013). Influence of Anabolic Steroid on Tibial Fracture Healing in Rabbit – A study on Experimental Model. Journal of Clinical and Diagnostic Research, 7:93-96.

Yi-xin HE et al. (2011). Impaired bone healing pattern in mice with ovariectomy-induced osteoporosis: A drill-hole defect model. Bone, 48:1388–1400.

Aerssens J et al. (2003). Mechanical properties, bone mineral content, and bone composition of the rat femur: influence of ovariectomy and nandrolon decanoate treat¬ment. Calcified Tissue International, 53: 269-77.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-059

Apontamentos

  • Não há apontamentos.