Composição, riqueza e índices ecológicos do fitoplâncton do lago Bolonha (Belém, Pará) / Composition, richness and ecological index of phytoplankton of lake Bolonha (Belém, Pará)

Eliane Brabo de Sousa, Samara Letícia dos Santos Pinto, Aline Lemos Gomes, Celly Jenniffer da Silva Cunha, Vanessa Bandeira da Costa Tavares, Samara Cristina Campelo Pinheiro

Resumo


O fitoplâncton varia em função dos fatores ambientais, hidrológicos e autogênicos. Em reservatórios as mudanças do fitoplâncton conduzem às interpretações ambientais e ao diagnóstico da qualidade da água. Este estudo avaliou a composição e os índices ecológicos aplicados ao fitoplâncton do reservatório Bolonha (Belém, Pará) em dois períodos sazonais da região amazônica. As coletas foram realizadas em novembro/2018 (seco) e maio/2019 (chuvoso) no ponto de entrada da estação de tratamento de água- ETA. O fitoplâncton qualitativo foi coletado com rede de plâncton (45µm) e o fitoplâncton quantitativo foi coletado diretamente na sub-superfície da água em frascos de polipropileno (250 mL) em tréplica, sendo o material fixado com formol a 4%. O fitoplâncton foi analisado em microscopia ótica e foram aplicados os valores de riqueza de espécies e dominância (D) e os índices de diversidade de Shannon (H’) e Equabilidade de Pielou (E). O mês chuvoso apresentou a maior riqueza de espécies (80 espécies), maior densidade (231,0 ind.L-1), maior diversidade (H= 2,6 bits.ind-1), maior equitabilidade (E=0,8) e menor dominância (D= 0,1). As classes de maior representatividade de espécies para o mês seco foram Bacillariophyceae (33%), Cyanophyceae (21%), Chlorophyceae (17%), enquanto no mês chuvoso foram Chlorophyceae (27%), Cyanophyceae (19%) e Bacillariophyceae (15%). Porém, as cianobactérias (Cyanophyceae) foram mais densas em ambos os períodos com média de 167,0 ind.L-1 e 97,0 ind.L-1, nos meses de novembro/2018 e maio/2019, respectivamente. A espécie Pseudanabaena sp.1 foi dominante em novembro (seco) e as espécies Phormidium lividum, Pseudanabaena limnetica, Urosolenia longiseta, Cryptomonas sp. e Trachelomonas sp.1 foram abundantes no mês chuvoso. As cianobactérias encontradas em maior densidade e abundância são tipicamente bentônicas e emergem para o plâncton devido à interação sedimento-água, evidenciando que o reservatório é raso e sofre movimentos de revolvimento devido a um canal de escoamento localizado no leito do reservatório Bolonha. O monitoramento do fitoplâncton deve se intensificar nos meses menos chuvosos com ênfase nas cianobactérias.


Palavras-chave


reservatório, abastecimento, monitoramento.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Atlas do Brasil: abastecimento urbano de água. Brasília: ANA, 2010.

BICUDO, C.E.M.; MENEZES, M. Gêneros de algas de águas continentais do Brasil: chave para identificações e descrições. São Carlos: Editora Rima, 2017. 552p.

BIRK, S. et al. Three hundred ways to assess Europe's surface waters: An almost complete overview of biological methods to implement the Water Framework Directive. Ecological Indicators, v. 18, p. 31-41, 2012.

COSTA, V.B. et al. Effects of a high energy coastal environment on the structure and dynamics of phytoplankton communities (Brazilian Amazon littoral). Journal of Coastal Research, n. 64, p. 354- 358, 2011.

COSTA, V.B. et al. Microfitoplâncton do Lago Água Preta, Parque Ambiental de Belém (Pará, Brasil). Período mais chuvoso. Uakari, v. 6, n. 1, p. 75-86, 2010.

DUARTE, P.; MACEDO, M.F.; FONSECA, L.C. The relationship between phytoplankton diversity and community function in a coastal lagoon. Hydrobiologia, v. 555, p. 3–18, 2006.

FIGUEROA, S.N.; NOBRE, C.A. Precipitation distribution over central and western tropical South America. Climanálise, v. 5, p. 36-45, 1990.

GAMMAL, M.A.M., NAGEEB, M., Al-SABEB, S. Phytoplankton abundance in relation to the quality of the coastal water – Arabian Gulf, Saudi Arabia. The Egyptian Journal of Aquatic Research, v. 43, n. 4, p. 275-282, 2017.

GONÇALVES, E.D. et al. APLICAÇÃO do Sistema de Informação Geográfica na Microbacia dos Lagos Bolonha e Água Preta (PA). Boletim Técnico Científico do Cepnor, v. 15, n. 1, p. 43 - 50, 2015

HAMMER, Ø.; HARPER, D.A.T.; RYAN, P.D. Past: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Dados da Rede INMET. Dados

Históricos. 2019. Disponível em: < http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>. Acesso em: 20 de Jan. 2019.

KOMÁREK, J.; ANAGNOSTIDIS, K. Cyanoprocaryota 1. Teil: Chroococcales. In: MOESTRUP, Ø.; CALADO, A. Süßwasserflora von Mitteleuropa freshwater flora of central Europa. Berlim: Spektrum Akademischer Verlag, 2008. 548 p.

KOMÁREK, J.; ANAGNOSTIDIS, K. Cyanoprokaryota 2. teil/ 2nd part: oscillatoriales. In: BÜDEL, B. et al. (Ed.). Sußwasserflora Von Mitteleuropa 19/2. Heidelberg: Elsevier/Spektrum, 2005. 759p.

LIMA, N. S. et al. Hydrodynamic modeling and morphological analysis of lake Bolonha: a water source in Belém, Pará State, Brazil. Acta Scientiarum Technology, v. 35, n.1, p. 5967, 2013.

LOBO, E.; LEIGHTON, G. Estructuras Comunitarias de las Fitocenosis Planctónicas de los Sistemas de Desembocaduras de Rios y Esteros de la Zona Central de Chile. Revista Biología Marina, v. 22, n. 1, p. 1-29, 1986.

MATOS, J.B. et al. Caracterização quali-quantitativa do fitoplâncton da zona de arrebentação de uma praia amazônica. Acta Botanica Brasílica, v. 26, p. 979-990, 2012.

MONTEIRO, M.D.R. et al. Composição e distribuição do microfitoplâncton do rio Guamá no trecho entre Belém e São Miguel do Guamá, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 3, p. 341-351, 2009.

NABOUT, J.C. et al. Phytoplankton diversity (alpha, beta and gamma) from the Araguaia River tropical floodplain lakes (central Brazil). Hydrobiologia, v. 575, p. 455-461, 2007.

PAIVA, R. S. et al. Ecological considerations on the phytoplankton from Guajará Bay and from the Guamá River estuary in Pará, Brazil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais, v. 1, n. 2, p. 133-146, 2006.

PAMPLONA, B.T.F. et al. Comunidade fitoplanctônica do Reservatório da hidrelétrica de Tucuruí (Pará, Brasil). In ALFARO, A. T. S.; TROJAN, D. G. (Org.). Ciências ambientais e o desenvolvimento sustentável na Amazônia. Curitiba: Atena, 2017. p. 119- 129.

PIELOU, E.C. Mathematical ecology. New York: Wiley, 1977. 385p

PIRES, P.V.B. et al. Variação espaço-temporal das diatomáceas do reservatório de Belém (Lago Bolonha). In MACHADo, S.; MOURA, A. S. (Org.). Educação, meio ambiente e território 2. Ponta Grossa (PR): Atena, 2019. p. 195- 206.

REYNOLDS, C.S. et al. Towards classification of the freshwater phytoplankton. Journal of Plankton Research, v. 24, n. 5, p. 417-428, 2002.

ROCHA NETO, O.D.; SILVA, B.M.; PAIVA, R.S. Variação dos parâmetros físicoquímicos, composição e biomassa fitoplanctônica em uma estação fixa na Foz do Rio Guamá, Belém, Pará- Brasil. Boletim Técnico Científico do Cepnor, v. 16, n. 1, p. 19-28, 2016.

ROUND, F.E.; CRAWFORD, R.M.; MANN D.G. Diatoms: Biology and Morphology of the Genera. 5. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. 760 p.

SHANNON, C.E. A Mathematical Theory of Communication. Bulletin of System Tecnology Journal, v. 27, p. 379-423, 1948.

SOUSA, E.B. Fatores ambientais reguladores da dinâmica do fitoplâncton e das cianobactérias dos mananciais de abastecimento da região metropolitana de Belém, Pará, Brasil. 235. Tese (Doutorado) - Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro: UFRJ, 2017.

SOUSA, E.B. et al. Monitoramento de Cianobactérias nos Reservatórios de Abastecimento de Belém: Entendendo os Riscos. In ALFARO, A. T. S.; TROJAN, D. G. (Org.). Ciências ambientais e o desenvolvimento sustentável na Amazônia. Curitiba: Atena, 2017. p.95-105.

SOUSA, E.B. et al. Variação temporal do fitoplâncton e dos parâmetros hidrológicos da zona de arrebentação da Ilha Canela (Bragança, Pará, Brasil). Acta Botânica Brasílica, v. 23, p. 1084-1095, 2009.

SOUSA, E.B. et al. Dinâmica Sazonal do Fitoplâncton do Parque Estadual do Charapucu (Afuá, Arquipélago do Marajó, Pará, Brasil). Biota Amazônia, v. 5, n. 4, p. 34-41, 2013.

TIAN, C. et al. Phytoplankton Functional Groups Variation and Influencing Factors in a Shallow Temperate Lake. Water Environment Research, v. 90, p.510-519, 2018.

TREMARIN, P.I. et al. Acanthoceras and Urosolenia species (Diatomeae) in subtropical reservoirs from South Brazil: Ultrastructure, distribution and autoecology. Biota Neotropica, v. 15, n. 1, e20140043, 2015.

URAMOTO, K.; WALDER, J.M.M.; ZUCCHI, R.A. Análise Quantitativa e Distribuição de Populações de Espécies de Anastrepha (Diptera: Tephritidae) no Campus Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP. Neotropical Entomology, v. 34, n. 1, p. 033-039, 2005.

UTERMÖHL, H. Zur vervolkommung der quantitativen phytoplankton-Methodik. Mitteilungen Internationale Vereiningung fuer Theoretische und Angewandte Limnologie, v. 9, p. 1-38, 1958.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.