Identificação de macrofungos encontrados em um fragmento de Mata Atlântica no extremo Sul da Bahia / Identification of macrofungi found in a fragment of Atlantic Forest in the extreme South of Bahia

Bianca Vicente Figueiredo, Michele Bomfim dos Santos, Jorge Luiz Fortuna

Resumo


Os fungos são componentes primordiais para os ecossistemas. Estes organismos são encontrados em qualquer local do ambiente, sendo grande a diversidade dos fungos existentes. A identificação preliminar de macrofungos visa contribuir para o conhecimento da área estudada, fornecendo dados para futuros estudos específicos a serem realizados no mesmo local. Este trabalho teve como objetivo realizar identificação de macrofungos encontrados em um fragmento de Mata Atlântica no município de Teixeira de Freitas no Extremo Sul da Bahia. As coletas foram realizadas em um fragmento florestal remanescente da Mata Atlântica, com aproximadamente 30 ha, onde se localiza o Programa Arboretum. Foram delimitadas seis parcelas de 125 m2 (5,0 m x 25,0 m). As coletas foram realizadas no período de janeiro de 2015 a fevereiro de 2017, totalizando seis saídas ao local das coletas. Todo material foi transportado para o Laboratório de Biologia dos Fungos do Campus X da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Foram identificados 21 (56,76%) macrofungos em nível de gênero e 16 (43,24%) em nível de espécie, distribuídos entre seis ordens e 11 diferentes famílias.


Palavras-chave


Fungos, Basidiomycota, Ascomycota, Mata Atlântica.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, M. C.; GUGLIOTTA, A. M.; GOMES, E. Poliporoides (Basidiomycota) em fragmentos de mata no perímetro urbano de São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Revista Brasil. v. 32, n. 3, p. 427-440, 2009.

ALBUQUERQUE, M. P.; VICTORIA, F. C.; PEREIRA, A. B. Ecologia e distribuição do gênero Leucocoprinus pat. no Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Biológica Leopondensia. v. 28, n. 1, p. 11-16, 2006.

ALBUQUERQUE, M. P. Fungos Agaricales em trechos de Mata Atlântica da Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, Brasil. Rio de Janeiro, 2006. 288 p. Dissertação (Mestrado). Pós-Graduação em Botânica. Escola Nacional de Botânica Tropical.

ALEXOPOULOS, C. J.; MIMS, C. W.; BLACKWELL, M. Introductory Mycology. 4. ed. New York: John Ileey & Sons, Inc. 1996. 870 p.

ANAGNOST, S. E. Light microscopic diagnosis of wood decay. Iawa Journal. v. 19, n. 2, p. 141-167, 1998.

BLACKWELL M. The fungi: 1, 2, 3 ... 5.1 million species?. American Journal of Botany. v. 98, n. 3, p. 426-38. 2011.

CAPELARI, M.; GUGLIOTTA, A. M. Estudo da diversidade de espécies de fungos macroscópicos do estado de São Paulo. Versão Preliminar. São Paulo-SP. 1996.

CAPELARI, M.; GUGLIOTTA, A. M.; FIGUEIREDO, M. B. O estudo de fungos macroscópicos no estado de São Paulo. n. p. In: JOLY, C. A.; BICUDO, C.E.M. (Org.) Biodiversidade do estado de São Paulo, Brasil. Vol. 2: Fungos macroscópicos e plantas. São Paulo: Fapesp, 1998. 79 p.

CARLILE, M. J.; WATKINSON, S. C.; GOODAY, G. W. The Fungi. 2 ed. London: Elsevier Academic. 2001. 588 p.

CORNER E. Clavaria and Allied Genera. London, UK. 1950. 740 p. Oxford University.

CORTEZ, V. G.; SILVEIRA, R. M. B. New species of Stropharia with hymenial acanthocytes. Mycologia. v. 99, p. 135-138, 2007a.

_______. Species of Hypholoma (Fr.) P. Kumm. (Strophariaceae, Agaricales) in Rio Grande do Sul State, Brazil. Acta Botânica Brasilica. v. 21, p. 609-621, 2007b.

CURLEVSKI, N. J. A.; XU, Z.; ANDERSON, I. C.; CAIRNEY, J. W. G. Soil fungal communities differ in native mixed forest and adjacent Araucaria cunninghamii plantations in subtropical Australia. Journal of Soils Sediments, v. 10, p. 1.278-1.288, 2010.

ESPÓSITO, E.; AZEVEDO, J.L.; Fungos: uma introdução à biologia, bioquímica e biotecnologia. 2 ed. Caxias do Sul: Educs, 2004. 510 p.

FIGUEIRÊDO, V. R. Estudo de fungos Aphyllophorales no Sul da Bahia. Ilhéus. 2008. 122 p. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal. Universidade Estadual de Santa Cruz.

FREITAS, M. C.; TESSAROLO, G; SANTOS, S. X. Diversidade de fungos de macroscópicos da “Reserva ecológica” do câmpus da EUG, Anápolis, Goiás-I: Agaricales. In: IV Seminário de Iniciação Científica da Universidade Estadual de Goiás. 2006. Anápolis. Anais…. p. 274-279.

GIBERTONI, T. B. Aphyllophorales (Basidiomycotina) em áreas de Mata Atlântica do Nordeste brasileiro. Recife. 2004. 263 p. Tese (Doutorado). Pós-Graduação em Biologia de Fungos. Universidade Federal de Pernambuco.

GILBERTSON, R. L.; RYVARDEN, L. North American Polypores. Oslo: Fungiflora. 1986. v. 1, 885 p.

GIROTTO, M. J.; AQUINO, L. F. B.; PEREZ, R. B.; NEVES, M. F.; SACCO, S. R. O uso de fungos nematófagos no controle biológico de nematóides parasitas: Revisão de literatura. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, v. 6, n. 10, n.p. 2008.

GUERRERO, R. T.; HOMRICH, M. H. Fungos macroscópicos comuns no Rio Grande do Sul. Guia para identificação. 2 ed. Porto Alegre: UFRGS. 1999. 124 p.

GUGLIOTTA, A. B.; CAPELARI, M. Taxonomia de Basidiomicetos. p. 68-105. In: BONONI, V. L. R.; GRANDI, R. A. P. (Eds.). Zigomicetos, Basidiomicetos e Deuteromicetos: Noções Básicas de Taxonomia e Aplicações Biotecnológicas. São Paulo: Instituto de Botânica. 1998.

GUZMÁN, G.; CORTÉS-PÉREZ. A.; GUZMÁN-DÁVALOS, L.; RAMÍREZ-GUILLÉN, F.; SÁNCHEZ-JÁCOME, M.D. R. An emendation of Scleroderma, new records, and review of the known species in Mexico. Una emendación de Scleroderma, nuevos registros y revisión de las especies conocidas en México. Revista Mexicana de Revista Mexicana de Biodiversidad. v. 84, n.2, p.177-191. 2013.

HEINEMANN P. Flore illustrée des champignons d' Afrique centrale. Fascicule 5. Leucocoprinus (Agaricaceae). Bull Jard Bot Nat Belg. v. 5, p. 87-109. 1977.

HYDE, K. D.; HAWKSWORTH, D. L. Measuring and monitoring the biodiversity of microfungi. Biodiversity of Tropical Microfungi. p. 141-156, 1997.

JOSUÉ, M. Biodiversidade de fungos poliporóides lignolíticos (Basidiomycetes) no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, Santa Catarina, Brasil. Florianópolis. 2006. 278 p. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal. Centro de Ciências Biológicas. Universidade Federal de Santa Catarina.

KEIZER, G. J. La Enciclopédia de las Setas. Madrid: Libsa. 2000.

LAGOS, A.R.; MULLER, B.L.A. Hotsopt Brasileiro. Saúde & Meio Ambiente, v. 2, n. 2, p. 35-45, 2007.

MAGUIRE, R. Trial field key to the species of Sarcosomataceae in the Pacific Northwest. Pacific Northwest Key Council. 1982. n.p.

MAIA, A. K. B.; TORRES FILHO, J.; CHAVES, J. T. L. Importância dos basidiomicetos como decompositores da matéria orgânica para biodiversidade da Floresta Nacional do Araripe. Universidade Federal do Ceará. p. 1-4. Dez-2012. Anais... IV Encontro Universitário da UFC no Cariri. Juazeiro do Norte.

MARQUES, M. B. S. Diversidade e ecologia dos macrofungos do jardim botânico da Universidade de Coimbra. Portugal. 2012. 62 p. Dissertação (Mestrado) Ecologia, Ambiente e Território. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

MATA, H. M.; HALLING, R.; MUELLER, G. M. Macrhongos de Costa Rica. 2 ed. Costa Rica: Instituto Nacional de Biodiversidade. v. 2. 2003. 240 p.

MATA, H. M. Macrhongos de Costa Rica. 2 ed. Costa Rica: Instituto Nacional de biodiversidade. 2003. v.1. 256 p.

MORGAN, A.P. North American species of Marasmius. The Journal of Mycology. v. 11, n. 5, p. 201-212. 1905.

MYCOBANK. The Fungal Website. [online]. Disponível em: Acessado em 04 de março de 2015.

NEVES, M. A.; BASEIA, L. G.; DRECHSLER-SANTOS, E. R. Guide to the Common Fungi of the Semiarid Region of Brazil. Florianópolis: TECC. 2013.

NEWELL, S. Y.; PORTER, D.; LINGLE, W. L. Lignocellulolysis by Ascomycetes (fungi) of a Saltmarsh Grass (smooth cordgrass). Microscopy Research and Technique. v. 33, p. 32-46, 1996.

OVREBO, C. The agaric flora (Agaricales) of La Selva Biological Station, Costa Rica.Revista de Biologia Tropical. v. 44, n. 4, p. 39-57. 1996.

PEREIRA, A. B; PUTZKE, J. Famílias e Gêneros de Fungos Agaricales (Cogumelos) no Rio Grande do Sul. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. 1990. 188 p.

PETERSEN, J. H.; GABA, A.; LÆSSØE, T. MycoKey 4.0. The Mycological Identification Site. MycoKeys Online Morphing Mushroom Identifier (MMI®) Quickstart. [online]. Disponível em Acessado em 18 de novembro de 2014.

PUCCINELLI, C. Marasmius (Basidiomycota - Marasmiaceae) do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI), São Paulo, SP, Brasil. São Paulo. 2007. 109 p. Dissertação (Mestrado). Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente. Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente.

PUTZKE, J.; PUTZKE, T. L. Os Reinos dos Fungos. Volume 1. 3. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. 2013. 666 p.

ROSSMAN, A. Y.; TULLOSS, R. E.; O’DELL, T. E.; THORN, R. G. Protocols for an All Taxa Biodiversity Inventory of Fungi in a Costa Rican Conservation Area. Boone: Parkway Publishers. 1998. 195 p.

ROTHER, M. S. Espécies de Agaricaceae chevall. (Agaricales, Basidiomycota) no Parque Estadual de Itapuã, Viamão, Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2007. 91 p. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Botânica. UFRGS. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

ROTHER, M. S.; SILVEIRA, R. M. B. Família Agaricaceae (Agaricales, Basidiomycota) no Parque estadual de Itapuã, Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. v. 6, n. 3, p. 259-268, 2008.

RYVARDEN, L.; JOHANSEN, I. A Preliminary Polypore Flora of East Africa. Oslo: Fungiflora. 1980. 633 p.

SCHMIT J. P.; MUELLER G. M. An estimate of the lower limit of global fungal diversity. Biodiversity Conservation. v. 16 p. 99-111, 2007.

SHIVAS, R. G.; HYDE, K. D. Biodiversity of pathogenic fungi in the tropics. p. 47-56. In: HYDE, K. D. Biodiversity of Tropical Microfungi. Hong Kong: Universy press. 1997

SILVA, P. S; CORTEZ, V. G; SILVEIRA, R. M. B. Strophariaceae (Agaricales, Basidiomycota) no Parque Estadual do Itapuã, Viamão, Rio Grande do Sul: chave para identificação das espécies. Revista Brasileira de Biociências. v. 6, n. 3, p. 253-258, 2008.

SILVA, R. R.; COELHO, G. D. Fungos Principais Grupos e Aplicações Biotecnológicas. São Paulo: Instituto de Botânica. 2006.

SINGER, R. Marasmieae (Basidiomycetes-Tricholomataceae). Flora Neotropica Monograph. v. 17, p. 1-347. 1976.

______. The Agaricales in Modern Taxonomy. 4. ed. Koenigstein: Koeltz Scientific Books. 1986. 981 p.

SPECIES 2000. Integrated Taxonomic Information System (ITIS). Catalogue of Life [online]. Disponível em: Acessado em 11 de fevereiro de 2017.

TEIXEIRA, A. R. Métodos para Estudos das Hifas do Basidiocarpo de Fungos Poliporáceos. Manual, n. 6. São Paulo: Instituto de Botânica. 1995. 22 p.

VALENCIA, S. U. O gênero Leucocoprinus pat. (Agaricaceae) no Brasil. Florianópolis. 2013. 78 p. dissertação (Mestrado). Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Algas e Plantas. Universidade Federal de Santa Catarina.

VÁSQUEZ, V. M. Fungos com poros: (Hymenochetalales e Polyporales) do Parque Estadual da Cantareira (PEC), São Paulo, SP, Brasil. São Paulo. 2013. 429 p. Dissertação (Mestrado), Biodiversidade Vegetal e Meio ambiente. Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

VIZZINI, A.; MIGLIOZZI, V. Leucocoprinus flavus, an exotic lepiotoid taxon new to Europe. Mycotaxon. v. 102, p. 293-306. 2007.

WEBSTER, J.; WEBER, R. W. S. Introduction to Fungi. 3 ed, Cambridge: Cambridge University Press. p. 841, 2007.

WEINSTEIN, R. N.; PFISTER, D. H.; ITURRIAGA, T. A phylogenetic study of the genus Cookeina. Mycologia. v. 94, n. 4, p. 673-682, 2002.

ZHOU, D.; HYDE, K. D. Host-specificity, host-exclusivity and host-recurrence in saprobic fungi. Mycological Research. v. 12, p. 1449-1457, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.