Trocas gasosas foliares de cafeeiros após o experimento Face: comparação de medições realizadas com licor 6400 e LC-PRO / Leaf gas exchange responses in coffee after the Face experiment: comparison of measurements made with licor 6400 and LC-PRO

Miroslava Rakocevic, Eunice Reis Batista

Resumo


Para avaliar ajustes e aclimatação de plantas às variações ambientais, as variações nas trocas gasosas foliares representam as respostas vegetativas primarias. Uma das maneiras de avaliar as respostas de folhas à variação de luz e outros fatores ambientais realiza-se através de construção de curvas de respostas de fotossíntese à luz e através de modificação dos parâmetros extraídos delas. Após o encerramento de injeção de CO2 no experimento Free-Air-CO2-Enrichment (FACE) com cafeeiros Arabica, foram efetuadas as medições paralelas de trocas gasosas usando dois sistemas abertos, LICOR-6400 e LC-pro e foram calculados os parâmetros de curvas de respostas de fotossíntese a luz. A hipótese do trabalho foi que dois sistemas de medição apresentariam as respostas comparáveis nas trocas gasosas (fotossíntese – A, condutância estomática – gs, transpiração – E e concentração de CO2 no espaço aéreo intercelular - Ci)  para a interpretação de respostas de cafeeiros às mudanças de ambiente. Dois sistemas de medição apresentaram ajustes excelentes quando as regressões lineares foram usadas na comparação das medições de trocas gasosas e dos parâmetros estimados de curvas de luz. Revelaram-se variações significantes entre dois sistemas nas medições de A e Ci usando teste t de pares. Estas variações foram relacionadas aos intervalos de fotossíntese baixa e de respiração no escuro. Os resultados obtidos por dois sistemas de medição foram altamente compatíveis na interpretação de impactos dos tratamentos. Isso indica a recomendação de contínuo uso do mesmo sistema para as medições durante um experimento inteiro, senão algumas conclusões poderão ser a consequência de variação na precisão e erros de equipamento e não das modificações de ambiente testado. Caso precisar usar diferentes equipamentos/sistemas, usar em estágios diferenciados de desenvolvimento vegetal, os quais não sejam comparáveis entre si.


Palavras-chave


comparação de medições, condutância estomática, fotossíntese foliar, respiração no escuro e transpiração.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEMAYEHU, M. (2015). Ethiopian highlands: home for Arabica coffee (Coffea arabica L.). In: Tropical lakes in a changing environment: water, land, biology, climate and humans, (eds.) NYSSEN, J.; ADGO, E.; DESSIE, M., pp. 58-65. Bahir Dar: Bahir Dar University.

BRITO-ROCHA, E.; SCHILLING, A. C.; Dos ANJOS, L.; PIOTTO, D.; DALMOLIN, A. C.; MIELKE, M. S. (2016). Regression models for estimating leaf area of seedlings and adult individuals of Neotropical rainforest tree species. Brazilian Journal of Biology 76(4):983-989.

BUCKLEY, T.N. (2017). Modeling stomatal conductance. Plant Physiology 174: 572–582.

FARQUHAR, G.D.; von CAEMMERER, S.; BERRY, J.A. (1980). A biochemical model of photosynthetic CO2 assimilation in leaves of C3 species. Planta 149:78–90.

GHINI, R.; TORRE-NETO, A.; DENTZIEN, A.F.M., GUERREIRO-FILHO, O.; IOST, R.; PATRÍCIO, F.R.A.; Prado, J.S.M.; THOMAZIELLO, R.A.; BETTIOL, W.; DaMATTA, F.M. (2015). Coffee growth, pest and yield responses to free-air CO2 enrichment. Climatic Change 132: 307–320.

HETHERINGTON, A.M.; WOODWARD, F.I. (2003). The role of stomata in sensing and driving environmental change. Nature 424:901–908.

LAKE, J. A.; QUICK, W. P.; BEERLING, D. J.; WOODWARD, F. I. (2001). Signals from mature to new leaves. Nature 411, 154–155.

LONG, S.P.; BERNACCHI, C.J. (2003). Gas exchange measurements, what can they tell us about the underlying limitations to photosynthesis? Procedures and sources of error. Journal of Experimental Botany 54(392): 2393-2401.

LONG, S.P.; HÄLLGREN, J.E. (1993). Measurements of CO2 assimilation by plants in the field and laboratory. In: HALL, O.; SCURLOCK, J.M.O.; BOLHAR-NORDENKAMPF, H.R.; LEEGOOD, R.C.; LONG, S.P. (eds.), Photosynthesis and productivity in a changing environment: a field and laboratory manual, pp. 129-167. London: Chapman and Hall.

MARTINS, S.C.V.; GALMÉS J.; CAVATTE, P.C.; PEREIRA, L.F.; VENTRELLA, M.C.; DaMATTA, F.M. (2014). Understanding the low photosynthetic rates of sun and shade coffee leaves: Bridging the gap on the relative roles of hydraulic, diffusive and biochemical constraints to photosynthesis. PLOS 9(4) e95571.

MATOS, F.S.; WOLFGRAMM, R.; GONÇALVES, F.V.; CAVATTE, P.C.; VENTRELLA, M.C.; DaMATTA, F.M. (2009). Phenotypic plasticity in response to light in the coffee tree. Environmental and Experimental Botany 67:421–427.

MATSUNAGA, F.T.; RAKOCEVIC, M.; BRANCHER, J.D. (2014). Modeling the 3D structure and rhythmic growth responses to environment in dioecious yerba-mate. Ecological Modeling 290:34-44.

MELO, E.F.; FERNANDES-BRUM, C.N.; PEREIRA, F.J.; CASTRO, E.M. de, CHALFUN-JÚNIOR, A. (2014). Anatomic and physiological modifications in seedlings of Coffea arabica cultivar Siriema under drought conditions. Ciência e Agrotecnologia 38(1):25-33.

‎R CORE TEAM (2019). https://www.r-project.org/

RAKOCEVIC, M.; MALAGODI-BRAGA, K.S.; BATISTA, E.R.; MAIA, A.H.N.; SCHOLZ, M.B. dos S.; FILIZOLA, H.F. (2019). The vegetative growth assists to reproductive responses of Arabic coffee trees in a long-term FACE experiment. Climatic Change (in press).

TOMINAGA, J.; SHIMADA, H.; KAWAMITSU, Y. (2018). Direct measurement of intercellular CO2 concentration in a gas-exchange system resolves overestimation using the standard method. Journal of Experimental Botany 69(8): 1981–1991.

ZIVCAK, M.; BRESTIC, M.; KALAJI, H.M.; GOVINDJEE (2014). Photosynthetic responses of sun- and shade-grown barley leaves to high light: is the lower PSII connectivity in shade leaves associated with protection against excess of light? Photosynthesis Research 119:339–354.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.