Cultivo experimental de ostras Crassostrea gigas na comunidade tradicional de Lajinha, sistema estuarino do rio Piraque-Mirim, distrito de Santa Cruz, Aracruz, ES / Experimental Crassostrea gigas oyster culture in the traditional community of Lajinha, estuarine system of Piraque-Mirim river, district of Santa Cruz, Aracruz, ES

Miguel Alfredo Boos, Marcia Vanacor Barroso

Resumo


Comunidades ribeirinhas da costa brasileira utilizam os recursos pesqueiros de ostras e mexilhões desde épocas remotas, um hábito adquirido com os indígenas que construíram os conhecidos sambaquis existentes por toda a costa brasileira. O cultivo de ostras no Brasil tem se desenvolvido basicamente com três espécies do Gênero Crassostrea: a ostra do manguezal, C. gasar (sinonímia de C. brasiliana), a ostra nativa C. rhizophorae e a ostra do Pacífico, C. gigas, sendo a ostra do Pacífico a principal espécie cultivada em torno do mundo. No Espírito Santo, cultivos de ostras foram implementados na década de 1980 com bons resultados zootécnicos, no entanto a conversão de pescadores extrativistas em produtores, com a necessidade do trabalho associativo, supostamente foram pontos de desagregação que geraram sua interrupção. O objetivo deste trabalho foi avaliar a adaptabilidade da ostra C. gigas com foco nos parâmetros de temperatura e salinidade. O presente estudo foi realizado na Comunidade de Lajinha, localizada as margens do Rio Piraquê-mirim, distrito de Santa Cruz, Aracruz, ES, Brasil, em um sistema long-line que utilizou um cabo de 18 mm contendo 100 m de extensão, fundeado por duas poitas. Foram povoadas 30.000 sementes provenientes de laboratório, com altura de concha de 1-2 cm alocadas em lanternas de cultivo com três diferentes malhas e densidades populacionais: 1 mm e 600-650; 5 mm e 250; 15 mm e 50-100. A seleção das ostras por tamanhos foi realizada de 20-25 dias e foram realizadas biometrias ao acaso com N entre 30 e 150 ostras. Observou-se que com 75 dias as ostras atingiram o tamanho comercial e ao final de 12 meses o rendimento de carne foi de 15%, o que foi considerado um bom resultado zootécnico. Os dados obtidos foram considerados satisfatórios para uma região de clima tropical, pois houve crescimento compatível com o de regiões mais frias e adaptabilidade as demais condições ambientais da área de estudo.


Palavras-chave


maricultura, molusco, manguezal

Texto completo:

PDF

Referências


CARGNIN, M. A. Influência da impregnação a vácuo de curcumina nas características físico-químicas das ostras (Cassostrea gigas). 53 p. TCC (Graduação Engenharia de Alimentos). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

EPAGRI. Síntese Informativa da Maricultura 2016. Florianópolis: 2017.

FAO. World review of fisheries and aquaculture. Aquaculture, v. 1, p. 88, 2010.

GOMES, C., SILVA, F. C., LOPES, G. R., MELO, C. M. R. The reproductive cycle of the oyster Crassostrea gasar. Braz. J. Biol., São Carlos, v. 74, n. 4, p. 967-976, 2014.

MANZONI, G. C., SCHMITT, J. F. Cultivo de ostras japonesas Crassostrea gigas (Mollusca: Bivalvia), na Armação do Itapocoroy, Penha, SC. In: Bases Ecológicas para um desenvolvimento sustentável: estudos de caso em Penha, SC. Cap. 17. p. 245-252, 2006.

Prefeitura de Aracruz. Atrações Turísticas. Rio Piraque-Açú. Disponível em: http://www.aracruz.es.gov.br/turismo/atracoes-turisticas/14/. Acesso em: 24 ago. 2020.

ODUM, E. Ecologia. Guanabara Koogan Ed., Rio de janeiro. 446 p. 1988.

POLI, C. R. Cultivo de Ostras do Pacífico (Cassostrea gigas, 1852). In: POLI, C. R., POLI, A. T. B., ANDREATTA, E., BELTRAME, E. (Organizadores). Aquicultura Experiências Brasileiras. Florianópolis: Ed. Multitarefa, p. 251-266, 2004.

TURECK, C. R., OLIVEIRA, T. M. N., CREMER, M. J., BREITER, R., NEESSE, T., TORRENS, B. M. O., MARCUSSI, A., AMARAL, E. B. Avaliação do crescimento em Crassostrea gigas (molusca, bivalve) cultivadas na Baía da Babitonga, litoral norte do Estado de Santa Catarina. Joinville: Univille, p. 1-15, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n4-013

Apontamentos

  • Não há apontamentos.