Pequenas áreas verdes urbanas conseguem contribuir com a conservação da fauna regional? / Can small urban green areas contribute to the conservation of regional fauna?

Alexandre Matos Muniz Matias, Ana Beatriz Alarcon Comelli

Resumo


Parques com grandes áreas de território, inseridas em ambientes urbanos, cumprem papel importante no equilíbrio climático e na conservação da biodiversidade local. Mas será que parques com áreas reduzidas, abertos à visitação, conseguem auxiliar e cumprir papel na conservação das espécies silvestres que ali ocorrem? Um dos desafios para esses parques é equilibrar áreas de construção que atendam aos visitantes com áreas significativas de vegetação. O Parque Zoobotânico Orquidário Municipal, localizado no município de Santos, região central do litoral de São Paulo, possui aproximadamente 25.000 m² e está inserido em um bairro residencial, entre a praia e a região dos morros do município. Sua área de vegetação corresponde a 13.000 m², contando com mais de 1.000 espécimes de árvores de grande porte e arbustos. O objetivo desse estudo foi descriminar quantas espécies da fauna silvestre utilizam a área do parque para residência, descanso, alimentação e proteção. Para o levantamento da biodiversidade do parque foi realizada pesquisa bibliográfica, além dos dados coletados pelos próprios técnicos do local. Nos últimos dez anos, foram relatadas 81 espécies, entre moluscos, borboletas, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. A avifauna foi o grupo mais estudado até o momento, com 56 espécies avistadas e identificadas. Apesar da arborização do parque não ter ocorrido de forma planejada no decorrer de sua história, a recente preocupação em manter sempre a proporção de área com vegetação, plantar novas árvores nativas e conservar árvores já existentes, possivelmente contribui para a atração das espécies locais. Novos estudos abrangendo outros grupos ampliarão essa listagem, mostrando que pequenos parques urbanos, aliados a um planejamento adequado, podem efetivamente contribuir com a conservação das espécies silvestres.


Palavras-chave


biodiversidade, meio urbano, parques, avifauna.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, C.M. A paisagem da Baixada Santista: urbanização, transformação e conservação. 1 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: FAPESP, 2006.

ALMEIDA, A.C.& CÂNDIDO-JÚNIOR, J.F. A importância de parques urbanos para a conservação de aves. Arq. Ciênc. Vet. Zool. UNIPAR. Umuarama, v. 20, n. 4, p. 189-199, 2017.

ALVEY, A.A. Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban Forestry & Urban Greening, v. 5. p. 195-201, 2006.

DEVELEY, P.F. As aves da Estação Ecológica Juréia-Itatins. In: Estação Ecológica Juréia-Itatins – ambiente físico, flora e fauna. Ed. Holos, Ribeirão Preto, p. 278-295, 2004.

FAUTH, C. W.; COMELLI, A. B. A.; SCHMLEGELOW, J. M. M. Levantamento da avifauna do Orquidário Municipal de Santos, um parque urbano. In: Anais do XXI Congresso Brasileiro de Ornitologia, Rio de Janeiro, p. 60, 2014.

FONTENELLE, J. H. & MIRANDA, M. S. Aspects of biology of Megalobulimus paranaguensis (Gastropoda, Acavoidea) in the coastal plain of the Brazilian southeast. Iheringia, Série Zoologia, v. 107, 2017.

FRANCINI, R.B.; DUARTE, M.; MIELKE, O.H.H.; CALDAS, A.; FREITAS, A.V.L. Butterflies (Lepidoptera, Papilionoidea and Hesperioidea) of the "Baixada Santista" region, coastal São Paulo, southeastern Brazil. Revista Brasileira de Entomologia, v. 55, n. 1, 2011.

GANEM, R.S. Conservação da Biodiversidade em áreas urbanas. Cadernos Aslegis, v. 34, p. 41-64, 2008.

GUERINO, L.R.; PECORA, L.P.; MIRANDA, M.S.; AGUIAR-SILVA, C.; CARVALHO, O.S.; CALDEIRA, R.L.; SILVA, R.J. Prevalence and distribution of Angiostrongylus cantonensis (Nematoda, Angiostrongylidae) in Achatina fulica (Mollusca, Gastropoda) in Baixada Santista, São Paulo, Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v. 50, n. 1, 2017.

GUIMARÃES, E. & PELLIN, A. BiodiverCidade: desafios e oportunidades na gestão de áreas protegidas urbanas. 1 ed. São Paulo: Matrix, 2015.

HOFLING, E. Fauna Urbana: interações entre animais e plantas. In: Parques Urbanos e Meio Ambiente: Desafios de Uso. São Paulo: Parque Cientec/USP: PEFI, p. 179-201, 2006.

LIMA, V. & AMORIM, M.C.C.T. A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação, v. 13, p. 139-165, 2006.

SEGALLA M.V., CARAMASCHI, U.; CRUZ, C.A.G.; GARCIA, P.C.A.; GRANT, T.; HADDAD, C.F.B.; SANTANA, D.J.; TOLEDO, L.F.; LANGONE, J.A. Brazilian Amphibians: List of Species. Herpetologia Brasileira, v. 8, n. 1, p. 65, 2019.

MANTOVANI, W. A diversidade biológica em parques urbanos. In: Parques Urbanos e Meio Ambiente: Desafios de Uso. São Paulo: Parque Cientec/USP: PEFI, p. 125-162, 2006.

MOLINA, F.B. Ambientes urbanos e a fauna de répteis no Estado de São Paulo: entre desconhecidos, desaparecidos e indesejáveis. In: Parques Urbanos e Meio Ambiente: Desafios de Uso. São Paulo: Parque Cientec/USP: PEFI, p. 203-222, 2006.

OLIVEIRA, C.H. Planejamento ambiental da cidade de São Carlos (SP) com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. 1996. 196p. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 1996.

PIVELLI, S. R. P. Lista de aves do município de Santos – SP. UNISANTA Bioscience, v. 6, n. 1, p. 1-19, 2017.

PIVELLI, S. R. P. Inventário Quantitativo e Mapeamento das Espécies de Porte Arbóreo do Orquidário Municipal – Parque Zoobotânico, Santos-SP. UNISANTA Bioscience, v. 5, n. 4, p. 369-381, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-144

Apontamentos

  • Não há apontamentos.