Avaliação da relação entre peso e número de larvas esterilizadas de Chrysomya megacephala (Fabricius: 1794) (Diptera: Calliphoridae): subsídios à Terapia Larval / Evaluation of the relationship between weight and number of sterilized larvae of Chrysomya megacephala (Fabricius: 1794) (Diptera: Calliphoridae): subsidies to Larval Therapy

Mariana dos Passos Nunes, Ana Carolina Medeiros Debelian, Letícia Pereira Padilha, Wellington Thadeu de Alcantara Azevedo, Larissa Thans Carneiro, Renato Geraldo da Silva Filho, Cláudia Soares Santos Lessa, Valéria Magalhães Aguiar

Resumo


Terapia Larval é uma bioterapia que utiliza larvas de moscas necrobiontófogas previamente esterilizadas para desbridar feridas necrosadas. Há um gradual aumento de aceitabilidade desta terapia, principalmente nos casos de feridas crônicas, como pé diabético, que cursa com o risco de amputação. O objetivo do estudo foi avaliar o peso médio de trinta larvas de segundo ínstar (L2) de Chrysomya megacephala, após esterilização pelo Glutaraldeído. As etapas de esterilização dos ovos ocorreram a partir da obtenção de duas massas de ovos de 0,15 g imersas em solução salina estéril (5 mL) e dissociadas com pincel No. 0. Foram submetidas ao processo de esterilização por 15 minutos em Glutaraldeído (Glutacin 28®), ativada com Solução de Bicarbonato de Sódio a 12 %, atingindo pH 8,3-8,5. Após filtração, o material foi rinsado com 30 mL de Caldo Soja Tripticaseína (TSB), em Cabine de Segurança Biológica Classe I. As massas de ovos foram postas em placas de Ágar Sangue e após 72 horas, já em L2, transferidas para um bécher e lavadas com água destilada. Trinta larvas L2 foram transferidas individualmente para uma Coluna Spin (750 µL) com Tubo de Coleta (2 mL) para extração/purificação de DNA (Norgen®), contendo água destilada. Com o auxílio de uma microcentrífuga, o excesso de água destilada foi removido da coluna para avaliação do peso das larvas, realizada em balança analítica em dez repetições. A temperatura média registrada durante os três dias de experimento foi de 27 ºC (dia) e 20 ºC (noite). A média do peso para 30 L2 de C. megacephala foi de 0,129 g, com peso mínimo de 0,09 g e o peso máximo de 0,18 g. Para o biodesbridamento do tecido necrosado, é necessária a aplicação de cinco a dez larvas por cm² da ferida. Desta forma, ao conhecer o peso médio referente a 30 L2, é possível calcular a quantidade de larvas a serem usadas em qualquer ferida necrótica. 


Palavras-chave


Esterilização, Bioterapia, Peso Larval.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR-COELHO, V. M.; MILWARD-DE-AZEVEDO, E. M. Associação entre larvas de Chrysomya megacephala (Fabricius) e Chrysomya albiceps (Wiedemann), Chrysomya megacephala (Fabricius) e Cochliomyia macellaria (Fabricius) (Calliphoridae, Diptera) sob condições de laboratório. Revista Brasileira de Zoologia, v. 12, n. 4, p. 991–1000, 1995.

AGUIAR-COELHO, V. M.; MILWARD-DE-AZEVEDO, E. M. V. Relações intra-específicas de Cochliomyia macellaria (Fabricius) e Chrysomya albiceps (Wiedemann), Chrysomya megacephala (Fabricius) e Cochliomyia macellaria (Fabricius) (Calliphoridae, Díptera) sob condições de laboratório. Revista Brasileira de Entomologia, v. 41, n. 1, p. 35–40, 1996.

ANVISA. Controle Interno da Qualidade para Testes de Sensibilidade a Antimicrobianos. 2006.

DALLAVECCHIA, D. L.; DA SILVA FILHO, R. G.; AGUIAR, V. M. Sterilization of Chrysomya putoria (Insecta: Diptera: Calliphoridae) eggs for use in Biotherapy. Journal of Insect Science, v. 14, n. 1, 1 jan. 2014.

DALLAVECCHIA, D. L.; PROENÇA, B. N.; COELHO, V. M. DE A. Biotherapy: an efficient alternative for the treatment of skin lesions. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 3, n. 3, p. 2071–2079, 2011.

ESSER, G.; SCHMIDT, M. H.; WOERNER, W. Epidemiology and Course of Psychiatric Disorders in School-Age Children - Results of a Longitudinal Study. Journal of Child Psychology and Psychiatry, v. 31, n. 2, p. 243–263, 1990.

FERRAZ, A. C. P. Avaliação de novas dietas e o efeito da adição de antibióticos no desenvolvimento de Chrysomya albiceps (Wiedemann, 1819) e Chrysomya putoria (Wiedemann, 1830) (Diptera: Calliphoridae). 2012. Tese (Doutorado em Ciências) - Instituto de Biologia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

FERRAZ, A. C. P.; BOSISIO, D. D.; AGUIAR-COELHO, V. M. Dieta para Larvas de Chrysomya megacephala, Chrysomya putoria e Cochliomyia macellaria (Diptera: Calliphoridae). EntomoBrasilis, v. 4, n. 3, p. 125–129, 26 nov. 2011.

GOMES, P. M. D. S.; SANTOS, A. M. M. DOS. Moscas sinantrópicas nocivas, um desafio atual: Musca domestica L. (Muscidae) e Chrysomya megacephala (Fabricius) (Calliphoridae). Revista Sustinere, v. 3, n. 2, p. 89–106, 21 dez. 2015.

GREENBERG, B. Model For Destruction Of Bacteria In The Midgut Of Blow Fly Maggots1. Journal of Medical Entomology, v. 5, n. 1, p. 31–38, 25 fev. 1968.

IBERAGAR. Agar ou Agar-Agar, o mais antigo ficocolóide. [s.l: s.n.]. v. 1

KAMAL, A. S. Comparative Study of Thirteen Species of Sarcosaprophagous Calliphoridae and Sarcophagidae (Diptera)1 I. Bionomics. Annals of the Entomological Society of America, v. 51, n. 3, p. 261–271, 1 maio 1958.

MELLO, R. P. Chave para a identificação das formas adultas das espécies da família Calliphoridae (Diptera, Brachycera, Cyclorrhapha) encontradas no Brasil. Entomologia y Vectores. v. 10, n. 2, p. 255-268, 2003.

MELLO, R. S.; QUEIROZ, M. M. C.; AGUIAR-COELHO, V. M. Population fluctuations of Calliphorid species (Diptera, Calliphoridae) in the Biological Reserve of Tinguá, state of Rio de Janeiro, Brazil. Iheringia Série Zoologia. v. 97, n. 4, p. 481-485, 2007.

NORRIS, K. R. The Bionomics of Blow Flies. Annual Review of Entomology, v. 10, n. 1, p. 47–68, jan. 1965.

PINHEIRO, M. A. R. DE Q. Terapia larval: uso de larvas de Chrysomya megacephala (Diptera, Calliphoridae) no tratamento de úlceras crônicas em pacientes diabéticos no Hospital Universitário Onofre Lopes- Natal, RN. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2014.

PRETE, P. E. Growth effects of Phaenicia sericata larval extracts on fibroblasts: Mechanism for wound healing by maggot therapy. Life Sciences, v. 60, n. 8, p. 505–510, jan. 1997.

PUTMAN, R. J. Dynamics of the blowfly, Calliphora erythrocephala, within carrion. The Journal of Animal Ecology, v. 46, n. 3, p. 853, out. 1977.

QUEIROZ, M. M. DE C.; MILWARD-DE-AZEVEDO, E. M. V. Técnicas de criação e alguns aspectos da biologia de Chrysomya albiceps (Wiedemann) (Diptera, Calliphoridae), em condições de laboratório. Revista Brasileira de Zoologia, v. 8, n. 1–4, p. 75–84, 1991.

RAMI, P. V.; RAJAN, V. A non-meat-based artificial diet and protocol for mass rearing of Chrysomya megacephala (Fab.) (Diptera: Calliphoridae), an important pollinator of mango. Disponível em: .

ROBINSON, W. Progress of maggot therapy in the United States and Canada in the treatment of suppurative diseases. The American Journal of Surgery, v. 29, n. 1, p. 67–71, jul. 1935.

SHERMAN, R. A. Maggot Therapy takes us back to the future of wound care: new and improved Maggot Therapy for the 21st Century. Journal of Diabetes Science and Technology, v. 3, n. 2, p. 336–344, mar. 2009.

SHERMAN, R. A.; HALL, M. J. R.; THOMAS, S. Medicinal Maggots: an ancient remedy for some contemporary afflictions. Annual Review of Entomology, v. 45, n. 1, p. 55–81, jan. 2000.

SOUSA, A. G. P. et al. Alternative natural diet for the creation of immature oriental latrine flies under controlled conditions. Revista Brasileira de Zoociências, v. 12, n. 2, p. 133–140, 2010.

TÉLLEZ, G. A. et al. Larvaterapia aplicada a heridas con poca carga de tejido necrótico y caracterización enzimática de la excreción secreción y hemolinfa. Biomédica, v. 32, n. 3, p. 312–320, 13 mar. 2012.

THYSSEN, P. J. ACQUELIN. et al. Rates of development of immatures of three species of Chrysomya (Diptera: Calliphoridae) reared in different types of animal tissues: implications for estimating the postmortem interval. Parasitology Research, v. 113, n. 9, p. 3373–3380, 1 set. 2014.

ULLYETT, G. C. Competition for food and allied phenomena in sheep-blowfly populations. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological Sciences, v. 234, n. 610, p. 77–174, 9 mar. 1950.

VON ZUBEN, C. J.; STANGENHAUS, G.; GODOY, W. A. C. Competição larval em Chrysomya megacephala (F.) (Diptera: Calliphoridae): efeitos de diferentes níveis de agregação larval sobre estimativas de peso, fecundidade e investimento reprodutivo. Revista Brasileira de Biologia, v. 60, n. 2, p. 195–203, maio 2000.

WANG, S. et al. Clinical research on the bio-debridement effect of maggot therapy for treatment of chronically infected lesions. Orthopaedic Surgery, v. 2, n. 3, p. 201–206, 21 jul. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.