Zoologia de Invertebrados: Análise das aulas práticas como ferramenta auxiliar no processo de ensino-aprendizagem / Invertebrate Zoology: Analysis of practical classes as auxiliary tool in the teaching-learning process

Ana Paula de Souza Valim, Laisa da Silva Perialdo, Alex Sandro Barros de Souza

Resumo


No processo de ensino-aprendizagem podemos nos deparar com inúmeros desafios que impedem a transmissão do conhecimento de forma satisfatória. Trabalhar a disciplina de zoologia de invertebrados conciliando teoria e prática têm papel fundamental para o envolvimento do aluno, além de promover uma melhor compreensão do conteúdo estudado. Para este estudo, foram ministradas as aulas práticas para os alunos do segundo ano da graduação de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal do Paraná tendo como grupo de estudo o Filo Arthropoda. Os alunos fizeram a visualização dos invertebrados macroscópicos e microscópicos com a finalidade de identificar as suas características morfológicas, sempre pautado em disciplinas correlatas com evolução e fisiologia. Após a finalização do conteúdo e aplicação da prova, foi preparado um questionário eletrônico que consistia em perguntas acerca das aulas de zoologia. Os resultados obtidos foram avaliados por meio de um questionário eletrônico no qual os alunos puderam dar suas opiniões a respeito das aulas práticas de zoologia. O número de aprovados aumentou, comprovando a efetividade da estratégia analisada.


Palavras-chave


No processo de ensino-aprendizagem podemos nos deparar com inúmeros desafios que impedem a transmissão do conhecimento de forma satisfatória. Trabalhar a disciplina de zoologia de invertebrados conciliando teoria e prática têm papel fundamental para o env

Texto completo:

PDF

Referências


BORUCHOVITCH, E. 1999. Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(2), 361-376.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRUSCA, R.C, & BRUSCA, G.J. 2007. Invertebrados. 2a. ed., Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 968 p.

FURMAN, MO. 2009. Ensino de Ciências no Ensino Fundamental: colocando as pedras fundacionais do pensamento científico. São Paulo: Sangari Brasil. 20p.

IFPR. 2017. Resolução 50/2017, Estabelece as normas de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem no âmbito do IFPR. Instituto Federal do Paraná, resolução nº 50 de 14 de julho de 2017.

LIMA, DB, & GARCIA, RN. 2011. Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de Biologia no Ensino Médio. Cadernos do Aplicação, v. 24, n. 1. 201-224.

NETO, LS, & ARAÚJO-OLIVEIRA, ML. 2015. Aulas Experimentais no Ensino Superior: A Visão de Estudantes do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas sobre esse tipo de prática. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 5, n. 2, 62-72.

NOVAES, M.H. 1977. Psicologia do ensino-aprendizagem. São Paulo: Atlas. 199p.

PEREIRA, D.B; PEREIRA, I.C; RUSTON, M.D, & ALVES, P.C.M.C. 2008. A importância das aulas práticas no processo de ensino-aprendizagem na graduação, direcionado para ciências biológicas. Anais do XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica. VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, p. 16-17.

POSSOBOM, C.C.F.; OKADA, F.K, & DINIZ, R.E.S. 2003. Atividades práticas de laboratório no ensino de Biologia e de Ciências: Relato de uma experiência. In: Universidade Estadual Paulista – Pró-Reitoria de Graduação. (Org.). Núcleos de Ensino. São Paulo: Editora da UNESP, v. 1, p. 113-123,

RIBAS, CP, & UHMANN, RIM.2013. Aulas práticas/teóricas em ciências: uma memória reflexiva na formação docente. Anais do Encontro Regional de Ensino de Biologia, v. 6.

RIBEIRO-COSTA, C.S. & ROCHA, R.M. 2002. Invertebrados. Manual de aulas práticas. Holos Editora, Ribeirão Preto, SP. 226 p.

SANTOS, RO; SILVA, PS, & LIMA, JLS. 2018. As práticas de biologia apenas como mais uma responsabilidade a ser incluída nas metodologias de ensino, ou é um recurso a favor da construção do saber científico? uma reflexão necessária. Revista Vivência em ensino de Ciências v. 2. 186-193.

SANTOS, S, & TERÁN, A. 2017. Condições de ensino em zoologia no nível fundamental: o caso das escolas municipais de Manaus-AM. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 6, n. 10, p. 01-18.

SILVA, I.V. & ALENCAR, E.M.L.S. 1984. Autoconceito, rendimento acadêmico e escolha do lugar de sentar entre alunos de nível socioeconômico médio e baixo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 36, 89-96.

SILVA, SS, & FLEITH, DS. 2005. Desempenho escolar e autocenceito de alunos atendidos em serviços psicopedagógicos. Psicologia Escolar e Educacional, 9(2), 235-245.

SILVA, AL. & DE SÁ, L. 2007. Saber estudar e estudar para saber. Porto, Portugal: Porto Editora. 199p.

SILVA, APM; SILVA, MFS; ROCHA, FMR & ANDRADE, IM. 2016. Aulas práticas como estratégia para o conhecimento em botânica no ensino fundamental. Holos, v. 8, 68-79.

TEIXEIRA, AR, & ALLIPRANDINI, PMZ. 2013. Intervenção no uso de estratégias de aprendizagem diante de dificuldades de aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 17(2), 279-288

VASCONCELOS, A.L.S; COSTA C.H.C; SANTANA J.R, & CECCATTO V.M. 2002. Importância da abordagem prática no ensino de biologia para a formação de professores. In: Curso de Licenciatura em Ciências da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos em Limoeiro do Norte – CE.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.