Eventos de educação ambiental em uma zona de amortecimento / Environmental education events in a buffer zone

Carla Helena Mendes Bunn Neiva

Resumo


Zonas de Amortecimento são consideradas mais ricas em biodiversidade, porém sua funcionalidade é desconhecida pelos moradores, podendo causar conflitos com esta biodiversidade. Os objetivos deste trabalho foram apresentar a importância das Zonas de Amortecimento e comparar os números de participantes por eventos. Os eventos de educação ambiental foram realizados pelo Centro de Meio Ambiente (CMA) entre maio de 2017 e setembro de 2019. Totalizou 132 moradores. Em relação aos participantes dos eventos por faixa etária: adulto obteve 80 (60,61%) e infantil 52 (39,39%). Houve dois eventos infantis. O primeiro realizado em junho de 2017, foi feito uma caminhada ecológica pela trilha com 20 crianças (15,15%) e em agosto de 2017 uma oficina com 17 crianças (12,88%). Duas palestras para os adultos: a primeira com o tema Passaredo: uma zona de amortecimento, em maio de 2018, que obteve 20 participantes (15,15%). A segunda em maio de 2019, obtendo 40 participantes (30,30%) a apresentação foi na assembléia. Um evento misto em setembro de 2019: 20 adultos (15,15%) e 15 crianças (11,36%) participaram de caminhadas e oficinas. A faixa etária Adulto, obteveram maior registro devido a assembléia, possuindo importância para discutir e decidir ocorrências em relação ao condomínio, para este dia foi entregue uma programação das apresentações. Estes eventos são fundamentais para moradores de zonas de amortecimento que convivem com uma biodiversidade rica. O conhecimento em relação a riqueza do local, sua biologia e ecologia, pemite conservar e proteger as espécies nativas.


Palavras-chave


Área ambiental, Fauna, Flora, Floresta Pluvial e Zona-tampão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D.N. de; NETO, R.M.R. Análise de arbanização urbana de duas cidades da região do norte do Estado de Mato Grosso. RevistaÁrvore, v.34, n. 5. P.899-906, 2010.

BRADLEY, C.A; ALTYZER, S. Urbanization and the ecology of wildlife diseases. Trends in Ecology and Evolution, v. 22, n. 2, p. 95-102, 2006.

CARVALHO, I.C. de M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2º ed. Cortez: São Paulo, 2006.

DICKMAN, A.J. Complexities of conflict: the importance of considering social factors for effectively resolving human-wildlife conflict. Animal Conservation, v. 13, n. 5, p. 458-466, 2010.

HOEK, M.B. Centro de Meio Ambiente Wyb Hoek: sustentabilidade e cidadania. 1ºed. Mercomídia Comunicaçao: Rio de Janeiro, 2011.

IRVING, M.de A. Áreas protegidas e inclusão social: uma equação possível em política públicas de proteção da natureza no Brasil?. Sinais Sociais, v.4, n. 12, p.122-147, 2010.

LAYRARGUES, P.P. Educação para gestão ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. In: Loureiro, C.F.B., Layrargues, P.P. & Castro, R.S. de. Sociedade e Meio Ambiente: a educação ambiental em debate. 6 º ed. Cortez: São Paulo, 2010.

MARQUES, O.A.V.; ETEROVIC, A.; SAZIMA, I. Serpentes da mata atlântica: guia ilustrativo para as florestas costeiras do Brasil.1º ed. Editora Ponto a: Cotia, 2019.

NEIVA, C.H.M.B. Conhecimento ambiental dos condôminos do fazenda passaredo- Rio de Janeiro, RJ. Anais do IX Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. São Bernardo do Campo. IBEAS: Baúru, 2018.

NEIVA, C.H.M.B. Resgate da fauna silvestre como educação ambiental informal no condomínio fazenda passaredo, RJ. Anais do X Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Fortaleza. IBEAS: Baúru, 2019.

PEREIRA, D.G.; OLIVEIRA, M.E.A. de; RUIZ-MIRANDA, C.R. Interações entre calitriquídeos exóticos e nativos no Parque Nacional da Serra dos Órgãos-RJ. Espaço & Geografia, v. 11, n. 1, p. 87-114, 2008.

PRIMACK, R.B; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. 1º ed. Editora Planta: Londrian, 2001.

RANGEL, C.H.; NEIVA, C.H.M.B. Predação de vertebrados por cães Canis lupus familiaris (Mammalia: Carnívora) no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Biodiversidade Brasileira, v.3, n. 2, p. 261-269, 2013.

SABBAG, S.C. Mata ciliar e reserva legal: o distanciamento entre legislação, aplicação da norma e sociedade. Seminário sobre recomposição de Matas Ciliares das bacias hidrográficas fluminenses e do Rio Paraíba do Sul. IBAMA: Rio de Janeiro, 2004

SANTOS, F.S. dos. Árvores de São Roque: Catálogo das espécies da área urbana central do município. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia: São Roque, 2015.

SILVA, B.M.P.de. Análise dos problemas de gestão em Unidade de Conservação: o caso da APA-Ilha de Maiandeua/PA. Áreas protegidas e inclução social: tendências e pespectivas, v. 4, n. 1, p. 55-57, 2009.

SOUZA, P.B. de; NETO, J.A.A.M.; OUZA A.L. de. Diversidade florística e estrutura fitossociológica de um gradiente topográfico em floresta estacional semidecidual submontana, MG. Cerne, v.19, n.3, p.489-499, 2013.

VITTALI, P.de L.; ZAKIA, M.J.B.; DURIGAN, G. Considerações sobre a legislação correlata à Zona-tampão de Unidades de Conservação no Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 12, n. 1, p. 67-82, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.