Composição da comunidade meroplantônica na Praia do Goiabal, Calçoene-AP, Brasil / Composition of the meroplantonic community at Goiabal Beach, Calçoene-AP, Brazil

Diego Rangel da Silva, Wane Cristina Picanço Fortunato, Adriani Cristina Monteiro dos Santos, Maiara Teixeira de Souza, Suelen Felix Pereira

Resumo


A densidade, a reprodução e o desenvolvimento larval do meroplâncton estão diretamente relacionados com a disponibilidade de alimento (fitoplâncton), que por sua vez depende principalmente da concentração de nutrientes, da temperatura e da salinidade. Objetivo deste estudo foi realizar o levantamento da comunidade meroplanctônica da praia do Goiabal e analisar as variações sazonais quali/quantitativas. O levantamento foi realizado em quatro amostragens conduzidas entre 2014 e 2016 e as amostras foram coletadas com rede de plâncton de 100m acoplada a um fluxômetro. Foram realizados arrastos horizontais superficiais com duração de dois minutos cada e as amostras foram fixadas com formol neutralizado a 4% em potes de vidro de 250 ml. Imediatamente após os arrastos foram aferidas a temperatura, a salinidade e a turbidez. Após análises verificamos a presença de seis Filos: Ectoprocta, Echinodermata, Annelida, Chordata, Artropoda e Mollusca. As larvas mais abundantes foram as de poliqueta e a densidade dos organismos apresentou importante variação durante o estudo.


Palavras-chave


Larvas planctônicas, Diversidade, Densidade, Variaçãosazonal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. R. et al. Composição e abundância da comunidade zooplanctônica de um laguna estuarina impactada do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia. São Carlos, v. 72, n. 1, p. 12-24, 2012.

ÁVILA, T. R. et al. Variação temporal do zooplâncton da Praia de Tramandaí, Rio Grande do Sul com ênfase em Copepoda. Iheringia, Série Zoologia, Porto Alegre, v. 99, n. 1, p. 18-26, 2009.

BARNES, R. S.; HUGHES, R. N. An introduction to marine ecology. Blackwell Science Ltda, 3 ed. Oxford. 1982.

BESSA, E. G., PAIVA, P. C., ECHEVERRÍA, C. A. Distribuição vertical no sedimento dos grupos funcionais de anelídeos poliquetas em uma área da Enseada Martel, Baía do Almirantado, Antártica. Oecologia Brasiliensis, v. 11, n. 1, p. 95-109, 2007.

BOLTOVSKOY, D. Altlas del zooplancton del Atlantico suddoccidental y métodos de trabajo com el zooplancton marino. Mar del Plata: INIDEP. 1981.

BONECKER, A. C. T.; BONECKER, S. L. C. BASSANI, C. Plâncton Marinho In: Pereira, R. C; Soares-Gomes, A. Biologia Marinha. Rio de Janeiro: Interciência Ltda, 2002, v. 6, p. 103-125.

BRUSCA, R.C.; G. J. BRUSCA. Invertebrados. 2a ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2007.

CABRAL, M. P.; SALDANHA, J. D. M. Um sítio, múltiplas interpretações: o caso do chamado “Stonehenge do Amapá. Revista Arqueologia Pública, São Paulo, n. 3, p. 7-13, 2008.

COHEN, M. C. L. et al. Tannin as an indicator of paleomangrove in sediment cores from Amapá, Northern Brazil. Wetlands Ecology and Management, v, 17, p. 145-155, 2009.

DEAN, T. A.; HURD, L. E. Development in an estuarine fouling community: The influence of early colonist on later arrivals. Oecologia. v. 46, p. 295 -301, 1980.

ECKMAN, J. E. Closing the larval loop: Linking larval ecology the population dynamics of marine benthic invertebrates. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology. v. 200, n. 1-2, p. 207-237, 1996.

HASTINGS, A. et al. Ecosystem engineering in space and time. Ecology letters, v. 10, n. 2, p. 153-164, 2007.

HOLZMAN, R.; GENIN, A. Zooplanktivory by a nocturnal coral-reef fish effects of light, flow, and prey density. Limnology and Oceanography, v. 48, n. 4, p. 1367-1375, 2003.

KOUGH, A. S.; PARIS, C. B. The influence of spawning periodicity on population connectivity. Coral Reefs, v. 34, n. 3, p. 753-757, 2015.

LANDA, G. G.; TORRES, G. E. Distribuição vertical do zooplâncton e avaliação de parâmetros físico-químicos da Lagoa Olhos D'água - Lagoa Santa (MG). Sinapse Ambiental, Betim, v. 1, n. 4, p. 1- 44, 2004.

LEITE, N. DA. R. PREIRA, L.C. C.; COSTA, DA. R. M. Distribuição temporal do mesozooplâncton no furo Muriá, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Naturais, Belém, v. 4, n. 2, p. 149-164. 2009.

LOREAU, M. et al. Biodiversity and ecosystem functioning: current knowledge and future challenges. Science, v. 294, n. 5543, p. 804-808, 2013.

MACTAVISH, L. A. et al. High frequency (hourly) variation in vertical distribution and abundance of meroplanktonic larvae in nearshore waters during strong internal tidal forcing. Continental Shelf Research, v. 117, p. 92-99, 2016.

MARTINS, A. L. P.; LOPES, M. J. S.; MELO, O. T. Zooplâncton como bioindicador da qualidade ambiental no estuário do rio do Anil, São Luis-MA. Boletim do laboratório de hidrobiologia, v. 19, p. 51-60, 2006.

MEADE, R.H. et al. Storage and remobilization of suspended sediment in the lower Amazon River of Brazil. Science. v. 228, n. 4698, p. 488 – 490, 1985.

NYBAKKEN, W. J.; BERTNESS, M. Estuaries and Salt Marshes. In: C. BRIDGES (Org.): Marine Biology: an ecological approach: Benjamin Cummings, San Francisco. p. 361- 407, 2005.

OSMAN, R. W.; WHITLATCH, R. B.The influence of resident adults on recruitment: a comparison to settlement. Journal of experimental Marine Biology e Ecology. v. 190, n. 2, p. 169-198, 1995.

REYNOLDS, C. S. The ecology of freshwater phytoplankton. Cambridge University Press, Cambrigde. 1984.

RODRIGUES, A. A. F; CARVALHO, D. L. Praia do Goiabal, p. 22-23. In: VALENTE, R. M.; SILVA, J. M. C.; STRAUBE, F. C.; NASCIMENTO, J. L. X. (Org.). Conservação de aves migratórias neárticas no Brasil. Belém: Conservação Internacional, p. 400, 2011.

SANTOS, A. C. M. et al. Atividade alimentar da comunidade íctica do Parque Nacional do Cabo Orange, Oiapoque, Amazônia, Brasil. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca. v. 10, n. 1, p. 44-57, 2017.

SANTOS, V. F. Ambientes costeiros amazônicos: Avaliação de Modificações por Sensoriamento Remoto. Niterói. Tese de Doutorado – (Curso de Geologia e Geofísica Marinha). Universidade Federal Fluminense – UFF, 2006. p. 1-305.

SOUZA PEREIRA, P. E.; CAMARGO, A. F. M. Efeito da salinidade e do esgoto sobre a comunidade zooplanctônica, com ênfase nos copépodes do estuário do Rio Itanhaém, estado de São Paulo, Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 26, n. 1, p. 9-17, 2004.

SCHULLER, M.; EBBE, B.; WAGELE, J. W. Community structure and diversity of polychaetes (Annelida) in the deep Weddell Sea (Southern Ocean) and adjacent basins. Marine Biodiversity. v. 39, p. 95–108, 2009.

SMEDES, G. W. Seasonal changes and fouling commuinity interactions. Proceedings of Symposiun in Marine Biodeteriration. Ed. by COSTLOW, J. D.; TIPPER, R. C. p. 150-160. 1984.

SUTHERLAND, J. P.; KARLSON, R. H. Development and stability of the fouling community at Beaufort, North Carolina. Ecological Monographs. v. 47, n. 4, p. 425-446, 1977.

TODD, C.D.; LAVERACK, M. S.; BOXSHALL, G. A. Coastal Marine Zooplankton: a practical manual for students. Cambridge University Press, 2 ed. 1996.

TORRES, A. M.; EL-ROBRINI, M.; COSTA, W. J. P. Amapá. In: MUEHE, D. Panorama da erosão costeira no Brasil. Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental, Departamento de Gestão Ambiental Territorial - Brasília, Distrito Federal: MMA, 2018, cap. 1. p. 19-64.

UNDERWOOD, A. J.; FAIRWEATHER, P. G. Supply side ecology and benthic marine assemblages. Trends in Ecology and Evolution. v. 4, n. 1, p. 16-20, 1989.

VEADO, L. Variação espaço-temporal do zooplâncton do baixo estuário do rio Itajaí-Açu, SC. Dissertação – Centro de Ciências e Tecnologia da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí-UNIVALI, p. 71, 2008.

ZIADI, B.; DHIB, A.; TURKI, S.; ALEYA, L. Bivalve and barnacle larvae distribution driven by water temperature in a Mediterranean lagoon. Environmental Science and Pollution Research. v. 22, n. 9, p. 7002-7011, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.