Uso dos princípios do agroextrativismo nos campos de licurida comunidade do caldeirão do mulato / Use of the principles of agroextractivism in the licuri fields of the mulatto cauldron community

Samuel Cronemberger Caffé, Samuel Horário de Oliveira, Carlos Eduardo Ferreira Teles, Wilton Torquato dos Santos, Vanderlei Souza Carvalho, Daniel Mariano Leite

Resumo


O presente trabalho trata-se de um relato de experiência técnicacom o objetivo de apresentar a experiência da comunidade do Caldeirão do Mulato, localidade situada na zona rural  a 12 km do município de Antônio Gonçalves/Ba, no Território Identidade do Piemonte Norte do Itapicuru, e localmente conhecido no âmbito do Programa Pro Semiárido como Território Rural Quilombolas Unidos em Ação, com o extrativismo do licurie a sua preservação ambiental dos campos de agroextrativismoque hoje é uma realidade diagnosticada e trabalhada pela assistência técnica e extensão rural de uma ONG (Instituto de Desenvolvimento Social e Agrário do Semiárido) contratada pela SDR/CAR/FIDA no âmbito do referido programa que constatou que 100% do grupo de interesse (GI) que são beneficiários diretos na comunidade é sustentada pela quebra e a venda das amêndoas de licuri na forma in natura e beneficiada, são 23 (vinte e três) famílias quilombolas que vivem da quebra do Licuri.eem especial são as mulheres das unidades produtivas familiares que realizam essa atividade produtiva econômica, os homens apenas as ajudam na retida dos cachos nos pés de licuri. A comunidade existe há 2 séculos e, hoje, têm 279 famílias quilombolas, sendo que, apenas 23ainda participam ativamente no agroextrativismo dos produtos orgânicos oriundos do licuri, conservando essa cultura e essa atividade socioeconômica local. O relato visa a exposição da vivência positiva e exitosa de uma comunidade tradicional, consolidada e atuante na região sertaneja do semiárido baiano com a produção e comercialização de produtoslicuri isentos de agrotóxicos. A pesquisa ainda revela a presença majoritária da mulher no processo de administração, agroextrativismo e comercialização, aspecto importante e que destaca a proeminência do papel feminino no desenvolvimento do local.


Palavras-chave


agroextrativismo, comunidade quilombola, políticas públicas, mulheres rurais.

Texto completo:

PDF

Referências


MELO, Luísa. Brasil usa 500 mil toneladas de agrotóxicos por ano, mas quantidade pode ser reduzida, dizem especialistas. G1, São Paulo, 27 de maio de 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 de outubro de 2019.

MOREIRA, D. (2002). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thopsom.

NEVES, M. C. P.; MEDEIROS, C. A. B.; ALMEIDA, D. L. de; DE-POLLI, H.; RODRIGUES, H. R.; GUERRA, J. G. M.; NUNES, M. U. C.; CARDOSO, M. O.; RICCI, M. S. dos F.; SAMINÊZ, T. C. O. Agricultura orgânica: instrumento para sustentabilidade dos sistemas de produção e valorização de produtos agropecuários. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2000. 22 p. (Embrapa Agrobiologia. Documentos, 122).

BRASIL. Decreto nº 7.794, de 20 de agosto de 2012.Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 20 ago 2012. Disponível em: . Acesso em: 29.10.2019.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-061

Apontamentos

  • Não há apontamentos.