Incidência de condenações totais e parciais em carcaças de frangos de corte por causas não patológicas em um frigorífico da região do Alto Paranaíba-MG / Incidence of total and partial damages on chicken carcases for non-pathological causes in a refrigerator in the Alto Paranaíba-MG region

Jéssica Tolentino de Almeida, Eliane de Sousa Costa

Resumo


Com o aumento da demanda de carne de frango, cada vez mais os consumidores se tornam exigentes em relação à qualidade desses produtos e ao bem-estar dos animais de produção. As condenações de carcaças de frangos resultam em perdas de qualidade da carne e perda de lucratividade para a empresa.Objetivou-se com este trabalho fazer um levantamento da incidência de condenações totais e parciais em carcaças de frangos de corte por causas não patológicas e suas possíveis causas.Este estudo foi realizado em frigorífico em um município situado na região do Alto Paranaíba-MG. Foi realizado o levantamento das condenações de carcaças efetuadas durante a inspeção post mortem transcritas nos registros oficiais do Serviço de Inspeção Municipal (SIM), no período de 04 de abril a 31 de julho de 2016. Os dados foram tabulados e agrupados tomando-se como base o número de condenações totais e parciais e assim avaliando as condenações de carcaças por causas não patológicas (contaminação fecal e biliar, sangria inadequada e contusão/fratura). Assim, sendo possível observar que a primeira e maior causa de condenações totais em carcaças foi por sangria inadequada. A contaminação biliar foi a segunda causa de condenações totais e a primeira responsável por condenações parciais, as contusões/fraturas foram a segunda causa de condenações parciais em carcaças e a contaminação biliar foi a terceira causa de condenações tanto total quanto parcial em carcaças de frango de corte.


Palavras-chave


qualidade, frangos, condenações, manejo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABPA - Associação Brasileira de Proteína Animal. Protocolo de Bem-Estar para Frangos de Corte.2016. Disponível em:. Acesso em: 17 jun. 2016.

ABREU, V.M.N.; ABREU, P.G.. Qualidade de Carcaça e o Manejo na Produção. Revista Avicultura Industrial.v.5, n.93, p.12-14, 2002.

ABREU, V. M. N.; AVILA, V. S.. Manejo na produção e pré-abate. 2003. Disponível em: . Acesso em: 02jul. 2015.

AMORIM NETO, A. A.; MIRANDA, C. C. M.. Inspeção de aves. 2009. 76 f. Monografia (Especialização emHigiene e Produtos de Origem Animal) – UniversidadeCastelo Branco, Goiânia, 2009.

BARTOV, I.. Effect of feed withdrawal on yield, fat content, and fatty acid composition of various tissues in broilers. Proceedings of World’sPoultryCongress, v.3, p.195- 199, 1992.

BELUSSO, D.; HESPANHOL, A. N.. A evolução da avicultura industrial brasileira e seus efeitos territoriais. Revista Percurso, Maringá, v. 2, n. 1, p. 25-51, 2010.

BRANCO, J.A.D.. Manejo pré-abate e perdas decorrentes do processamento de frango de corte. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS. 2004, Santos, SP. Anais.Campinas: FACTA, 2004. V.2, p.129-142.

BRASIL. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento. Instrução Normativa nº 3, de 17 de janeiro de 2000. Regulamento técnico demétodos de insensibilização para o abate humanitário de animais de açougue. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 24 jan. 2000. Seção 1, p. 14. Disponível em:. Acesso em: 16 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento. Portaria nº 210, de 10 de novembro de 1998. Regulamento técnico da inspeção tecnológica e higiênico-sanitária de carne de aves. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 26 nov. 1998. Seção 1, p. 226. Disponível em:. Acesso em: 16 jun. 2016.

CONY, V.A.. Manejo do carregamento, abate e processamento: como evitar perdas? In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 2000, Campinas SP. Anais.Campinas: FACTA, 2000. p.203-212.

COSTA, F. M. R.; PRATA, L. F.; PEREIRA, G. T.. Influência das condições de pré-abate na incidência de contusões em frangos de corte. Revista de Veterinária e Zootecnia, Brasília, v. 14, n. 2, p. 234-245, 2007.

GIOTTO, D.B.; ZIMERMANN, C.F.; CESCO, M.A.O. etal..Impacto econômico de condenações post mortem de frangos de corte em um matadouro-frigorífico na região sul do Brasil. 2007.Disponível em: Acesso em 02 jul. 2016.

GROFF, A.M.; SILVA, V.L.; STEVANATO, L.K.. Causas de condenação parcial de carcaças de frangos. In: Congresso Internacional de Administração. 2015. Ponta Grossa. Anais eletrônicos... Ponta Grossa, Paraná, 2015. Disponível em: Acesso em: 16 jun.2016.

LEITÃO, M.F.F..Qualidade e segurança alimentar em produtos avícolas. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS. 2001. Campinas, SP. Anais... Campinas: FACTA, 2001. p.181-190.

LIMA, K. C.; MASCARENHAS, M. T. V. L.; CERQUEIRA, R. B.. Técnicas operacionais, bem-estar animal e perdas econômicas no abate de aves. ArchivesofVeterinary Science. Curitiba, v. 19, n. 1, p. 38-45, 2014.

LUDTKE, Charli Beatriz et al.. Abate humanitário de aves: steps- melhorando o bem-estar animal no abate. Rio de Janeiro: Wspa- Sociedade Mundial de Proteção Animal, 2010. 119 p.

MAPA. Disponível em: Acesso em: 12 abr.2016.

MAPA. Ministério da agricultura, pecuária e do abastecimento. Portaria nº 210 de 10 de novembro de 1998: Aprova o Regulamento técnico da inspeção tecnológica e higiênico sanitária de carne de aves. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1998. 38 p.

MAPA. Portaria Nº 210, de 10 de novembro de 1998. Brasília, Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

MASCHIO, M. M.; RASZL, S. M.. Impacto financeiro das condenações post-mortem parciais e totais em uma empresa de abate de frango. Revista E-Tech - Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 26-38, 2012.

NORTHCUTT, J.K.; et al.. Relationship between feed withdrawal and viscera condition of broilers. Poultry Science.v.76, p.410-414, 1997.

OLIVO, R.. O Mundo do Frango: Cadeia Produtiva da Carne de Frango. Criciúma. Editora Varela, 2006. 680p.

PINHEIRO, R. E. E. et al.. Condenações não patológicas no abate de frangos em Teresina, PI. Disponívelem: . Acesso em: 04 set. 2016.

ROSA, P.S.; ALBINO, J.J.; BASSI, L.J.; GRAH, R.A.; ROSA, D.R. da; NIENDICKER, T. P.. Manejo pré-abate em frangos de corte. 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

RUI, B.R.; ANGRIMANI, D. S.R.; SILVA, M.A.A..Pontos críticos no manejo pré-abate de frango de corte: jejum, captura, carregamento, transporte e tempo de espera no abatedouro. Ciência Rural, v. 41, n. 7, p. 1290-1296, 2011.

SANTOS, M. M. Principais causas de condenação de carcaças de frangos em abatedouros frigoríficos. 2010. 24 f. Conclusão de curso (Especialização Lato Sensu em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal) - Universidade Castelo Branco.

SARCINELLI, Miryelle Freire; VENTURINI, Katiani Silva; SILVA, Luis César da.. Abate de aves. Vitoria: UFES, 2007. (PIE – UFES: 00607).

SILVA, I.J.O.; VIEIRA, F.M.C. Manejo pré-abate de frangos de corte em dias frios: os cuidados com a ambiência e bem-estar das aves transportadas durante o inverno. Thesis, São Paulo, ano VIII, n.17, p.79-90,2012.

SMIDT, M.J.; et al. Effect of fasting prior to slaughter on yield of broilers. Poultry Science, v.43, p.931-934, 1964.

UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA. Protocolo de bem-estar para frangos e perus. São Paulo, jun. 2008. Disponível em:. Acesso em:10 abr. 2016.

USDA. Disponível em:. Acesso em: 20 abr. 2016.

VEERKAMP, C.H. Fasting and yields of broilers. Poultry Science, v.65, p.1299-1304, 1986.

VEERKAMP, C.H. Future research for pre-slaughter handling, stunning and related processes. Proceedings of World’s Poultry Congress, v.2, p.352-359, 1992.

WABECK, C.J.. Feed and water withdrawal time relationship to processing yield and potential fecal contamination of broilers. Poultry Science, v.51, p.1119-1121, 1972.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-058

Apontamentos

  • Não há apontamentos.