Avaliação microbiológica de presunto fatiado comercializado no município de Patos de Minas – MG / Microbiological evaluation of sliced ham commercialized in the municipality of Patos de Minas – MG

Heloisa Gabrielle Gonçalves, Eliane de Sousa Costa, Laylla Nunes Fernandes, Luiza Nathalia Silva

Resumo


Objetivou-se neste estudo avaliar a presença de micro-organismos indicadores da qualidade de 14 amostras indicativas de presuntos fatiados comercializados em estabelecimentos do município de Patos de Minas, MG. As amostras do referido produto fatiado foram submetidas a análises para Coliformes termotolerantes, Salmonella spp, Staphylococcus coagulase positiva e Clostridium sulfito redutor a 46º conforme preconizado pela Resolução – RDC, nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Os resultados dos laudos constataram valores menores que 3/g para Coliformes termotolerantes; ausência em 25 g para Salmonella spp em todas as amostras; Staphylococcus coagulase positiva teve valores entre < 100 UFC/g e 2,6 x 103 UFC/g; e para Clostridium sulfito redutor valor < 10 UFC/g em todas as amostras. Concluiu-se que as amostras de presunto fatiado analisadas nessa pesquisa atenderam aos parâmetros de qualidade estipulados pela legislação vigente.


Palavras-chave


Embutido, Micro-organismos indicadores, Produto cárneo, Qualidade higiênico-sanitária.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. C. C; KUAYE, A. Y.; SERRANO, A. M.; ALMEIDA, P. F. Avaliação e controle da qualidade microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos. Rev. Saúde Pública: São Paulo, 1995, v. 29, n 4, p. 290 – 294.

ANTONI, I. Influência dos microrganismos Staphylococcus xylosus, Lactobacillus plantarum e Staphylococcus carnosus na formação do perfil aromático de salames de peru. 196f. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PROTEÍNA ANIMAL. Relatório anual de 2016.Disponível em: . Acesso em: 10 Fev. 2018.

BLACK, J. G. Microbiologia: Fundamentos e perspectivas. 4 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2002. p. 583 - 584.

BRASIL, Ministério da Saúde, Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, (ANVISA), Resolução RDC nº 12, de 02 de Janeiro de 2001, Regulamento Técnico sobre os padrões microbiológicos para alimento. Disponível em: . Acesso em: 17 Fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa

n. 20, de 31 de julho de 2000. Regulamento técnico de identidade e qualidade de presunto. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, 03 ago. 2000. p.7.

CERESER, N. D.; MARTINELI, T. M.; FERREIRA, L. M.; ROSSI JÚNIOR, O.D.; BERWANGER, M. L. P.; BARCELOS, A. S.; MAZZUTTI, K. C. Qualidade higiênico-

sanitária de salame produzido sob inspeção permanente. Rev. Higiene Alimentar: São Paulo: 2007, v. 21, n. 150, p. 192 – 193.

COSTA, M. R.; BERGAMIN FILHO, W.; CIPOLLI, K. M. V. A. B.; SILVEIRA, E. T.

F.; FELÍCIO, P. E. Perfil sensorial e aceitação de presuntos crus produzidos por métodos tradicionais e acelerados. Rev. Ciênc. Tecnol. Aliment., 2007, v. 27, p.170- 176.

DUARTE, R. S. Microrganismos mais frequentemente encontrados com limites acima dos aceitáveis, segundo a RDC n 12/2001da ANVISA em produtos de origem animal, registrados junto à CISPOA [monografia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre. 2011, p. 42.

FAI, A. E. C.; FIGUEIREDO, E. A. T.; VERDIN, S. E. F.; PINHEIRO, N. M. S.;

BRAGA, A. R. C.; STAMFORD, T. L. M. Salmonella spe Listeria monocytogenes em presunto suíno comercializado em supermercados de Fortaleza (CE, Brasil): fator de risco para a saúde pública. Rev. Ciênc. Saúde Coletiva, 2011, v.16, p. 657-662.

FORSYTHE, S. J. Microbiologia da segurança alimentar. Porto Alegre: Artmed 2007.

FRANCO, B. D. G.; LANDGRAF. M. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Atheneu, 2005. 182-195p.

FREIRE, V. A. P. et al. Avaliação microbiológica de presunto cozido comercializado no sul do Rio Grande do Sul. Rio Paranaíba: Imprensa Universitária da UFV. 2011. p. 17.

GEITENES, S.; OLIVEIRA, M. F. B.; KALSCHNE, D. L.; SARNENTO, C. M. P.

Modelagem do crescimento de bactérias láticas e análise microbiológica em apresuntado e presunto cozido fatiados e embalados a vácuo. Rev. Ciências Exatas e Naturais: Paraná, 2013 v. 15, n 1.

GERMANO, P. M. L.; GERMANO, M. I. S. Higiene e vigilância sanitária de alimentos. São Paulo: Varela, 2001. 629p.

JAY, J. M. Microbiologia de alimentos. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. p 483-711.

MARTINELLI, C. Avaliação Microbiológica de Produtos Cárneos Distribuídos aos Pacientes em um Hospital Particular de Volta Redonda – RJ. 2007. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Tecnologia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

MARTINS, O. A.; GRANER, C. A. F. Determinações espectrofotométricas dos íons nitrito e nitrato em sais de cura. PUBVET, Londrina, v. 2, n. 18, p. 129-156, 2008.

MATHIAS, S., P. Avaliação físico-química, microbiológica e sensorial do presunto de peru submetido a tecnologia de alta pressão hidrostática. 2008. p.69. Dissertação de Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos. Instituto de Tecnologia, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2008.

MENEZES, P. M. S.; COELHO, L. M.; COSTA, F. N. Avaliação da qualidade higiênico-sanitária dos presuntos fatiados comercializados na cidade de São Luís, MA. Biológico, 2010. v.72. p.11-17.

MICHEL, J.; PELCZAR, JR.; CHAN, E. C. S.; KRIEG, N. R. Microbiologia: Conceitos e aplicações.2 ed. vol.2. São Paulo. Pearson, 2009. p. 229 – 232.

MÜRMANN, L., SANTOS, M. C., CARDOSO, M. Prevalence and level of Samonellaentérica in pork fresh sausages purchased in Southern Brasil.Saint- Malo: 2005. p. 443-444.

OLIVEIRA, L. A. T.; FRANCO, R. M.; CARVALHO, J. C. A. P.; ALMEIDA, F. E. S.; GONÇALVES, P. M. R. Biofilme na indústria de alimentos. São Paulo: Rev. Higiene Alimentar. 2006. v. 20, n 141, 33 – 35 p.

OPAS/INPPAZ - Organização Pan-Americana de Saúde / Instituto Pan-Americano de Proteção de Alimentos. Boas práticas de fabricação (GMP) e análise de perigos e pontos críticos de controle (HACCP). São Paulo: OPAS, 2001.

SANTOS, A.C.C., SILVA, C.P.R., PIMENTA, P.M.C., FREITAS, S.M.L.,

TEODORO, A.J. Avaliação da qualidade físico-química e microbiológica de carnes moídas de 1 e 2 qualidade comercializadas no município do Rio de Janeiro. Rev. Higiene Alimentar. 2009. v.23, p. 189–190.

SCAPIN, D. Avaliação da qualidade microbiológica de alimentos antes e após a implementação de boas práticas de fabricação em agroindústrias da região extremo oeste Catarinense [monografia]. [São Miguel do Oeste]: Universidade do Oeste de Santa Catarina; 2011. 32 p.

SERIO, J; MUNIZ, C. R.; FREITAS, C. A. S.; LIMA, J. R.; SOUZA NETO, J. A. Avaliação Microbiológica e Microscópica de Presuntos Fatiados e Refrigerados.Revista Alim. Nutr.: Araraquara: 2009. v.20, n.1, p. 135-139.SILVA, N. S.; JUNQUEIRA, V. C. A.; SILVEIRA, N. F. D. A.; TANIWAKI, M. H.; SANTOS, R. F. S. D.; GOMES, R. A. R.; OKAZAKI, M. M. Manual de métodos de análises microbiológica de alimentos. Varela: São Paulo, 2007.

SILVA, N.; JUNQUEIRA, V. C. A.; SILVEIRA, N. F. A. Manual de métodos e análise microbiológica de alimentos. 2 ed. São Paulo: Varela, 2001. p 12-68.

SOUZA, C.P. Pathogenicity mechanisms of prokaryotic cells: an evolutionary view. Brazilian Journal of Infectious Diseases, 2003.v.7, p.23-31.

STRASBURG, G.; XIONG, Y. L.; CHIANG, W. Fisiologia e química dos tecidos musculares comestíveis. Artmed: Porto Alegre. 2010. p. 719- 757.

TEMELLI, S.; DOKUZLU, C.; SEN, M. K. C. Determination of microbiological contamination sources during frozen snail meat processing stages.Food Control. 2006. v. 17, p. 22-29.

TERRA, N.N. Apontamentos de tecnologia de carnes. São Lepoldo: Unisinos Ed., 1998. 216 p.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.