A Cultura do Café (Coffeaarabica) em Sistema Agroflorestal / Coffee Culture (Coffeaarabica) in the Agroforestry System

Alessandra Helena Ramires Machado, Jacqueline Dalbelo Puia, Katia Cristina Menezes, Wesley Machado

Resumo


A cultura do café (Coffeaarabica) tem grande importância no Brasil, ampla capacidade produtiva, posicionando o Brasil como o maior produtor e exportador do mundo. A cafeicultura ocupa diversos estados brasileiros, fator que resulta na combinação deuma variedade de grãos. É inevitável a preocupação com cultivo do cafeeiro no Brasil, que na maioria das vezes é monocultivo à pleno sol, desgastando solo, prejudicando recursos naturais e desequilibrando o ecossistema. É justificável um estudo para melhorar o desempenho dessa cultura sem afetar o meio ambiente. O sistema agroflorestal (SFA) pode proporcionar um ambiente sustentável, com menor incidência de pragas, doenças e ainda uniformizar a maturação dos frutos. Com este estudo objetivou-se estudar o sistema de plantio de caféa pleno sol e o sistema agroflorestal, por meio de uma revisão bibliográfica. O modelo de cafeeiro mais utilizado no Brasil é o monocultivo a pleno sol, no entanto, consorciação com outras culturas vem ganhando espaço e sendo pesquisado, tanto do ponto de vista econômico como sustentável, uma vez que há a preocupação com solo, água, produtividade e meio ambiente. Conclui-se que o consórcio com espécies arbóreas com áreas agrícolas chamados de sistema agroflorestal (SAF), proporcionam algumas vantagens para o desenvolvimento das plantas como: minimizar temperaturas extremas, atenuando geadas, ventos ou secas acentuadas, reduzem a infestação de plantas daninhas, possibilita a ciclagem de nutrientes, além de disponibilizar uma segunda fonte de renda para o produtor pelo aproveitamento das espécies arbóreas.


Palavras-chave


Meio ambiente, Cafeeiro, Solo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. D.; LIVRAMENTO, D. E. Morfologia e fisiologia do cafeeiro. Lavras: UFLA, v. 1, 2003.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Agropecuária; AS-PTA, 2002.http://aspta.org.br/files/2014/10/P%C3%BAblica%C3%A7%C3%B5es3.pdf

AMADOR, D. B. Recuperação de um fragmento florestal com sistemas agroflorestais. 1999. Tese de mestrado -Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo. 114p.

ARAÚJO, G. S. et al. Avaliação do rendimento de frutos de café cultivado em sistema arborizado por Grevíleas. In: Congresso Brasileiro de Agroecologia - Manejo de Agroecossistemas Sustentáveis, 5., 2007, Guaraparí. Anais... Guaraparí, 2007. v. 2, p. 153-155.

BEER, J. Advantages, disadvantagesanddesirablecharacteristicsofshadetrees for coffee, cacaoandtea. Agroforestry systems, v. 5, n. 1, p. 3-13, 1987.https://link.springer.com/article/10.1007/BF00046410

BEER, J.W.; MUSCHLER, R.; KASS, D.; SOMARRIBA, E. Shade management in coffee and cacao plantations. Agroforestry Systems, Dordrecht, v. 5, n. 1, p. 3-13, 1987.https://link.springer.com/article/10.1023/A:1005956528316

BENE, J. G.; BEALL, H. W.; CÔTÉ, A. Trees, food andpeople: land management in thetropics. 1977.http://hdl.handle.net/10625/930

BLACK, C; ONG, C. Utilisationof light andwater in tropical agriculture. Agriculturaland Forest Meteorology, v. 104, n. 1, p. 25-47, 2000.https://doi.org/10.1016/S0168-1923(00)00145-3

BRAUN, H. et al. Produção de mudas de café conilon propagadas vegetativamente em diferentes níveis de sombreamento. Idesia (Arica), v. 25, n. 3, p. 85-91, 2007.http://dx.doi.org/10.4067/S0718-34292007000300009

CAMARGO, A. P. et al. A arborização como meio de reduzir as adversidades climáticas e promover a sustentação da cafeicultura. In: Anais do XVI Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeteiras, Espírito Santo do Pinhal (SP). Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro do Café. 1990. p. 6-7.

CAMARGO, Â. P.; CAMARGO, M. B. P. Definição e esquematização das fases fenológicas do cafeeiro arábica nas condições tropicais do Brasil. Bragantia, v. 60, n. 1, p. 65-68, 2001.https://doi.org/10.1590/S0006-87052001000100008

CARVALHO, C. H. S. de. Cultivares de café: origem, características e recomendações. Brasília: Embrapa Café, 2008.

CASTRO, P. R. C.; KLUGE, R. A.; SESTARI, I. Manual de fisiologia vegetal: fisiologia de cultivos. 2008.

CHALFOUN, S. M; REIS, P.R. História da Cafeicultura no Brasil. In: REIS, P.R; DA CUNHA, R. L. Café Arábica: do plantio à colheita.Ed. 1. Lavras, Epamig, v. 1, p. 23-83, 2010.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira café. Brasília, 2019. 11 p. (CONAB. Segundo Levantamento, n. 2).

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira café. Brasília, 2020. 8 p. (CONAB. Primeiro Levantamento, n. 1).

DA SILVA, V.; PEREIRA, P. Sistemas agroflorestais para recuperação de matas ciliares em Piracicaba, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo,2002.

ENGEL, V. L. Sistemas agroflorestais: conceitos e aplicações. Introdução aos, 1999.http://saf.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/01.pdf

FAHL, J. I.; CARELLI, M. L. C. Os estudos sobre a fisiologia do cafeeiro no Instituto Agronômico. O Agronômico, v. 59, p. 41-43, 2007.

FOURNIER, L. A. El cultivo delcafeto (Coffeaarabica L.) al sol oala sombra: un enfoque agronómico y ecofisiológico. AgronomíaCostarricense (Costa Rica) v. 12 (1) p. 131-146, 1988.http://www.sidalc.net/cgibin/wxis.exe/?IsisScript=orton.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=041813

FREITAS, R. B. et al. Influência de diferentes níveis de sombreamento no comportamento fisiológico de cultivares de café (Coffeaarabica L.). Ciência e agrotecnologia, v. 27, n. 4, p. 804-810, 2003.https://doi.org/10.1590/S1413-70542003000400009

LIMA, P. C. et al. Arborização de cafezais no Brasil.Café arábica do plantio à colheita. Lavras, MG: EPAMIG Sul Minas, v. 1, p. 861-895, 2010.

LIMA, Sandra Santana de et al. Relação entre macrofauna edáfica e atributos químicos do solo em diferentes agroecossistemas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 45, n. 3, p. 322-331, 2010.

LIVRAMENTO, D. E. Morfologia e fisiologia do cafeeiro. Café arábica: do plantio à colheita. Lavras: EPAMIG, p. 87-161, 2010.

LUNZ, A. M. P. Crescimento e produtividade do cafeeiro sombreado e a pleno sol. 2006.http://www.sbicafe.ufv.br:80/handle/123456789/9050

MACEDO, R. L. G.; MACEDO, R. Princípios básicos para o manejo sustentável de sistemas agroflorestais. 2000.https://www.scienceopen.com/document?vid=a5348b47-b0e1-4090-a5ac-3fcc5d4307a7

MARCOLAN, A. L. et al. Cultivo dos cafeeiros conilon e robusta para Rondônia. Embrapa Rondônia-Sistema de Produção (INFOTECA-E), 2009.https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/710755

MALAVOLTA, E. Prática de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, p.251, 1974.

MATIELLO, J. B. et al. Cultura de café no Brasil: novo manual de recomendações. Ministério da Agricultura, da Pecuária e do Abastecimento, Brasília, DF (Brasil), 2005.http://www.sidalc.net/cgibin/wxis.exe/?IsisScript=orton.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=083226

MAY, P. H. et al. Manual agroflorestal para a Mata Atlântica.Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, p. 195, 2008.

MUSCHLER, R. Árbolesencafetales. Catie, 1999.

MÜLLER, M. W. Importância dos sistemas agroflorestais para a sustentabilidade dos biomas tropicais. Caderno I, p. 64. http://www.ceplac.gov.br/agrotropica/semfaz/28semfaz_caderno1.pdf#page=63

MÜLLER, J. S. Sistemas agroflorestais com café (Coffeaarabica L.) e Cedro-Australiano (Toonaciliata M. Roem. var. australis (F. Muell.) Bahadur) na Zona da Mata de Minas Gerais: estudo de caso. 2004.http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/8291

NAIR, P. K. Ramachandran. Anintroductiontoagroforestry. Springer Science & Business Media, 1993.https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=CkVSeRpmIx8C&oi=fnd&pg=PR11&dq=An+introduction+to+agroforestry.+&ots=YYOZDhBIxo&sig=WjE451puLQvul_WpIYgEvwU3gQ#v=onepage&q=An%20introduction%20to%20agroforestry.&f=false

PEZZOPANE, J. R. M. et al. Escala para avaliação de estádios fenológicos do cafeeiro arábica. Bragantia, v. 62, n. 3, p. 499-505, 2003.https://doi.org/10.1590/S0006-87052003000300015

REIS, P. R. et al. Manejo integrado das pragas do cafeeiro, 573-688. Café arábica: do plantio à colheita. Lavras: EPAMIG Sul de Minas, 2010.

RENA, A. B. et al. Plantios adensados de café: aspectos morfológicos, ecofisiológicos, fenológicos e agronômicos. Informe Agropecuário, v. 19, n. 193, p. 61-70, 1998.http://www.sidalc.net/cgibin/wxis.exe/?IsisScript=CAFE.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=017600

RICCI, M. S. F. et al. Cultivo orgânico de cultivares de café a pleno sol e sombreado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n. 4, p. 569-575, 2006.http://www.sidalc.net/cgi-bin/wxis.exe/?IsisScript=CAFE.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=017600

RICCI, M. S. F. et al. Cultivares de café arábica adequadas para cultivo orgânico em sistema sombreado. 2009.http://www.sbicafe.ufv.br:80/handle/123456789/7777

SANTOS, M. J. C. Avaliação econômica de quatro modelos agroflorestais em áreas degradadas por pastagens na Amazônia ocidental. 2000.Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.http://cmq.esalq.usp.br/disserteses/marioSantos.pdf

SANTOS, I. C. et al. Manejo de entrelinhas em cafezais orgânicos. Inf. Agropec, v. 23, p. 115-126, 2002.http://www.sidalc.net/cgi-bin/wxis.exe/?IsisScript=CAFE.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=018007

VAAST, P. et al. Fruitthinningandshade improve beancharacteristicsandbeveragequalityofcoffee (Coffeaarabica L.) underoptimalconditions. Journalofthe Science of Food andAgriculture, v. 86, n. 2, p. 197-204, 2006.https://doi.org/10.1002/jsfa.2338




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-053

Apontamentos

  • Não há apontamentos.