Análise do aumento dos registros de agrotóxicos e afins e as consequências para os recursos hídricos / Analysis of the increase in pesticides records and the consequences for water resources

Taillany Rodrigues Portugal, Lívia Maria da Costa Silva

Resumo


Desde 2016, muito se tem discutido sobre a crescente liberação de registros de agrotóxicos e afins pelo governo brasileiro. Trata-se de compostos químicos e biológicos que tem por função prevenir ou evitar doenças e pragas nas culturas agrícolas. Por conta dos efeitos negativos ao meio ambiente e animais oriundos dessas substâncias e derivados, objetivou-se com este trabalho analisar a evolução da quantidade de registros de agrotóxicos e afins aprovados no Brasil nos últimos anos e, comparar com as modificações materiais nas portarias de potabilidade de água e legislações ambientais ligadas aos recursos hídricos. A metodologia utilizada foi a busca bibliográfica, documental e legislativa nos principais órgãos envolvidos: Ministério da Saúde do Brasil, Ministério do Meio Ambiente e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. As principais conclusões foram que a liberação desenfreada dos registros acaba por prejudicar a saúde da população e do meio ambiente mediante a falta de monitoramento e fiscalização dos órgãos ambientais, além de ausência de mudança material significativa nas portarias que tratam de potabilidade.


Palavras-chave


agricultura, defensivos agrícolas, potabilidade, contaminação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRASCO. Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

ANA. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil. Informe Anual do Agência Nacional de Águas, 2019. p. 110.

BALSA, L.; GUIRRA, A. P. M.; BARBOSA, D. S.; SILVA, N. M.; FILHO, A. C. P. Espacialização do Risco Intrínseco à Contaminação por Pesticidas em Corpos Hídricos e Determinação de Pontos de Monitoramento. Anuário do Instituto de Geociências, UFRJ, v. 42 - 1 / 2019. p. 496-513.

BARBOSA, V. ONU alerta para poluição das águas por abuso de agrotóxicos no campo. 2018. Disponível em: https://exame.abril.com.br/mundo/onu-alerta-para-poluicao-das-aguas-por-abuso-de-agrotoxicos-no-campo/. Acesso em 13 de abril de 2020.

BARRETO, F. M. S.; ARAÚJO, J. C.; NASCIMENTO, R. F. Caracterização preliminar da carga de agrotóxico presente na água subterrânea em Tianguá-Ceará (Brasil). XIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, Cuiabá, outubro, 2004.

BRASIL. Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 12de março de 2020.

BRASIL. Decreto nº 98.816, de 11 de janeiro de 1990.Regulamenta a Lei n° 7.802, de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 01 de março de 2020.

BRASIL. Decreto nº 4.074, de 4 de janeiro de 2002.Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4074.htm>. Acesso em: 01 de março de 2020.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005.Dispõe sobre a classificação dos corpos de água ediretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões delançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acesso em: 18 de março de 2020.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 430, de 13 de maio de 2011.Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646>. Acesso em: 19 de março de 2020.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 20, de 18 de junho de 1986.Dispõe sobre a classificação das águas doces, salobras e salinas do Território Nacional.DiárioOficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília. Publicação DOU: 30/07/1986.Acesso em: 19 de março de 2020.

BRASIL. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA.Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília.Acesso em: 5 de março de 2020.

CANCIAN, N. Registro de agrotóxicos no Brasil cresce e atinge maior marca em 2018. 2019. Disponível em: . Acesso em 06 de abril de 2020.

GAMA, A.F.; OLIVEIRA, A.H.B.; CAVALCANTE, R.M. Inventário de agrotóxicos e risco de contaminação química dos recursos hídricos no semiárido cearense. 2013. Química Nova, v. 36, n. 3, p. 462-467.

IBGE. Atlas de Saneamento e Saúde do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2011. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro.

ISMAEL, L. L.; ROCHA, E. M. R. Estimativa de contaminação de águas subterrâneas e superficiais por agrotóxicos em área sucroalcooleira, Santa Rita/PB, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 24(12):4665-4675, 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 36, de 19 de janeiro de 1990. Aprova normas e o padrão de Potabilidade da Água destinada ao consumo humano. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 518, de 25 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011.Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria de consolidação nº 5 do Ministério da Saúde, de 03 de outubro de 2017. Aprova normas e o padrão de Potabilidade da Água destinada ao consumo humano. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 03, de 16 de janeiro de 1992.Diretrizes e exigências referentes à autorização de registros, renovação de registro e extensão de uso de produtos agrotóxicos e afins - no 1, de 09 de dezembro de 1991. Diário Oficial daUnião, Brasília, DF.

OLIVEIRA, J. C. Deputados divergem sobre regra para registro de agrotóxicos.2019. Disponível em: . Acesso em 09 de abril de 2020.

PADILLA, S.; MOSER, V. C.; PAPA, C. N.; BRIMIJOIN, W. S. Paraoxon toxicity is not potentiated by prior reduction in blood achetylcholinesterase. Toxicology and Applied Pharmacology, 117: 110-115, 1992.

PELAEZ, V.; TERRA, F. H. B.; SILVA, L. R. A regulamentação dos agrotóxicos no Brasil: entre o poder de mercado e a defesa da saúde e do meio ambiente. In: Revista de Economia, Paraná, v. 36, n. 1, p. 27-48, jan./abr. 2010.

PERES, F. É Veneno ou é Remédio? os desafios da comunicação rural sobre agrotóxicos, 1999. Dissertação de mestrado, Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.

PERES, F.; MOREIRA, J. C. Saúde e ambiente em sua relação com o consumo de agrotóxicos em um pólo agrícola do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23 Sup 4: S612-S621, 2007.

RAMALHO, F. G. P.; SOBRINHO, N. M. B. A.; VELLOSO, A. C. X. Contaminação da microbacia de Caetés com metais pesados pelo uso de agroquímicos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.35, n.7, p.1289-1303. Jul. 2000.

RANGEL, C. F.; ROSA, A. C. S.; SARCINELLI, P. N. Uso de agrotóxicos e suas implicações na exposição ocupacional e contaminação ambiental. Cad. Saúde Colet., 2011, Rio de Janeiro, 19 (4): 435-42.

ROCHA, L. Água para consumo não está livre de contaminação. 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 de junho de 2020.

RUVIARO, L. M., NEDEL, N. K. O manejo de agrotóxicos enquanto conduta impulsionadora do crescimento econômico ou do desenvolvimento sustentável? 2017. Disponível em: < http://www.unisul.br/wps/wcm/connect/b4874962-e0da-4853-9ce8-780ef8d99df2/artigo_larissa_nathalie_ix-spi.pdf?MOD=AJPERES>. Acesso em 02 março de 2020.

TERRA, F.A Indústria de Agrotóxicos no Brasil.2008. Curitiba: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico.

VEIGA, M. M.; SILVA, D. M.; VEIGA, L. B. E.; FARIA, M. V. C. Análise da contaminação dos sistemas hídricos por agrotóxicos numa pequena comunidade rural do Sudeste do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, nov, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-037

Apontamentos

  • Não há apontamentos.