Conflitos ambientais no entorno da estação ecológica raso da Catarina / Environmental conflicts around the Catarina raso ecological station

Uldérico Rios Oliveira, Patrícia Lustosa Brito, Ricardo Lustosa Brito, Pedro Cerqueira Lima

Resumo


Este artigo busca identificar e caracterizar os conflitos ambientais presentes no entorno da Estação Ecológica - Esec Raso da Catarina - Esec Raso da Catarina, visando contribuir com a manutenção e conservação das áreas protegidas. O presente trabalho faz parte de um amplo estudo, a fim de contribuir com o equilíbrio da dinâmica ecológica que envolve a conservação da arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari), a palmeira licuri (Syagrus coronata) e o desenvolvimento sustentável das comunidades locais. A Esec Raso da Catarina é uma Unidade de Conservação Federal de proteção integral, localizada nos municípios de Jeremoabo, Paulo Afonso e Rodelas, no estado da Bahia, Brasil. A região é de extrema importância biológica, sua vegetação natural predominante é de Caatinga, onde existem várias espécies de ocorrência endêmicas e ameaçadas de extinção. Para identificar e caracterizar os conflitos presentes no entorno da Esec Raso da Catarina, foram realizadas indagações em 11 comunidades no entorno da Esec Raso da Catarina. A pesquisa foi realizada através da metodologia participativa, em uma abordagem qualitativa e quantitativa. Para compor as entrevistas individuais e em grupo focais, foram utilizados dois roteiros de entrevistas, sendo: o primeiro roteiro, para conhecer melhor como as pessoas individualmente conhecem o ambiente que vivem, com 23 perguntas; e o segundo roteiro, com cinco indagações, utilizando a técnica do grupo focal para aprofundar e discutir algumas questões que se mostraram necessárias. Os resultados das entrevistas foram transcritos e analisados qualitativamente e quantitativamente, visando entender os principais conflitos que acontecem no entorno da Esec Raso da Catarina, envolvendo a dinâmica da conservação da palmeira licuri e da arara-azul-de-lear. Portanto, os conflitos ambientais presentes residem na luta pela preservação e conservação da palmeira licuri e da arara-azul-de-lear, visto que da forma em que se encontram estas áreas no entorno da Esec Raso da Catarina vêm sofrendo atividades conflitantes.


Palavras-chave


Semiárido, Caatinga, Aarara-azul-de-lear, Licuri, Desenvolvimento Sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, A.N. Raso da Catarina: Semi-árido com condições únicas de preservação da biodiversidade da Caatinga. Revista Scientific American Brasil. São Paulo, v.4, n.49. 2006.

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: Conflitos Ambientais no Brasil, Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2004.

BORGES, J. R. P. Estratégias de sobrevivência de comunidades tradicionais e conflitos ambientais na Estação Ecológica Raso da Catarina (BA). In: XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-Alas, Teresina – PI, 2012.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000: institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22. maio. 2020.

CUNHA, L.; NUNES, A. conflitos ambientais em assentamentos rurais. Desenvolvimento e Meio Ambiente. n. 18, p. 27-38. jul./dez. 2008.

DRUMOND, M.A. Licuri Syagrus coronata (Mart.) Becc. Petrolina: Embrapa Semiárido, 2007.16p. Disponível em: . Acesso em: 15. fev. 2020.

HERCULANO, S. Lá como cá: conflito, injustiça e racismo ambiental. In: I Seminário Cearense contra o Racismo Ambiental, Fortaleza, 2006.

HOFSTATTER, L. J. V. O imagético de uma comunidade caatingueira e os sentidos atribuídos à onça em um processo formativo de educação ambiental crítica. 2013. 199f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020) Mapas. Disponível em: . Acesso em: 23. fev. 2020.

ICMBIO - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2020) Unidades de Conservação. Disponível em: . Acesso em: 15. jun. 2020.

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. (2020) Dawnload de Dados Geográficos. Disponível em: . Acesso em: 15. jun. 2020.

INEMA - Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Decreto Nº 7.972 de 05 de Junho de 2001. Disponível em: . Acesso em: 20. fev. 2019.

LUGARINI, C.; BARBOSA, A.E.A.; OLIVEIRA, K.G. (Orgs.). Plano de Ação Nacional para a Conservação da Arara-azul-de-Lear. 2ª Ed. Série Espécies Ameaçadas. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Brasília, 2012. p. 144.

MARTINS, A. Conflitos Ambientais em Unidades de Conservação: Dilemas da Gestão Territorial no Brasil. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Vol. XVII, nº 989, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23. fev. 2016.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2003. Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Instrução Normativa do Ministério do Meio Ambiente nº 03/2003, Diário Oficial da União nº 101, Seção 1, p. 88-97, 2003.

MMA. (2020) Dawnload de Dados Geográficos. Disponível em: . Acesso em: 15. jan. 2020.

OLIVEIRA, J.H.M.; CHAVES, J.M. Mapeamento e Caracterização Geomorfológica: Ecorregião Raso da Catarina e Entorno NE da Bahia. Mercator, v. 9, n. 20, p. 217-238, 2010.

OLIVEIRA, U.R.; ESPÍRITO-SANTO, F.S.; ALVAREZ, I.A. Comunidade epifítica de Syagrus coronata (mart.) becc. (Arecaceae) em áreas de pastagens na Caatinga, Bahia. Revista Caatinga, v. 28, n. 2, p. 84-91, 2015.

PAES, M. L. N; DIAS, I. F. O. Plano de Manejo da Estação Ecológica Raso da Catarina. Brasília: IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/Diretoria de Ecossistemas/Coordenação Geral de Unidades de Conservação, 2008, 326p.

SÁ, I. B.; RICHÉ, G. R.; FOTIUS, G. A. Fatores abióticos: áreas e ações prioritárias para conservação da caatinga. In: SILVA, J. M. C. et al. (Org.). Biodiversidade da caatinga: e ações prioritárias para conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2003. p. 37-44.

SEI - Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais do Estado da Bahia. Balanço hídrico do Estado da Bahia. Salvador: SEI, Serie Estudos e Pesquisas, v. 45, 1999, 249p.

SICK, H.; L.P. GONZAGA; D.M. TEIXEIRA. A arara-azul-de-Lear, Anodorhynchus leari Bonaparte, 1856. Revista Brasileira de Zoologia. v. 3, n. 7, p. 441-463,1987.

SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997, 862p.

SILVA-NETO, G.F.; SOUSA, A.E.B.A.; SANTOS-NETO, J.R. Novas informações sobre a dieta da arara-azul-de-lear, Anodorhynchus leari Bonaparte, 1856 (Aves, Psittacidae). Ornithologia. v. 5, n. 1, p. 1-5, 2012.

SOUZA, R. Conflitos Ambientais em Unidades de Conservação: Dilemas na Gestão da APA Nhamundá. In: Congresso Brasileiro de Geógrafos VII. Vitória. Anais: AGB. 2014.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.