Eficiência dos extrativos presente na espécie popularmente conhecida como "louro-preto" contra a ação dos cupins / Efficiency of extractives present in the species popularly known as "laurel-black" again station of termites

Dilciane Matos Pinheiro, Emmanuel Nonato Jerônimo, Rafael Pedreno Viana, Antony Souza Martins, Karina Araújo de Souza

Resumo


A variabilidade dos extrativos no cerne de várias madeiras tropicais proporcionam potencial desses compostos químicos para proteção/prevenção contra-ataques de cupins. O presente projeto justifica-se por si só em função de contribuir com estudos que possam verificar o potencial dos extrativos de madeira tropical para uso na proteção da madeira contra o ataque de cupins. Para a obtenção do extrato bruto foi utilizada serragem do cerne da madeira de O. neesiana, que após um período estacionário de 72 horas ambiente a solução foi filtrada e evaporada, dissolvida em álcool e hexano utilizado para a obtenção das concentrações de 1%, 2% e 5%, em seguida foi realizado o Teste de alimentação-forçada, sendo utilizadas placas de petri como unidades experimentais e sendo introduzido 30 cupins em cada placa. O extrato de O. neesiana adquirido possui grande potencial de atividade tanto na repelência quanto na mortandade contra cupins do gênero Nasutitermes.


Palavras-chave


Inseticida natural, Madeiras da Amazônia, Xilófagos.

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO e SILVA, A. Nome vulgares de madeiras da Amazônia: Identificação e usos. SEBRAE: Manaus. 2004.

FILHO, O. P.; DORVAL, A.; DUDA, M. J.; MOURA, R. G. Efeito de extratos de madeiras de quatro espécies florestais em cupins Nasutitermes sp. (Isoptera, Termitidae). ScientiaForestalis, n. 71, p. 51-55, agosto 2006.

GONÇALVES, F.F.G.; OLIVEIRA, J.T. Resistênciaaoataque de cupim-de-madeira seca (Cryptotermes brevis) emseisespéciesflorestais. Cerne., v.12, n.1, p.80-83. 2006.

GONÇALVES, F. G.; PINHEIRO, D. T. C.; PAES, J. B.; CARVALHO, A. G.; OLIVEIRA, G. L. Durabilidade natural de espécies florestais madeireiras ao ataque de cupins de madeira seca. Floresta e Ambiente, v. 20, p. 110-116, 2013.

ISTEK, A.; SIVRIKAYA, H.; EROGLU, H. & GULSOY, S.K. Biodegradation of Abiesbornmulleriana (Matff.) and Fagus orientalis (L.) by the white rot fungus Phanerochaete crysosporium. International Biodeterioratrion& Biodegradation, n.55, p.63-67. 2005.

KADIR, R.; AWANG, K.; KHAMARUDDIN, Z.; SOIT, Z. Chemical compositions and termiticidal activities of the heartwood from Calophyllum inopyhllum L. An. Acad. Bras. Cienc. V.87, n.2, p.743-751. 2015.

KUMODE, M. M. N. Análise das causas da deterioraçãoprecoce dos postes de madeira tratada na Ilha do Mel. Departamento de Engenharia e TecnologiaFlorestal do Setor de CiênciasAgrárias da Universidade Federal do Paraná. Curitiba. Paraná. 2008.

LITTLE, N.S; SCHULTZ, T.P; NICHOLAS, D.D. Termite-esistent heartwood. Efefct of antioxidants on térmite feeding deterrence and mortality. Holzforschung, v.64, p.395-398. 2010.

MORESCHI, J. C. Biodegradação e Preservação da Madeira. Departamento de Engenharia e TecnologiaFlorestal da UFPR. 4ª Ed. Volume I. Abril de 2013.

MORRIMOTO, M; FUKUMOTO, H; HIRATAM, M. CHAVASIRI, W.; KOMAI, K. Insects antifeedants, ptercarpol in heartwood of PterocarpusmacrocarpusKruz. Biosci. Biotechn. Biochem., v.70, p.1864-1868. 2006.

RAGON, K.W., NICHOLAS, D.D; SCHULTZ, T.F. Termite effect of non-bicidalantioxidants properties of the extractives (Isoptera: Rhinotermitidae). Sociobiol. v.52, p 47-54. 2008.

RASIB, K.Z.; AIHETSAHAM, A. Constituients and termiticide potential of some Wood extracts against Coptotermesheimi (Wasmann) (Isoptera: Rhinotermitidae). Turk Etnomol. Derg., vol.40, n.2, p.165-174. 2016.

SHARMA, R.N; RAINA, R. Evaluating chemicals for eco-friendly pest management-1: Terpenoids and fatty acids for building termites. J. Sci. Ind. Res., n.57, p.306-309. 1998.

PAES, J. B.; SOUZA, A. D. DE.; LIMA, C. R. DE.; NETO, P. N. M. Eficiência dos óleos de nim e mamona contra cupinsxilófagos em ensaio de alimentação forçada. Cerne, Lavras, v. 16, n. 1, p. 105-113, jan./mar. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.