Influência do tempo de manejo em colmeias recria para a produção de geleia real / Influence of management time in recreates beehives for the production of royal jelly

Antonio Abreu da Silveira Neto, Luciene Xavier de Mesquita-Carvalho, Ivan de Oliveira Lima Junior, Francisco Robevanio Borges

Resumo


A atividade apícola vem apresentando um crescimento bastante aceitável no Brasil e pelo mundo, com uma variedade de produtos que podem trazer benefícios para a saúde, dentre eles a geleia real. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do tempo de manejo na produção de geleia real e o peso inicial das larvas de Apis mellifera. O experimento foi realizado de maio a agosto de 2014, no apiário do IFRN campus Pau dos Ferros – RN. O método de produção de rainhas utilizado foi o de Recrias sem rainhas, utilizando-se dois tipos de recrias (blocos): um núcleo de fecundação com cinco quadros (aproximadamente 21 dm³) (Mini recria) e uma Langstroth com dez quadros (aproximadamente 42 dm³) (Recria). Para avaliar a produção de geleia real e o peso inicial das larvas, foram feitas duas coletas uma com 72 e outra com 120 horas após o manejo das recrias (tratamentos). Para verificar a produção de geleia real as realeiras com larva e geleia real foram pesadas em balança de precisão (0,001g), depois retirava-se a larva e fazia-se uma nova pesagem, pela diferença de peso tinha-se o peso da larva, em seguida retirava-se a geleia real e fazia-se uma nova pesagem para se obter a produção. Quanto a produção de geleia real observou-se diferença estatística significativa (p < 0,01) na Mini recria de acordo com o tempo, e a colheita de 72 horas se mostrou mais eficaz na produtividade do que a colheita de 120 horas, 0,1730±0,0343g e 0,1103±0,0748g respectivamente, além de mais eficiente também que a Recria em ambos os horários de coleta 0,1391±0,0467g e 0,1243±0,0578g (p < 0,01). Já para a colheita de 120 horas não houve diferença entre as duas recrias (p <0,05). Para o peso das larvas não houve diferença estatística dentro da Mini recria nos horários de 72 e 120 horas (p > 0,05) com peso em gramas de 0,0287±0,0036g e 0,0268±0,005g respectivamente para cada horário. A Recria Órfã apresentou crias mais pesadas as 72 horas 0,0405±0,0054g, contra 0,0405±0,0054g das 120 horas (p < 0,05). Quando comparadas as duas recrias não se verificou diferença no peso das larvas (p < 0,05), com exceção das larvas de 72 horas da Recria Órfã foram mais pesadas que as demais, porém não diferiram estatisticamente das larvas de mesma idade da Mini recria (p < 0,05). Conclui-se então, que dos métodos testados a Recria Órfã produz larvas mais pesadas se a transferência ocorre nas primeiras 72 horas após o manejo e o mesmo se observa na Mini recria, para a produção de geleia real.


Palavras-chave


Apis melífera, Peso das larvas, Colmeias Recria, Método Orfanado ou sem Rainha.

Texto completo:

PDF

Referências


GARCIA, R. C.; SOUZA, D. T. M.; NOGUEIRA-COUTO, R. H. Cúpulas comerciais para a produção de geleia real e rainhas em colmeias de abelhas Apis mellifera. ScientiaAgricola, 57 (2): 367-370p, 2000.

MATTOS, João Batista. Apiário Itaici: Archive for the ‘Uncategorized’ Category. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2014.

MEL, Vale do. Geléia Real. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2014.

QUEIROZ, M. L.; BARBOSA, S. B. P.; AZEVEDO, M. Produção de geléia real e desenvolvimento da larva de abelha Apis mellifera, na região semi-árida de Pernambuco. Revista Brasileira de Zootecnia, 30(2): 449-453p, 2001.

SILVEIRA NETO, A. A. AVALIAÇÃO DE QUATRO MÉTODOS DE PRODUÇÃO DE GELÉIA REAL E RAINHAS DE Apis mellifera NO ESTADO DO CEARÁ.2011. 77 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Zootecnia, Zootecnia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

TODELO, V.A.A.; MOURO, G.F. Produção de Geléia Real com Abelhas Africanizadas Selecionadas e Cárnicas Híbridas. Revista Brasileira de Zootecnia, 34 (6): 2085 – 2092p, 2005.

TOLEDO, V. A. A. et al. Produção de geleia real em colônias de abelhas africanizadas considerando diferentes suplementos proteicos e a influência de fatores ambientais. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2014.

WINSTON, M. L. A Biologia da Abelha, Porto Alegre: Magister, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n3-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.