Colletotrichum gossypii f. sp. cefalosporioides: comportamento diferencial de linhagens de algodão / Colletotrichum gossypii f. sp. cephalosporioides: differential behavior of cotton strains

Jacqueline Dalbelo Puia, Bruna Ricini Martins, Adriano Thibes Hoshino, Leandro Camargo Borsato, Merilin Gabrieli Dal Ben Ferreira, Marcelo Augusto de Carvalho, acqueline Amador Machado, Yeshwant Ramchandra Mehta, Sandra Cristina Vigo

Resumo


O algodão é uma cultura de grande importância mundial, cuja produção é afetada por diversos fungos fitopatogênicos. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento de vinte e cinco linhagens de algodão a Colletotrichum gossypii f. sp. cefalosporioides. Justifica-se o estudo devido informações a respeito da sistemática de espécies de Colletotrichum associadas ao algodoeiro são escassas. O experimento foi conduzido no Instituto de Desenvolvimento do Paraná, Londrina-PR, em casa de vegetação. Para tanto, procedeu-se da realização da inoculação em plântulas de 20-25 dias de idade com quatro repetições, utilizando-se o delineamento experimental de blocos ao acaso. A suspensão fúngica utilizada para inoculação foi ajustada para 5 x 104 conídios por mL, e pulverizado sobre as folhas, até o “ponto de escorrimento”. As avaliações de severidade da doença foram realizadas aos sete dias após a inoculação, utilizando-se escala diagramática de 0 a 100%. Deste modo, observa-se que os resultados não demonstraram grande diferença na porcentagem em função do nível de resistência das linhagens. C. gossypii f. sp. cefalosporioides expressou sintomas de ramulose em todas as linhagens inoculadas. As vinte e cinco linhagens de algodão caracterizaram-se com certo nível de resistência a C. gossypii f. sp. cefalosporioides. O presente estudo permite concluir que o conhecimento de níveis de resistência ao patógeno é fundamental, para a seleção de linhagens promissoras de algodão, a fim de selecionar os mais adequados ao manejo da doença.


Palavras-chave


O algodão é uma cultura de grande importância mundial, cuja produção é afetada por diversos fungos fitopatogênicos. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento de vinte e cinco linhagens de algodão a Colletotrichum gossypii f. sp. cefalo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. F. A. A.; LAMAS, FM; FORTUNA, P. A. Comportamento de cultivares / linhagens de algodoeiro frente a doenças no chapadão do Sul, MS, safra 19988/1999. In: Congresso Brasileiro de Algodão, 1999, 2. Ribeirão Preto. Anais. Campina Grande: EMBRAPA-CNPA, 1999. p. 458-460.

ANUÁRIO BRASILEIRO DO ALGODÃO - 2013. Editora Gazeta Santa Cruz: Santa Cruz do Sul, 140 p., 2013.

CARVALHO, L. P.; LIMA, E. F.; RAMALHO, F. S.; LUKEFAHR, M. J.; CARVALHO, J. M. F. C. Influência da filosofia do algodoeiro na expressão de sintomas de ramulose. Fitopatologia Brasileira, Fortaleza, v. 10, n. 3, p.649-654, 1985.

CIA, E.; FUZATTO, M. G. Manejo de doenças na cultura do algodão. In: CIA, E.; FREIRE, E. C.; SANTOS, W. J. (Ed.) Cultura do algodoeiro. Piracicaba: Potafós, 1999, p. 121-131.

CIA, E.; SALGADO, C. L. Doenças do algodoeiro (Gossypium spp.). In: KIMATI, H.; AMORIM, L.; REZENDE, J. A. M.; et al. (Ed.). Manual de Fitopatologia: doenças das plantas cultivadas, 4. ed., São Paulo: Agronômica Ceres. v. 2, 2005. p.41- 52.

CIA, E.; SALGADO, C. L. Doenças do algodoeiro (Gossypium spp.). In: BERGAMIM FILHO, A.; KIMATI, H.; AMORIM, L. Manual de Fitopatologia. São Paulo: Agronômica Ceres, vol. 2: Doenças das plantas cultivadas, p. 331-341, 1995.

FARIAS, F. J. C.; FREIRE, C. E.; CARVALHO, L. P.; ARANTES, E. M.; SOUSA, M.; OLIVEIRA, L. C.; MORESCO, R. Avaliação de genótipos de algodoeiro herbáceo com relação a virose e ramulose. In: Congresso Brasileiro de Algodão, 1. Fortaleza. Anais ... Campina Grande: EMBRAPA-CNPA, 1997. p. 426-429.

FOLLIN, J. C.; MANGANO, V. Etude sur la ramulose du cotonnier: comparaison Du Colletotrichum responsable à C. gossypii South. Conditions d’attaques. Cotton Fiber Tropical, v. 38, n. 2, p. 209-215, 1983. https://agritrop.cirad.fr/455392/

FREIRE, E. C. Algodão no cerrado do Brasil. Brasília: ABRAPA, p. 456-478, 2007.

KIMATI, H.; AMORIM, L.; BERGAMIN FILHO, A.; CAMARGO, L. E. A.; REZENDE, J. A. M. (Ed.). Manual de Fitopatologia: doenças de plantas cultivadas vol. 2:. São Paulo: Ceres, p. 690-719, 1997.

LIMA, E. F.; BATISTA, F. A. S.; VIEIRA, R. M. Principais doenças do algodoeiro e seu controle. In: BELTRÃO, N. E. M. (Ed.) O Agronegócio do Algodão no Brasil. Brasília. Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia. p. 717-752, 1999.

LIMA, E. R.; CARVALHO, L. P.; SANTOS, E. O.; CARVALHO, J. M. F. C. Avaliação de germoplasma de algodoeiro para resistência à ramificação causada por Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides. Fitopatologia Brasileira, Fortaleza, v. 9, n. 3, p. 561-565, 1984.

MALAGUTI, G. La escobilha del algodon em Venezuela. Agronomia Tropical, v. 5, n. 2, p. 73-86, 1955.

MEHTA, Y. R.; ZANDONÁ, C.; BIBANCO, K.; ALMEIDA, W. P.; TEIXEIRA, E. A.; CUNHA, H. C.; ERIVALDO, J. Resposta diferencial de cultivares comerciais do algodoeiro a Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides. Summa Phytophatologica, v. 31, p. 142- 145, 2005.

SILVEIRA, A. P. Moléstias: fungos e bactérias. In: Neves et al. (Ed.). Cultura e adubação do algodoeiro, São Paulo, POTASSA, 1965. p.417-433.

SUASSUNA, N. D.; COUTINHO, W. M. Manejo das principais doenças do algodoeiro no cerrado brasileiro. In: FREIRE, E. C. (Ed.) Algodão no Cerrado do Brasil. Brasília: Associação Brasileira de Produtores do Algodão, p. 479-521, 2007.

VON PINHO, R. G.; VON PINHO, E. V. R.; FRAGA, A. C.; MACHADO, J. C. Avaliação de fontes de resistência à ramulose do algodoeiro causadas por Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides. Ciência e Agrotec. v. 21, n. 3, p. 253-259, 1997.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n2-034

Apontamentos

  • Não há apontamentos.