Análise da sofisticação do comércio Brasileiro na América Do Sul / Analysis of the sophistication of Brazilian trade in South America

João Victor Souza da Silva, Gilberto de Oliveira Veloso

Abstract


O presente trabalho fundamenta-se na literatura estruturalista para analisar a sofisticação do comércio exterior brasileiro frente os demais países da América do Sul entre 1970 e 2010. A dicotomia entre o posicionamento global do Brasil e o sua postura comercial a nível regional são reflexo de diferentes configurações institucionais nas quais o país se insere ao longo do século XX e início do século XXI. A política industrial brasileira se desenvolveu intimamente ligada à política comercial para a América Latina, pelo Processo de Substituição Regional de Importações o qual objetivou expandir as exportações de bens de maior intensidade tecnológica em concomitância à maior integração comercial a nível subcontinental. Todavia, a pressão por abertura econômica e distanciamento de parceiros latino-americanos acarretou mudança de comportamento na dinâmica industrial e de comércio exterior brasileiro. As reformas institucionais das décadas de 1980 e 1990 impactaram diretamente, positiva e negativamente sobre a dinâmica regional frente os parceiros. O enfoque na manutenção das exportações de elevada intensidade tecnológica baseia-se na compreensão de sua associação direta com mudanças estruturais e elevação da renda per capita. A utilização dos Índice de Produtividade do Produto Exportado (PRODY) e Índice de Sofisticação da Economia (EXPY), a partir do Índice de Vantagem Comparativa Revelada (IVCR) permite mensurar o impacto das exportações em dado conjunto de bens sobre a dinâmica econômica de um país, em termos comparativos. Verificou-se que o Brasil apresenta significativa vantagem comparativa para setores de média-alta e alta intensidade tecnológica na América do Sul, em contrariedade à perda de participação destes segmentos da pauta de exportações voltadas ao mercado global. Observou-se elevação da produtividade dos bens de maior intensidade tecnológica entre os países da América do Sul e que o Brasil posiciona-se como país mais sofisticado nos segmentos de média-alta intensidade tecnológica e alta intensidade tecnológica, apesar de oscilações históricas na sofisticação para esta cesta de bens.


Keywords


Vantagens Comparativas Reveladas; Intensidade tecnológica; Produtividade do Produto Exportado; Sofisticação da Economia.

References


BALASSA, B. Exports and economic growth: further evidence. Journal of development Economics, v. 5, n. 2, p. 181-189, 1978.

BASTOS, P. P. Z. A economia política da integração da América do Sul no mundo pós-crise. Publicado no site do Observatório da Economia Global. Campinas: IE-UNICAMP, 2012.

BIELSHOLWSKY, R. Sesenta años de la CEPAL: estruturalismo y neoestruturalismo. Revista CEPAL, 97, 2009.

CASTILHO, M. Comércio Internacional E Integração Produtiva: Uma Análise Dos FluxosComerciais Dos Países Da Aladi. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA: Texto para discussão 745. Brasília: IPEA, 2012.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Vol. 4. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento revisitado. Economia e Sociedade. Campinas, 1990.

GRANATO, L. As Relações Bilaterais Argentino-Brasileiras no Quadro da Integração Regional: de um Quadro de Rivalidade ao Despertar de uma Efetiva Cooperação. In: Revista Caderno de Estudos Sociais e Políticos, v.1, n.2, p. 69-95. Rio de Janeiro: UFRJ, 2012.

HAUSMANN, R.; HWUANG, J.; RODRIK, D. What you exports matters. Journal of Economic Growth, v. 12.1, p. 1-25. 2007.

HIDALGO, C. A.; HAUSMANN, R. A network view of economic development. Developing alternatives, v. 12, n. 1, p. 5-10, 2008.

HIDALGO, C. A.; HAUSMANN, R. The building blocks of economic complexity: proceedings of the national academy of sciences, v. 106, n. 26, p. 10570-10575, 2009.

KAPLAN, M. Problemas del desarrollo y de la integración en América Latina: ensayo. Vol. 2. Caracas: Monte Avila Editores C.A., 1968.

LALL, S; WEISS, J; ZHANG, J. The “sophistication” of exports: a new trade measure. World Development, v. 34, n. 2, p. 222-237, 2006.

LONDE, A. C; LIBÂNIO, G. A estrutura tecnológica das exportações dos países em desenvolvimento nos anos 2000: análise e implicações para o crescimento. In: Anais do XLI Encontro Nacional de Economia ANPEC-Associação Nacional dos Centros de Pós-graduação em Economia, 2014.

PAIVA, D. L. de; BRAGA, M. B. Integração Econômica Regional e Desenvolvimento Econômico: Reflexões sobre a experiência latino-americana. In: Revista de Desenvolvimento Econômico, ano IX, n. 16. Salvador, 2007.

PRAZERES, T. A Integração Sul-Americana: uma ideia ainda fora do lugar? In: O Brasil e a América do Sul: desafios no século XXI. Brasília: FUNAG: IPRI, 2006.

PREBISCH, R. El Mercado Comum Latino-americano. Quito: Imprensa Del Banco Central, 1959.

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico na América Latina e seus principaisproblemas. Revista Brasileira de Economia, São Paulo, 1949.

RODRIK, D. Growth strategies. Handbook of economic growth, v. 1, p. 967-1014, 2005.

V?TOLA, K.; D?VIDSONS, G. Structural Transformation of Exports in a Product Space Model. 2008.

VIZENTINI, P. G. F. O Brasil, o MERCOSUL e a Integração da América do Sul. In: Revista de Estudos e Pesquisas Sobre as Américas, Vol. 1, n. 1. Brasília: UnB, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i2.449

Refbacks

  • There are currently no refbacks.