Sociointeracionismo & surdez: algumas considerações acerca do processo de inclusão em aulas de química / Sociointeracionism & deafness: some considerations about the inclusion process in chemistry classes

Josenilson da Silva Costa, Aline Andréia Nicolli

Abstract


Apresentamos alguns aspectos de uma pesquisa desenvolvida para investigar as percepções de professores, intérpretes de Libras e de alunos ouvintes acerca da inclusão de surdos em aulas de química e das implicações desse processo para o ensino e a aprendizagem. Para atender as intenções de pesquisa, optamos pela realização de uma pesquisa com abordagem qualitativa, realizando a coleta de dados por meio da aplicação de um instrumento impresso composto por dez questões semiestruturadas para professores e intérpretes de Libras e outro, com cinco questões para alunos ouvintes. Estes instrumentos foram aplicados durante as aulas de química, nas duas Escolas Públicas de Ensino Médio de Rio Branco/AC que acolhem estudantes com surdez. Por meio da presente pesquisa se fez possível entender o processo de inclusão dos surdos em aulas de química, identificando os principais limites e possibilidades, bem como apresentando alternativas que visem minimizar os limites e maximizar as possibilidades identificadas.


Keywords


Aulas de química. Surdez. Limites e possibilidades. Sociointeracionismo.

References


ARAÚJO, C. C. M.; LACERDA, C. B. F. Linguagem e desenho no desenvolvimento da criança surda: implicações histórico-culturais. Psicologia em Estudo, v. 15, p. 695-703, out./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, e o art. 1° da Lei n° 10.098, de 19 de dezembro de 2000, Brasília, 2005.

FELTRINI, G. M.; GAUCHE, R. O ensino de Ciências no contexto da educação de surdos. In: BRETAS, P. S.; SALLES, A. (Org.). Educação científica, inclusão social e acessibilidade. Goiânia: Cânone Editorial, 2011, p. 15-33.

GESSER, A. LIBRAS?: Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 5. ed. São Paulo: Plexus Editora, 2002.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARINHO, M. L.; CARVALHO, O. L. S. Contexto educacional bilíngue e a criação de termos científicos na Língua Brasileira de Sinais:experimentos nas áreas de biologia e física. In: BRETAS, P. S.; SALLES, A. (Org.). Educação científica, inclusão social e acessibilidade. Goiânia: Cânone Editorial, 2011, p. 105-125.

POPE, C.; MAYS, N. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 8. ed. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, R. C. J.; KELMAN, C. A.; SALLES, H. M. M. L. Formação de professores na educação de surdos. In: SALLES. P.; GAUCHE, R. (Org.). Educação científica, inclusão social e acessibilidade. Goiânia: Cânone Editorial, 2011, p. 57-78.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998a.

______. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto; Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria da Penha Villalobos. 6. ed. São Paulo: Cone Editora, 1998b.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos de defectologia. Obras completas, tomo 5. Habana: Pueblo Y Educatión, 1989.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i2.421

Refbacks

  • There are currently no refbacks.