Comparativo das vantagens competitivas dos clusters de revestimento cerâmico de Criciúma com o de foshan na China / Comparative of the competitive advantages of the clusters of ceramic coating of Criciúma with the one of foshan in China

Jéssica Motta, Marcio Aparecido Lucio, Marianne Hoeltgebaum, Mohamed Amal

Abstract


O mercado mundial revestimentos cerâmicos tem a China como maior produtor e consumidor, o Brasil está na vice-liderança. Diante da importância do setor para o Brasil, este estudo buscou identificar quais são as estratégias competitivas que diferem o Cluster de cerâmica brasileiro da região de Criciúma/SC com o cluster chinês de Foshan. Foi realizado um levantamento teórico e uma estruturação em constructos comparativos que caracterizaram os referidos clusters, a partir do proposto por Meyer-Stamer et. al, (2001), e Lo e Han, (2013). Os resultados encontrados foram que as maiores diferenças entre os clusters estão em suas estratégias, onde Criciúma busca a diferenciação pelo designer e qualidade e Fushon tem como vantagem o custo baixo de produção e o grande parque fabril. Outra diferença está na estrutura de poder dos clusters com Foshan tendo uma forte intervenção do estado e o de Criciúma liderado pelas três maiores empresas do cluster.


Keywords


Cluster cerâmico brasileiro e chinês; Estratégias competitivas

References


ABCERAM – Associação Brasileira de Cerâmica.

Disponível em: Acesso em: 24 jan. 2015.

ALBINO, V.; KUHTZ, S.; ZHOU, C.; PENG, G. Energy and materials use in Italian and Chinese tile manufacturers: a comparison using an Enterprise Input-Output model. In:15th international conference on input-output techniques, Renmin University of China, Beijing. 2005.

AMSDEN, A. H.. A Ascensão do "Resto": os desafios ao Ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Unesp, 2009.

ANFACER – Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres

Disponível em: Acesso em: 24 jan. 2015.

CABRAL JUNIOR, M.; MOTTA, J. F. M.; BOSCHI, A. O. Panorama e perspectivas da indústria de revestimentos cerâmicos no Brasil. Cerâmica Industrial, v. 15, n. 3, p. 7-18, 2010.

CAMPOS, R. R.; NICOLAU, J. A.; CÁRIO, S. A. F.. O cluster da indústria cerâmica de revestimento em Santa Catarina: um caso de sistema local de inovação. Florianópolis: UFSC, 1998.

CARIO, S. A. F.; PINTO, C. C. G. J.; FERNANDES, R. L. Análise do arranjo produtivo cerâmico de revestimento da região sul de Santa Catarina: dinâmicas Produtivas, inovativa, comercial e institucional. A economia em Revista AERE, v. 16, n. 1, p. 6-23, 2008 . Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2015.

CARIO, S. A. F.; VAZQUEZ, F. F.; ENDERLE, R. A. Estrutura e padrão de concorrência da indústria de cerâmica de revestimento brasileira: características competitivas e desafios ao desenvolvimento. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD. Curitiba, n. 112, p.7-30, jan./jun. 2007

CASTELLS, M.. Fim de Milênio. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CONSTANTINO, A. O.; ROSA, S. E. S.; CORRÊA A. R. Panorama do setor de Revestimentos Cerâmicos. BNDES. 2006.

Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2014.

DI TOMMASO, M. R.; BARBIERI, E.; RUBINI, L..The Cantonese model: Clusters of firms and local industrial development policy in Southern China. c.MET Working papers, n.12, 2012. Disponível em: Acesso em: 24 jan. 2015.

FERRAZ, G., Estudo da Competitividade de cadeias Integradas no Brasil: impactos das zonas de livre comércio. Cadeia Cerâmica. Nota Técnica Final, Unicamp – IE – NEIT, Dezembro 2002

FLEURY, A.C.; FLEURY, M. T. L.. Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão & Produção v.10 n.2, p.129-144, Ago/2003

FRATTINI, F.; PRODI, G. Industrial Clusters in China: Policy Tools for Further and More Balanced Development. European Review of Industrial Economics and Policy, Paris, n. 5, jul/dez.2012. Disponível em:< http://revel.unice.fr/eriep/index.html?id=3476> Acesso em: 24 jan. 2015.

GALINARI, R; TEIXEIRA JÚNIOR; RODRIGUES, J.. Informe Setorial da Área Industrial, Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, n. 26, Nov/ 2013.

GORINI, A. P. F.; CORREA, A. R.. Cerâmica para revestimentos. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 10, p. 201-251, set. 1999.

HAIR, JR., J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P.. Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KIECKBUSCH, R. E.; LOPES, F. P. Diagnóstico Setorial da Cerâmica para Revestimento Catarinense. Florianópolis: Instituo Euvaldo Lodi, 2005.

LO, M.; HAN, D. Exploring Competitive Strategies of China Ceramic Tile Industrial Cluster in Global Economy.Open Journal of Social Sciences, v. 2, n. 03, p. 11-18, 2014. Disponível em Acesso em: 30 jan. 2015.

PORTER, M. E. Aglomerados e Competição: novas agendas para empresas, governos e instituições. In: ________, Michael E. (Org). Competição on Competition: estratégias competitivas essenciais. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

SCHMIDT, C. M.; DREHER, M. T.. Cultura empreendedora: empreendedorismo coletivo e perfil empreendedor. REGE Revista de Gestão v.15 n.1 p. 1-14, 2008. Disponível em Acesso em: 10 jan. 2015.

MEYER-STAMER, J.; SEIBEL, S.; MAGGI, C.. Globalização e os desafios para as industrias italiana, espanhola e brasileira de revestimentos cerâmicos. Cerâmica Industrial, v. 6, n. 6, p. 28-38, Nov-Dez/ 2001.

SINDICERAM – Sindicato das Indústrias de Cerâmica de Criciúma. Disponível em . Acesso em: 10 dez. 2014.

VILAÇA, M. L. C.. Escrita – Revista do Curso de letras da UNIABEU: Pesquisa e ensino: Considerações e reflexões. v.1, n°2, Nilópolis, 2010.

WANG, J.; YUE, F. ‘Cluster development and the role of government: the case of Xiqiao textile cluster in Guangdong’, in D.Z. Zeng (ed.) Building Engines for Growth and Competitiveness in China: Experiences with Special Economic Zones and Industrial Clusters, Washington: The World Bank., 2010

ZAFIR-GOLDSTEIN, C.; TOLEDO, G. L. . Vantagens competitivas em clusters industriais: estudo de caso no setor cerâmico paulista. Revista de Economia e Administração, v. 7, n. 2, 206-227p, Abr-Jun/ 2008.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i1.388

Refbacks

  • There are currently no refbacks.