Teores de extrativos na madeira de Mogno Brasileiro / Extractive contents in Brazilian Mahogany wood

Leonardo Antônio Moraes Zaque, Zaíra Morais dos Santos Hurtado de Mendoza, Pedro Hurtado de Mendoza Borges, Mayra Daniela Ferreira, Pedro Hurtado de Mendoza Morais

Resumo


O Mogno é uma espécie de ocorrência natural no Brasil e em vários outros países da América do Sul. A madeira é usada na produção de móveis, por causa da facilidade com que é trabalhada, pela estabilidade dimensional e durabilidade. A elevada qualidade dessa madeira e, consequentemente, a grande aceitação no mercado consumidor, estimula a sua exploração ilegal. No intuito de preservá-la, ela foi incluída na lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção, passando a ser objeto de estudo por vários pesquisadores. Neste trabalho objetivou-se quantificar, em diferentes tipos de solventes, os teores de extrativos na madeira de mogno brasileiro, visando ampliar os estudos referentes às qualidades tecnológicas dessa espécie. A solubilidade dos compostos foi quantificada aplicando-se os métodos de extrações em água (fria e quente) norma ABTCP M4/68, NaOH (1%) norma ABTCP M5/68 e álcool/tolueno norma ABTCP M3/69, adotando-se 6 (seis) repetições para cada ensaio. Concluiu-se que os menores teores de extrativos foram para os ensaios com água fria e os maiores foram com o uso de hidróxido de sódio (1%), sendo a base o local do tronco onde ocorreu a maior solubilidade desses compostos, independentemente do tipo de solvente utilizado. A quantidade de material extraído foi compatível com o de outras folhosas estudadas na literatura, o que motiva as pesquisas com essa espécie para uso em plantios homogêneos e/ou consorciados, para fins de suprimento de madeira e derivados para o setor florestal.

Palavras-chave


Componentes Químicos, Madeiras Tropicais, Solventes.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. P. S.; RODRIGUES, D. A.; CASTELO, P. A. R. Determinação das Propriedades Químicas de Madeiras da Amazônia Meridional. Scientific Electronic Archives, v.8, n.1, p. 2015. DOI: https://doi.org/10.36560/812015113

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA TÉCNICA DE CELULOSE E PAPEL – ABTCP – Coletâneas de Normas Técnicas, 2005.

BARRICHELO, L. E. G. Celulose sulfato de bracatinga. IPEF, p.43-46, 1968.

Disponível em:

BROWNING, B. L. The chemistry of wood. New York: John Wiley & Sons, 1963, 689 p.

CARVALHO, P. E. R. Mogno - Swietenia macrophylla. Circular Técnica nº 140, Embrapa Florestas, 2007, 12p. ISSN 1517-5278

ELIAS, G. A.; SANTOS, R. Produtos florestais não madeireiros e valor potencial de exploração sustentável da floresta atlântica no sul de Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 1, p. 249-262, jan.-mar., 2016. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509821117

FENGEL, D.; WEGENER, G. Wood: chemistry, ultrastructure, reactions. 2. ed., Berlin: Walter de Gruyter, 1989, 613 p.

FERREIRA, K. A. C.; MENDOZA, Z. M. S. H.; RIBEIRO, E. S.; BATISTA, B. M. F.; SILVA, J. C. da. Análise dos compostos acidentais na madeira de Tectona grandis L.F. Biodiversidade, v.14, n.1, p. 1-7, 2015.

FUMAGALI, E.; GONÇALVES, R. A. C.; MACHADO, M. F. P. S.; VIDOTI, G. J.; OLIVEIRA, A. J. B. Produção de metabólitos secundários em cultura de células e tecidos de plantas: O exemplo dos gêneros Tabernaemontana e Aspidosperma. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.18, n. 4, p. 627-641, Out./Dez. 2008.

DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000400022

GROGAN, J.; BARRETO, P.; VERÍSSIMO, A. Mogno na Amazônia Brasileira: Ecologia e Perspectivas de Manejo. IMAZON. 2002, 40 p.

LIMA, R. B.; FERREIRA, R. L. C.; SILVA, J. A. A.; GUEDES, M.C.; SILVA, D. A. S.; OLIVEIRA, C. P.; SANTOS, R. M.; CARVALHO, E. P. F.; SILVA, R. M. A. Valoração de componentes não madeireiros na Amazônia: metodologias de quantificação para a geração de renda. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v. 4, n. 2, p.561-591mar./abr. 2020.

DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n2-012

MENDOZA, Z. M. S. H. Tecnologia Química de Produtos Florestais. Cadernos didáticos, Cuiabá, Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, 110 p., 2021.

OLIVEIRA, J. T. S.; SOUZA, L. C.; DELLA LUCIA, R. M.; SOUZA JUNIOR, W. P. Influência dos extrativos na resistência ao apodrecimento de seis espécies de madeira. SIF (Sociedade de Investigações Florestais). Revista Árvore, Viçosa-MG, v.29, n.5, p.819-826, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622005000500017

SANTOS, L. H. O.; ALEXANDRE, F. S. MENDOZA, Z. M. S. H.; SOUZA, E. C.; BORGES, P. H. M.; MARIANO, R. R.; DIAZ, L. M. G. R.; NUNES, C. A. Características químicas e físicas da madeira de mogno africano (Khaya ivorensis A. Chev.). Nativa, Sinop, v. 8, n. 3, p. 361-366, mai./jun. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.31413/nativa.v8i3.9526

SARTO, C.; SANSIGOLO, C. A. Cinética da remoção dos extrativos da madeira de Eucalyptus grandis durante polpação Kraft. Acta Scientiarum Technology. Maringá, v.32. n.3. p.277-235, 2010. DOI: https://doi.org/10.4025/actascitechnol.v32i3.4237

SILVA, J. G. M.; VIDAURRE, G. B.; MININI, D.; OLIVEIRA, R. F.; ROCHA, S. M. G.; GONÇALVES, F.G. Qualidade da madeira de mogno brasileiro plantado para a produção de serrados. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 47, n. 121, p. 1-12, mar. 2019.

DOI: dx.doi.org/10.18671/scifor.v47n121.01

TECHNICAL ASSOCIATION FOR THE WOLDWIDE PULP, PAPER AND CONVERTING INDUSTRY -TAPPI. TAPPI 212: One percent sodium hydroxide solubility of wood and pulp. Atlanta; 1994c.

TEREZO, E. F. M. Status do mogno (Swietenia macrophilla, King) na Amazônia Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2002, 47 p.

TSOUMIS, G. Science and technology of wood: Structure, properties, utilization. New York, Chapman & Hall. 1991, 494 p.

WASTOWSKI, A. D. Química da madeira, 1. ed., Rio de Janeiro, Interciência, 2018, 584 p.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n4-011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.