Energia solar e seu aproveitamento como fonte de eletricidade na Amazônia/ Solar energy and its use as a source of electricity in Amazon

Carlos Simões Pereira, Arthur da Costa Almeida

Resumo


O aproveitamento da energia irradiada pelo sol e interceptada pela Terra pode ser efetivado pelo uso de células solares que funcionam com base no Efeito Fotoelétrico. Podemos estimar essa energia com auxilio das formulas de Stefan-Boltzmann, que estima um valor de energia recebida no topo da atmosfera terrestre de 1.350 W/m2, valor chamado de constante solar. Esse valor é normalizado pelo padrão industrial denominado STC-Standard Test Conditions, considerando uma incidência de 1.000 W/m2, ao nível do mar, abatendo-se as perdas na atmosfera, com o objetivo de uso em projetos solares e aplicado a células solares de Silício. O Efeito Fotoelétrico é descrito e as tecnologias de células solares são apresentadas com auxilio de um gráfico. Foram coletados os valores de insolação média anual do Global Solar Atlas, incidentes sobre as capitais brasileiras e em algumas capitais europeias e americanas para fins de comparação. Como complementação foi feito um acesso à estação meteorológica de Belém do Inmet, o Instituto de Meteorologia do Brasil, para adquirir os valores de insolação registrados. Embora apenas implícito no texto da constituição brasileira a declaração de 'uso livre em pequenas capacidades, de energia renovável' (energia solar) o seu escopo é real, e por isso, fazemos uma consideração à tentativa atual de se taxar o uso do sol, em sistemas on grid, na modalidade 'micro geração distribuída', nas capitais brasileiras, como inconstitucional e bi tributária.


Palavras-chave


Constante Solar, insolação, Efeito Fotoelétrico, tecnologia Fotovoltaica, STC.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA et al, 2016: Arthur, Estudo para Posicionamento Ótimo de Painéis Fotovoltaicos nas latitudes Amazônicas, II Congresso Amazônico de Meio Ambiente & Energias Renováveis, Belém, Para.

ANEEL, 2012: Resolução 482, Condições para acesso a micro e mini geração distribuída e ao sistema de compensação de energia elétrica.

BRASIL, 1988: Assembleia Nacional, Constituição da Republica Federativa do Brasil, Brasília.

CAMPOS et al., 2013: Mayara Soares, Programa para Calculo da Variação da Direção de Incidência dos Raios Solares ao longo do Ano, COBENGE 2013, Gramado, Rio Grande do Sul.

EINSTEIN, 1905: Albert, Zur Elektrodynamik bewegter Körper, Annalen der Physik, September 26, 1905.

FLORIDA SOLAR ENERGY CENTER, 2010: STC, FSEC Standard, Test Method for Photovoltaic Module Power Rating, www.fsec.ucf.edu.

GLOBAL SOLAR ATLAS, https://globalsolaratlas.info, acessado em 13/05/2021.

HUKSEFLUX, 2015: Thermal Sensors, Pyranometer app 2.0, www.hukseflux.com.

JORDAN et al., 1964: Electromagnetic Waves & Radiating Systems, Prentice Hall Inc, Englewood, N.J., USA

KRENZINGER et al., 2010: Arao, Radiosol2-Software para Sintetizar dados de Radiação Solar, IV Conferencia Latino Americana de Energia Solar, Cuzco, Peru.

MONDOL et al., 2006: Jayanta Deb, The impact of array inclination and orientation on the performance of a grid connected photovoltaic system, ELSEVIER, ScienceDirect.com.

MOREIRA et. al. 2019. Estudo comparativo de técnicas de rastreamento solar para geração de energia solar fotovoltaica. Brazilian Applied Science Review, v. 3, n. 3,p. 1551-1563, DOI: 10.34115/basrv3n3-005.

TRENBERTH et al., 2009: Kevin E., Earth's Global Energy Budget, American Meteorological Society.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n4-008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.