Impacto da automedicação de fármacos benzodiazepínicos / Impact of self-medication of benzodiazepine drugs

Juan Gonzalo Bardález Rivera, Fernanda Chaves Marques Duarte, Rosely Ribeiro Cassiano da Silva, Sueli Bentes Monteiro, Márcia Cristina Monteiro Guimarães, Valdicley Vieira Vale

Resumo


A automedicação é o ato que consiste no paciente fazer uso dos fármacos por conta própria sem uma devida prescrição médica, e que nos últimos anos vem se tornando um sério problema de saúde pública. Os psicotrópicos são substancias usadas há milênios e possuem ação hipnóticas, sedativas, ansiolíticas e antidepressivas. Como substancias psicotrópicas constam os fármacos ansiolíticos, dentre os quais, os benzodiazepínicos (BZD). Porém, por se tratarem de fármacos que atuam no SNC seu uso continuo pode acarretar dependência e tolerância. O objetivo do presente trabalho é fazer a revisão da literatura, sobre o tema impacto da automedicação de fármacos benzodiazepínicos. A metodologia utilizada foi a revisão da literatura integrativa, tendo como descritores as seguintes palavras, saber “automedicação”, “psicotrópicos”, “ansiolíticos” e “efeitos tóxicos”. O período de estudo foi 2011 a 2021, o qual as informações foram coletadas nas bibliotecas on lines. Os resultados achados na revisão resultaram em 3 publicações na base de dados Pubmed, 3 na base Scielo e 3 na Google acadêmico. Concluímos que, a automedicação pode trazer consequências serias a saúde dos indivíduos, e que é um problema sério de saúde pública onde ouve uma prevalência significativa nos últimos anos, fatores que contribuem para isto estão os grandes números de medicamentos produzidos pela indústria farmacêutica, influencia por familiares e a própria cultura, entretanto  a automedicação  produz sérios riscos à saúde podendo gerar intoxicações, os psicotrópicos tem sido  objetos de estudo devido ao grande número de prescrições, não são fármacos de primeira linha no tratamento de transtornos de humor e ansiedade, seus efeitos graves são: alterações  psicomotoras, dependência e tolerância podendo levar ao abuso do uso, mulheres e idosos são os grupos que mais fazem uso desses fármacos.


Palavras-chave


automedicação, psicotrópicos, ansiolíticos e efeitos tóxicos

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, M. M. et al. Prevalência e fatores associados ao uso de benzodiazepínicos em idosos da comunidade. rev. bras. gerontol., Rio de janeiro, 2017; 20(4): 463-474.

AMARAL, B. D. A.; MACHADO, K. L. Benzodiazepínicos: uso crônico e dependência. 30 f. Monografia (Especialização em farmacologia), UNIFIL -Centro Universitário Filadélfia, Londrina, 2012.

ARRAIS, P. S. Dourado. Et al. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Rev. Saúde Pública 2016;50 (supl 2):13s.

CAMARGO, C.; OLIVEIRA, T. Revisão bibliográfica: do uso inadequado e indevido do psicotrópico no Brasil. 2013. 30 f. Trabalho de conclusão de curso (graduação em farmácia- faculdade de Pindamonhangaba, Sp, 2013.

CRIVELLI, S. R. M.; SODRÉ, J. Automedicação: observação do número de clientes que compram medicamentos sem o uso da receita médica na farmácia Sodré – governador celso ramos. Revista eletrônica Estácio saúde, v. 2, N. 1, 2013. http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617.

FARIAS, M. S. et al. uso de psicotrópico no brasil: uma revisão da literatura. Biofarm ISSN 1983-4209-volume 12- número 04-out/dez 2016.

FAVERO, V. R. et al. Uso de ansiolíticos: abuso ou necessidade? Visão Acadêmica, Curitiba, v.18, n.4, out. – Dez/2017 – ISSN 1518-8361. Disponível em:

https://revistas.ufpr.br/academia/article/view/57820/34821. Acesso em: 20 de

setembro de 2020.

FEGADOLL, C.; VARELA, N. M. D.; CARLINI, E. L de A. Uso e abuso de benzodiazepínicos na atenção primária à saúde: práticas profissionais no Brasil e em Cuba. Cad. Saúde Pública 2019.

GONZALEZ, F. G.; TOMA, W. Uso racional de benzodiazepínicos: da droga terapêutica á toxicológica. Revista unilus ensino e pesquisa, v. 17, n. 46, jan. /mar. 2020.

GRASSI, L.T.V.; CASTRO, J.E.S. Estudo do Consumo de Medicamentos Psicotrópicos no Município de Alto Araguáia – MT. Artigo Científico. Cáceres: Faculdade do Pantanal,2012.

GRUBER, J.; MAZON, L.M. A prevalência na utilização de medicamentos psicotrópicos no município de Mafra: um estudo retrospectivo. Saúde Meio Ambiente, v. 3, n. 1, p. 44-50,2014.

LIMA, M. do S. G.et al. Perfil do consumo de pacientes e erros nas prescrições de benzodiazepínicos atendidas em farmácia privada no Sertão de Pernambuco. raz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 8, p. 55297-55307 aug. 2020.

NUNES, B.S.; BASTOS, F. M. Efeitos colaterais atribuídos ao uso indevido e prolongado de benzodiazepínicos. Saúde e ciência em ação, v.3, n.1, p.71-82, 2016.

RANGEL, N. L.; FRANCELINO, E. V. Caracterização do perfil das intoxicações medicamentosas no brasil 2013 a 2016. Id on Line Rev.Mult. Psic. V.12, N. 42, p. 121-135, 2018 - ISSN 1981-1179. Disponível em:http://idonline.emnuvens.com.br/id. Acesso em: 23 de setembro de 2020.

SOUZA, A. R. L.; OPALEYE, E. S.; NOTO, A. R. Contextos e padrões do uso indevido de benzodiazepínicos entre mulheres. Ciência & Saúde Coletiva. 2013.

XAVIER, M.S. et al. Automedicação e o risco à saúde: uma revisão de literatura. Brazilian journal of health reveiew, Curitiba, v.4, n.1.p.225-240 jan/ feb.2021.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n4-003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.