Síndrome Coronariana Aguda: relato de caso e atualizações do manejo / Acute Coronary Syndrome: case report and management updates

Henrique Guimarães Vasconcelos, Yuri da Silva Brasil, Ana Luísa Leite Dantas, Maria Carolina Oliveira Silva, Anna Cláudia Cardoso Neves, Ana Cecília Nunes de Paula, Welton Cardoso dos Santos, Isadora Rollemberg Caldas Menezes, Rafael Augusto Moreira André, Gilnei Fitler Soares, Ingrid Isabel Lucindo Soares Almeida, Ingrid Marion Aguilar Vergara

Resumo


A síndrome coronariana aguda (SCA) consiste em uma entidade nosológica composta por um espectro de sinais e sintomas clínicos, além de alterações em exames complementares, indicativos de isquemia miocárdica aguda. A fisiopatologia está relacionada à instabilidade de placas ateroscleróticas, que podem sofrer processo de ruptura com consequente obstrução do lúmen vascular. Apresenta elevado impacto nas taxas de mortalidade, sendo responsável por cerca de 30% dos óbitos no território brasileiro e pelo gasto de mais de 500 milhões de reais anualmente pelo Sistema Único de Saúde. O objetivo deste artigo é reportar um caso de SCA e revisar o manejo adequado desse agravo à saúde.


Palavras-chave


Angina Instável, Síndrome Coronariana Aguda, Cardiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA JÚNIOR IL, et al. Anticoagulantes nas síndromes coronarianas agudas: uma revisão sistemática. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2021; 13(2): e6591-e6591.

BAWAMIA B, et al. Risk scores in acute coronary syndrome and percutaneous coronary intervention: a review. American heart journal, 2013; 165(4), 441-450.

CHEW DP, et al. Objective risk assessment vs standard care for acute coronary syndromes: a randomized clinical trial. JAMA cardiology, 2021; 6(3): 304-313.

COSTA IM, et al. Diagnóstico diferencial da Síndrome de Takotsubo e Infarto Agudo do Miocárdio: uma revisão narrativa. Brazilian Journal of Health Review, 2021; 4(2): 4223-4235.

LI R, et al. Quality of life after percutaneous coronary intervention in the elderly with acute coronary syndrome. International journal of cardiology, 2012; 155(1): 90-96.

LIP GY, et al. Management of antithrombotic therapy in atrial fibrillation patients presenting with acute coronary syndrome and/or undergoing percutaneous coronary intervention/stenting. Thrombosis and haemostasis, 2010; 103(01): 13-28.

MEAH MM, et al. Primary percutaneous coronary intervention in nonagenarians: is it worthwhile?. BMC Cardiovascular Disorders, 2021; 21(1): 1-8.

NUNES FM, SILVA A. Assistência ao paciente com síndrome coronariana aguda: revisão integrativa. Revista De Ciências Da Saúde Nova Esperança, 2020; 18(2): 98-106.

SANTOS ESD, et al. Registro de síndrome coronariana aguda em um centro de emergências em cardiologia. Arquivos brasileiros de cardiologia, 2006; 87(5), 597-602.

SANTOS RC, et al. Frequência e Motivos para a não Administração e Suspensão de Medicamentos durante um Evento de Síndrome Coronariana Aguda. Estudo ERICO. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2020; 115(5), 830-839.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST, 2021.

SILVA AJDS, et al. Perfil de pacientes internados com diagnóstico de síndrome coronariana aguda. Rev. Soc. Bras. Clín. Méd, 2018; 104-107.

SIQUEIRA L, et al. Biomarcadores de necrose miocárdica precoce. Revista Ciência & Humanização do Hospital de Clínicas de Passo Fundo, 2021; 1(1): 105-122.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.