Investigação Magnetotelúrica em um Perfil entre Belo Horizonte (MG) e Vitória (ES), Brasil / Magnetotelluric Investigation in a Profile between Belo Horizonte (MG) and Vitória (ES), Brazil

Gleide Alencar do Nascimento Dias

Resumo


O método magnetotelúrico (MT) é um método geofísico utilizado para a compreensão das características geológicas superficiais e profundas da Terra, dentre outras aplicações. O MT foi utilizado na faixa de freqüência de 0.01 e 100 Hz, com 15 estações ao longo de um perfil de 172 km entre os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.  As medidas ao longo do perfil são localizadas sobre terrenos Pré-Cambrianos relacionados a Faixa Ribeira. Os dados foram interpretados através de modelos de inversão unidimensionais (1D) e bidimensionais (2D), sendo o modelo 1D utilizado somente para a correção do static shift. O modelo geoelétrico 2D resultante da inversão 2D de subsuperfície apresenta uma boa correlação com a geologia superficial.  O condutor crustal observado em várias partes do mundo, inclusive no sudeste do Brasil, também é verificado no perfil em estudo. Entretanto, diferentemente dos condutores crustais observados, apresenta uma variação na profundidade de seu topo que vai aproximadamente de 3 até10 km. Sua parte mais rasa foi observada no extremo oeste do perfil, o qual pode estar associada a uma descontinuidade denominada de Abre Campo.   


Palavras-chave


Magnetotelúrico, Condutor Crustal, Inversão.

Texto completo:

PDF

Referências


Boerner, D.E., Kurtz, R.D. & Craven, J.A. 1996. Electrical conductivity and Paleo-Peoterozoic foredeeps. JGR, 101,B6, 775-791.

Brito P.M.A. 1999. Sondagens Magnetotelúricas Transversais à Bacia de Taubaté. Dissertação de Mestrado em Ciência Espacial/Geofísica. Espacial.INPE-7235-TDI/688.

Cagniard, L., 1953. Basic Theory of the Magnetotelluric Method of Geophysical Prospecting. Geophysics, 18, 605-635.

CPRM, 1997. Projeto Cachoeira de Itapimirim;. Programa de Levantamento Geológicos Básicos do Brasil. Folha sf.24-v-a

Cunningham D., Alkmin F. F. & Marshak S. 1998. A structural transect across the coastal mobile belt in the Brazilian Highlands (latitude 200): the roots of Precambrian transpressional orogen.

Egbert G. D. & Booker J. R. 1986. Robust estimation of geomagnetic transfer functions. Geophys. J. R. astr. Soc. 87, 173-194.

Egbert G. D. & Eisel M. 1998. EMTF: Programs for Robust Single Station and Remote Reference Analysis of Magnetotelluric Data: UNIX (and PC) Version, March 24.

Eggers D.E. 1986. An eigenstate formulation of the magnetotelluric impedance tensor. In: Magnetotelluric Methods, Ed. Vozoff K., Society of Exploration Geophysicists. V.5, 129-139.

Figueiredo, I. 1997. Investigação Magnetotelúrica nas Serras do Sudeste Brasileiro (RJ/MG) Uma proposta de Modelo Crustal, Tese de Doutorado pelo Departamento de Geofísica. Observatório Nacional.

Groom R. W. & Bailey R. C. 1989. Decomposition of Magnetotelluric Impedance Tensors in the Presence of Local Three-Dimensional Galvanic Distortion. Journal of Geophysical Research, vol. 94, no B2, pages 1913-1925, February 10.

Jifeng Zhang, Jiren Liu, Bing Feng, Yi’an Zheng, Jianbo Guan, Zhongqiang Liu. Three-dimensional magnetotelluric modeling using the finite element model reduction algorithm. Computers & Geosciences. Vol. 151, June 2021, 104750.

Jones A G., 1988. Static-shift of magnetotelluric data and its removal in a sedimentary basin enviroment. Geophysics, 7, 967-978.

Kriti Yadav a , Manan Shah b, , Anirbid Sircar c. Application of magnetotelluric (MT) study for the identification of shallow and deep aquifers in Dholera geothermal region. Groundwater for Sustainable Development. Vol. 11, October 2020, 100472.

Mackie R., Rieven S. & Rodi W. 1997. Users manual and Software Documentation for Two-Dimensional Inversion of magnetotelluric data. Massachusetts Institute of Technology. Earth Resources Laboratory. Cambridge, Massachusetts 02139.

Menezes P. T. L. 1996. Estrutura Geoelétrica da Porção Norte do Arco de Ponta Grossa, Bacia do Paraná, Tese de Doutorado pelo Departamento de Geofísica, Observatório Nacional.

PROJETO RADAMBRASIL. 1983. Levantamento de Recursos Naturais. Publicações do Projeto RADAMBRASIL. V. 32

Rodi W. & Mackie R. L. 2001. Nonlinear conjugate gradients algorithm for 2-D magnetotelluric inversion. Geophysics, vol. 66, no 1, (January-February 2001): P.174-187, 7 Figs.,4 Tables.

Szatmari, P., Françolin, J. B.L., Zanotto, O. & WOLFF, S. 1987. Evolução Tectônica da Margem Equatorial Brasileira. Revista Brasileira de Geociências, 17, 180-188.

Tikhonov, A., 1950. Ob opredelnii elektricheskikh glubokikh sloev zemnoi kory. (About the computation of the electrical characteristic of the layers of the earth), Dokl. Akad. Nauk SSRR, 73:295-297.

Tupinambá M., Heilbron M., Valeriano C., Junior R. P., Dios F. B. , Machado N., Silva L. G. E. & Almeida J. C. H . 2012. Juvenile contribution of the Neoproterozoic Rio Negro Magmatic Arc (Ribeira Belt, Brazil); Implications for Western Gondwana Amalgamation. Gondwana Reserch. 21 (2012) 422-438.

Vozoff, K. 1991. The Magnetotelluric Method. In: Electromagnetic Methods In Applied Geophysics, Ed Nabighian, M.N., Society of Exploration Geophysicsts, V.2,641-711.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.