Educação ambiental e Geotrilha no Pontal do Atalaia Arraial do Cabo /RJ/ Environmental education and Geotrail at the Pontal do Atalaia Arraial do Cabo /RJ

Gleide Alencar do Nascimento, Ana Karoline Ramos Alves

Resumo


O município de Arraial do Cabo do Estado do Rio de Janeiro é conhecido por suas belíssimas dunas, costões, lagoas e praias, por estar entre as Bacias de Santos e Campos e por geocientistas.  Os turistas e moradores que frequentam as praias dessa região estão cercados por grandes feições geológicas expostas nos afloramentos as quais não são apreciadas e, por sua vez, devido à presença de turistas na região, gera uma grande quantidade de resíduos sólidos durante as épocas de alta temporada. A atividade em educação ambiental e em geologia foi realizada na praia Praia Grande, percorrendo parte do morro do Pontal do Atalaia, e buscou a interdisciplinaridade das áreas: das geociências (com os aspectos geológicos e geomorfológicos evidenciados), educação ambiental (conscientização da importância da preservação do ambiente) e esporte (prática de caminhada em trilha). No percurso da geotrilha (geociências e trilha), a geologia do local foi observada nas rochas do afloramento, como também a geologia regional, a fim de gerar uma sensibilização das geociências e avaliar os impactos humanos. Nesses locais é importante conscientizar os diferentes tipos de visitantes quanto à importância do descarte de lixo em seu adequado local para a preservação do meio ambiente, cuidar da saúde e verificar outras potencialidades da região, pois a poluição ambiental pode reduzir a economia da região. Na atividade participaram alunos da escola pública 20 de Julho de Arraial do Cabo, onde suas percepções foram analisadas através de questionários. Os resultados indicaram que, de fato, a educação e a interpretação in situ podem aumentar a consciência ambiental, se devidamente abordadas, e despertar o interesse em geociências.


Palavras-chave


Geoturismo, Meio Ambiente, Resíduos, Geotrilha.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. F. M. 1981. O Cráton do Paramirim e suas relações com o Cráton do São Francisco. In: SBG, Simp. Geol. Cráton do São Francisco e suas faixas Marginais. Salvador, 1, Anais, p.1-10.

ARAÚJO, B. M. C.; & COSTA M. F. 2003. Lixo no Ambiente Marinho. Primeira Linha, VOL. 32, 191, p. 65.

BRUUN, P. 1962. Sea Level Rise as a Cause of Shore Erosion. Journal of Wyareways and Harbors Division, 88: 117 – 130.

COE J.M., ROGERS, D.B. (EDS.), 2000. Marine Debris: Sources, Impacts and Solutions. Springer, New York, p. 432.

COMIN-CHIRAMONTI, P., GOMES, C.B., PICCIRILLO, E.M. & RIVALENTI, G. 1983. HighTiO2 Basaltic Dykes in the Costline of São Paulo and Rio de Janeiro States (Brazil). Neus. Jahr. Miner. Abh. 146, 133-150.

DIAS, G. F. 1991. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. São Paulo, Gaia.

DICK, M. V. P. A. 1990. A Motivação Toponímica e a Realidade Brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado.

FEEMA. 1988. FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Perfil Ambiental do Município de Arraial do Cabo. Rio de Janeiro, gráfica da Feema, p.43.

GOOGLEEARTH. 2009. Google Earth. Disponível em: http://earth.google.com/. Acesso em 30 de outubro de 2020.

GEOPARQUE. 2020. Geoparque. Disponível em: https://www.geoparquecostoeselagunas.com/arraial-do-cabo/. Acesso em 30 de outubro de 2020.

GUIMARÃES, S. T. L. 2006. Trilhas Interpretativas: A Aventura de Conhecer a Paisagem. Acesso em 22/12/06. Disponível em: http://www.arvore.com.br/artigos/htm_ 2002/ar2803_1.htm

HOSE, T. A. 2008. Geotourism and Interpretation. In: NEWSOME, D; DOWLING, R. Geotourism: sustainability, impacts and management. Elsevier, p. 221-241.

IBGE. 2020. Arraial do Cabo. IBGE. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/arraial-do-cabo/panorama. Acesso em: 20 de outubro de 2020.

IO-USP. 2019. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP) acesso :fevereiro de 2019. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://www.io.usp.br/index.php/noticias/1021-mais-de-95-do-lixo-nas-praias-brasileiras-e-plastico-indica-estudo1

JACOBI, P. et al. (orgs.). 1998. Educação, Meio Ambiente e Cidadania: Reflexões e Experiências. São Paulo: SMA.

LEFF, E. 2001. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez.

MELLO, S. S; TRAJBE, R. 2007. Vamos Cuidar do Brasil. Conceitos e Práticas em Educação Ambiental na Escola. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental. 1 ed. Brasília UNESCO.

MOREIRA, J. C. 2008. Patrimônio Geológico em Unidades de Conservação: Atividades Interpretativas, Educativas e Geoturísticas. 2008, 374f. Tese de Doutorado em Geografia. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

MOREIRA, J. C. 2014. Geoturismo e Interpretação Ambiental. 1st ed. rev. and enl. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014, 157 p. ISBN 978-85-7798-213-4. Available from SciELO Books.

PÁDUA, S. & TABANEZ, M. 1998. Educação Ambiental: Caminhos Trilhados no Brasil. São Paulo: Ipê.

RANGEL M. O., PITAA C. B, GONÇALVES J. M, OLIVEIRA F., COSTA & C. ERZINIA K. 2015. Eco-touristic Snorkelling Routes at Marinha Beach (Algarve): Environmental Education and Human Impacts. Marine Policy. Volume 60, October, Pages 62-69. Google. Acesso em :19 de outubro de 2020.

REIGOTA, M. 1998. Desafios à Educação Ambiental Escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.). Educação, Meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, p.43-50.

SECATRE - SEGURANÇA AMBIENTAL & GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS LTDA. 2017. Tempo de Decomposição de Materiais. Disponível em: www.secatreambiental.com.br >. Acesso em: 10 de abril de 2017.

SCHMITT, R.S.; TROUW, R.A.J. & VAN SCHMUS, W. R. 1999. The Characterization of a Cambrian (~520 Ma) Tectonometamorphic Event in the Coastal Domain of the Ribeira Belt (SE Brazil), Using U/Pb in Syntectonic Veins. In: Segemar, Simpósio Sudamericano de Geologia Isotopica, 2, Cordoba. Actas, 363-366.

SCHMITT R.S., TROUW, R.A.J., VAN SCHMUS, W.R., PIMENTEL, M.M. 2004. Late Amalgamation in the Central Part of West Gondwana: New Geochronological Data and the Characterization of a Cambrian Collisional Orogeny in the Ribeira Belt (SE Brazil). Precambrian Research, 133:29-61.

SUGUIO, K & TESSLER,M. 1984. Planícies e Cordões Litorâneos Quaternários do Brasil: Origem e Nomeclatura. In: Simposio Sobre Restingas Brasileiras. Niterói: Programa de Geoquímica da UFF.

TENÓRIO M. C., AFONSO M.C. & PINTO D. C. 2010. Arqueologia do Arraial do Cabo com Foco nos Sítios da Ilha do Cabo Frio. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo.

TRISTÃO, M. 2002. As Dimensões e os Desafios da Educação Ambiental na Sociedade do Conhecimento. In: RUSHEINSKY, A. (org.). Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed.. p.169-173.

KRUEL V. S. F. & PEIXOTO. A. L. 2004. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta bot. bras. 18(1): 177-190.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.