O papel do líder na gestão de conflitos afeta o comportamento em uma empresa de ti / The leader's role in conflict management affects behavior in an it company

Bruno de Souza Toledo, Marcos Vinícius de Souza Toledo, Karina Dutra de Carvalho Lemos, Mário Teixeira Reis Neto

Resumo


É fundamental que para se desenvolver e conquistar espaço no mundo corporativo uma organização deve valorizar a participação de seus funcionários no processo de crescimento, pois é a partir deles que devem surgir ideias, sugestões, melhorias e críticas para um trabalho de qualidade. Compete ao líder incentivar sua equipe a vestir-se da organização e lutar pelo seu sucesso. O objetivo deste artigo foi analisar o papel do líder na gestão de conflitos e como os valores e a diversidade afetam o comportamento organizacional em uma empresa de TI, e assim verificar a interferência na produtividade. Para isso, utlizou-se uma revisão de literatura. Foram sugeridas algumas práticas para ajudar os gestores no gerenciamento dos conflitos dentro da sua equipe e assim, ser possível que uma empresa com tal situação possa melhorar sua produtividade. O líder é um motivador, que conduz e inspira os colaboradores a trabalhar em prol da organização, fazendo com que eles se sintam integrados. Para isso, é necessário obter uma atenção maior aos envolvidos em uma empresa de tecnologia, as características individuais de cada um e como utilizar a diversidade e os conflitos a favor da empresa.  


Palavras-chave


Liderança, Comportamento Organizacional, Conflitos, Diversidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A. Comportamento Organizacional. (2018). Disponível em: . Acesso: 19 abr. 2019.

Assis, A. F., Straub, A. (2016). Gestão de conflitos: a oportunidade de aprendizagem através da exploração de divergências. Revista FAE, Curitiba, 19 (2), pp. 220-231.

Barreiro, J. L. C. D. B. et al. (2015). Diversidade nas Organizações: Uma Análise de Resultados. XI Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Disponível em: < http://www.inovarse.org/sites/default/files/T_15_353_11.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2019.

Berg, E. A. (2012). Administração de conflitos: abordagens práticas para o dia-a-dia. Curitiba: Juruá.

Bertoncini, C. et al. (2013). Processo Decisório: a tomada de decisão. Disponível em: http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/QjxDDqGcS5r3dHL_2013-5-3-12-8-34.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

Burbridge, R. M.; Burbridge, A. (2012). Gestão de conflitos: desafios do mundo corporativo. São Paulo: Saraiva.

Carvalho, V. D.; Oliveira, T. A.; Silva, D. C. (2013). Valores organizacionais em instituições públicas brasileiras: percepções dos servidores em diferentes posições hierárquicas e tipos de entidade de administração indireta. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 14 (5), pp. 74-103.

Cavalcanti, A. (2006). O Gestor e o seu papel na Gestão de Conflitos. Um estudo de caso em empresa de Varejo de Vestuário masculino. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Econômicas, Belo Horizonte.

Chiavenato, I. (2012). Princípios da administração: o essencial em teoria geral da administração. 2. ed. Barueri, São Paulo: Manole.

Chiavenato, I. Administração nos novos tempos: os novos horizontes em administração. 3. ed. Barueri, São Paulo: Manole, 2014.

Cordeiro, J., Cunha, P. (2018). Gestão de conflitos, comportamentos de comprometimento e de cidadania organizacional em contexto educativo: contributos para a formulação de um modelo conceptual. European Journal of Applied Business Management, 4 (3), 2018, pp. 46-66.

Costa, J. O. et al. (2013). Gestão de conflitos: estratégias adotadas em unidade básica de saúde. Revista de Administração em Saúde. 15 (61), pp. 134-140.

Demo, G.; Fernandes, T.; Fogaça, N. (2017). A influência dos valores organizacionais na percepção de políticas e práticas de gestão de pessoas. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, 86 (1), pp. 89-117.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Hussein, A., Al-Mamary, Y. & Hassan, Y. (2017). Conflict management styles and organizational commitment: the conceptual framework development. International Journal of Research in Management, Science & Technology, 5 (1), pp. 86-97.

Knapik, J. Gestão de pessoas e talentos. Curitiba: IBPEX, 2012.

Lalau, B. (2017). Sem mais conflitos. Revista Melhor. São Paulo, n. 353, ABRH, mai/2017.

Lima, J. A. Liderança e tomada de decisão na organização. (2012). Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2019.

Marinho, B. L. (2016). Comportamento Organizacional: Um estudo sobre a diversidade e conflitos.

Marras, J. P. (2009). Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. São Paulo: Saraiva.

Robbins, S. P. Fundamentos do comportamento organizacional. 8. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

Robbins, S. P.; Judge, T. A.; Sobral, F. (2010). Comportamento Organizacional. 14. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Santos, J. V. M., Santana, A. C, & Arruda, G. D. (2018). Diversidade nas organizações: inclusão social ou estratégia competitiva? Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

Santos, R. A. (2008). O líder e o processo de gestão de conflitos. Revista São Luis Orione. 1 (2).

Silva, U. L.; Oliveira, A. F. (2017). Qualidade de Vida e Valores nas Organizações: Impactos na Confiança do Empregado, Revista Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, 37 (1), pp. 7-17, 2017.

Veiga, H. M. S. (2010). Comportamento Pró-ativo: relações com valores organizacionais, estímulos e barreiras à criatividade nas organizações e normas sociais. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.




DOI: https://doi.org/10.34115//basrv5n3-019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.