Comprometimento, liderança e valores como fatores de influência na qualidade de vida em uma empresa de tecnologia da informação / Commitment, leadership and values as factors influencing quality of life in an information technology company

Marcos Vinícius de Souza Toledo, Bruno de Souza Toledo, Karina Dutra de Carvalho Lemos, Mário Teixeira Reis Neto

Resumo


O mundo corporativo tem a consciência da importância da qualidade de vida no trabalho e de criar condições favoráveis para o bem-estar e motivação dos seus funcionários, para isto ele vem utilizando dos comportamentos organizacionais para conseguir alcançar tais finalidades, como: comprometimento, liderança e valores. Este artigo tem por objetivo discutir as proposições teóricas na prática em um ambiente organizacional, à luz da literatura sobre tipos de comportamentos organizacionais e qualidade de vida nas empresas de tecnologia da informação. Para tal, foi utilizada como metodologia a revisão de literatura com as seguintes temáticas: comprometimento, liderança, valores e qualidade de vida nas empresas de TI. E como esses tipos de comportamentos organizacionais influenciam na qualidade de vida dos indivíduos em um ambiente corporativo. Finalmente, são apresentadas cinco práticas que podem melhorar a qualidade de vida no trabalho nas organizações, a saber: 1) as empresas oferecem um bom ambiente organizacional aos seus funcionários; 2) a motivação dos funcionários deve partir da sua chefia imediata; 3) cabe ao líder buscar a criação de ambiente propício na empresa; 4) considera-se um bom líder alguém que motiva e coordena à equipe aplicando de maneira eficaz, sua habilidade individual e grupal e 5) a empresa espera desde o nível operacional até a alta gerência, atitudes e comportamentos das pessoas que trabalham nela. Pode-se chegar a seguinte conclusão, as práticas se bem aplicadas, podem auxiliar as empresas a melhorarem a qualidade de vida no ambiente organizacional.


Palavras-chave


Qualidade de Vida no Trabalho, Comportamentos Organizacionais, Ambiente organizacional, Motivação dos Funcionários.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M.A.B., & Gutierrez, G.L. (2010). Qualidade de vida: discussões contemporâneas. In: Vilarta, R., Gutierrez, G.L., & Monteiro, M.I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: IPES editorial.

Almeida, M.A.B., Gutierrez, G.L., & Marques, R. (2012). Qualidade de vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades-EACH/USP.

Aquino, A.S, & Fernandes, A.C.P. (2013). [Quality of life and work]. J Health Sci Inst [Internet]. 31(1), 420-438. Recuperado em 25 Abril, 2019, de http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2013/01_janmar/V31_n1_2013_p53a58.pdf.

Arellano, E.B. (2008). Avaliação dos programas de qualidade de vida no trabalho: análise crítica das práticas das organizações premiadas no Brasil. São Paulo. Tese (doutorado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo.

Bastos, A. V. B. (2015). Comprometimento Organizacional. In: Bastos, A. V. B. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, pp. 49-95.

Bastos, A. V. B., & Maia, L. G. (2011). Comprometimento calculativo e retaliação: visão integrada dos conceitos em uma organização pública. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, 4(3), 390-405.

Borlido, F. C. (2011). Valores organizacionais e do trabalho na percepção de jovens recém-inseridos no mercado de trabalho: o caso dos alunos do Espro. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Chiavenato, I. (2010). Comportamento Organizacional: A Dinâmica do Sucesso das Organizações (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Dekas, K. H. (2013). Organizational Citizenship Behavior, version 2.0: a review and qualitative investigation of OCBs for knowledge workers at Google and beyond. The Academy of Management Perspectives, 27 (3), 219-237.

Dubrin, A. J. (2015). Leadership: Research findings, practice, and skills. Nelson Education.

Fernandes, E. C. (2006). Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade.

França, A. C. L. (2016). Indicadores empresariais de qualidade de vida no trabalho: um estudo comparativo entre satisfação dos empregados e esforço empresarial nas empresas com certificação ISO 9000. São Paulo, Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

Gehman, J., Treviño, L. K., & Garud, R. (2013). Values work: a process study of the emergence and performance of organizational values practices. Academy of Management Journal, 56 (1), 84-112.

Gramkow, F. B. (2016). Liderança complexa em uma equipe de desenvolvimento de software. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Heifetz, R. A. (1994). Leadership without easy answers. London, England: Belknap-Harvard. Cap.3, The roots of authority.

Kilimnik, Z. M. et al. (2013). Análise do estresse, fatores de pressão do trabalho e comprometimento com a carreira: Um estudo com médicos de uma unidade de pronto atendimento de Belo Horizonte, Minas Gerais. Salvador: Revista Gestão & Planejamento-G&P, 12(3), 668-693.

Liang, Y. W. (2012). The relationships among work values, burnout, and organizational citizenship behaviors. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 24 (2), 251-268.

Melo, E. A. M. Liderança gerencial. (2014). In: Siqueira, M. M. M. (org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional. Porto Alegre: Artmed, pp. 132-146.

Menezes, Igor G. (2019). Comprometimento organizacional: construindo um conceito que integre atitudes e intenções comportamentais. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Meyer, J.P., & Allen, N.J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, Greenwich, 1(1), 61-89.

Mourão, L. et al. (2003). Valores, suporte psicossocial e impacto do treinamento no trabalho. In: ENCONTRO DA ANPAD, 33. Atibaia. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Nicholson, N. (2013). The invention of leadership. Business Strategy Review, 24(2), 14-29.

Northouse, P. G. (2013). Leadership: theory and practice. (6th. ed.). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Oliveira, A., & Tamayo, A. (2014). Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração, 39 (2), 129-140.

OMS. (2008). Promoción de la salud. Glossario. Genebra: OMS.

Padilha, V. (2014). [Quality of work life in a setting of precarious-ness: a delusional panacea]. Trab Educ Saúde [Internet]. 7(3), 549-563. Recuperado em 23 Abril, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/tes/v7n3/09.pdf.

Paiva, K. C. M. (2013). Valores organizacionais e do trabalho: um estudo com jovens trabalhadores brasileiros. Tourism & Management Studies, 9 (2), 100-106.

Paz, M. G. T., Neiva, E. R., & Dessen, M. C. (2012). Bem-estar e felicidade nas organizações: Um só fenômeno? In: Ferreira, M. C. & Mendonça, H. (Orgs.). Saúde e bem-estar no trabalho: Dimensões individuais e culturais (pp. 105-130). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Podsakoff, N. (2014). Consequences of unit-level organizational citizenship behaviors: a review and recommendations for future research. Journal of Organizational Behavior, 35 (1), 87-119.

Porto, J. B. (2012). Análise fatorial confirmatória da escala de valores relativos ao trabalho. In: ENCONTRO DA ANPAD, 30. Salvador. Anais... Salvador: ANPAD.

Rocha, E.S., & Honório, L.C. (2015). Comprometimento com o trabalho: O caso dos chefes de seções de infraestrutura da UFMG. Revista Ciências Administrativas, 21(1), 237-261.

Rocha, M.S., & Paiva, K.C.M. (2016). Relações fronteiriças entre as dimensões do comprometimento organizacional: contribuições de um estudo com jovens trabalhadores. In: Anais... EnANPAD, Costa do Sauípe.

Ros, M. (2016). Psicologia social dos valores: uma perspectiva histórica. In: Ros, M.; Gouveia, V. V. (Org.). Psicologia social dos valores humanos. São Paulo: Senac, pp. 23-53.

Silva, L.P., Castro, M.A.R., Dos-Santos, M.G. & Neto, P.J.L. (2018). Comprometimento no trabalho e sua relação com a cultura organizacional mediada pela satisfação. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(3), 401-420.

Silva, R.S., Capelloza, A., & Costa, L.V. (2014). O impacto do suporte organizacional e do comprometimento afetivo sobre a rotatividade. Revista de Administração IMED, 4(3), 314-329.

Silva, C. A., & Ferreira, M. C. (2013). Dimensões e indicadores de qualidade de vida no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29 (3), 331-339.

Siqueira, M. M. M. (2015). Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 16 (6), 71-93.

Schwartz, S. H. (2005). Valores humanos básicos: seu contexto e estrutura intercultural. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. B. (Org.). Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis, RJ: Vozes, pp. 21-55.

Tamayo, A. (2006). Valores organizacionais. In: Tamayo, A., Borges-Andrade, J. & Codo, W. (Eds.). Trabalho, organizações e cultura, 175-193. São Paulo: Cooperativa de Autores Associados.

Teixeira, J. C., Nascimento, M. C. R., & Antonialli, L. M. (2013). Perfil de estudos em administração que utilizaram triangulação metodológica: uma análise dos anais do EnANPAD de 2007 a 2011. Revista de Administração, 48 (4), 800-812.

Tillmann, C., & Grzybovski, D. (2005). Sucessão de dirigentes na empresa familiar: estratégias observadas na família empresária. Organizações & Sociedade, 12 (32), 45-61.

Torres, C. V. (2005). Liderança e valores culturais: dois conceitos inter-relacionados? Em: Tamayo, A.; Porto, J. B. Valores e comportamentos nas organizações, pp. 187-200.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.