Desenvolvimento de habilidades para identificação dos sinais de Sepse pela equipe de enfermagem: revisão integrativa/ Development of skills to identify Sepsis signs by the nursing team: integrative review

Alaice Vieira Alves, Aldênia dos Santos Holanda Ferreira, Maria Rosimar Lopes de Santana, Maria Karoline Alves Lopes, Francisco Gerlai Lima Oliveira, Cíntia de Lima Garcia, Felipe Eufrosino de Alencar Rodrigues

Resumo


A sepse é uma resposta inflamatória sistêmica provocada por uma infecção que pode evoluir para sepse grave, quando é associada a uma disfunção orgânica ou ao choque séptico. Essa condição clínica está associada a uma elevada taxa de mortalidade entre pacientes em tratamento nas unidades de terapia intensiva e é causa significante de óbito. No Brasil estimam-se cerca de 670 mil casos por ano. Com base na gravidade dessa patologia o objetivo desse estudo foi analisar na literatura cientifica as habilidades necessárias para identificação dos sinais de sepse pela equipe de enfermagem. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada nas bibliotecas SCIELO e BVS, através da base de dados LILACS, por meio dos descritores “Sepse”, “Enfermagem” e “Saúde”. Os critérios de inclusão foram estudos publicados gratuitos com idioma português, publicados entre os últimos 10 anos e os critérios de exclusão foram os estudos pagos, publicados fora do período mencionado, os que não abordaram especificamente o tema e os estudos que se repetiram no decorrer da seleção. Evidenciou-se que a maioria dos estudos retratam sobre a grande proporção da sepse em termos de prevalência e custos hospitalares. Estes estudos focam bastante nas barreiras para o processo de identificação precoce e também relatam muito o papel do enfermeiro, conhecimento destes e as principais intervenções dessa categoria ao paciente com risco ou com diagnóstico confirmado desse agravo. Diante do cenário da sepse e dos problemas identificados, as habilidades necessárias a serem desenvolvidas pela equipe de enfermagem: melhora na percepção relacionada aos sinais e sintomas clínicos da sepse, melhora da adesão ao protocolo de sepse e principalmente o desenvolvimento do compromisso com a vida, considerando os mínimos sinais e agindo em tempo hábil no controle dessa afecção.


Palavras-chave


Sepse, Enfermagem, Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, L. C. P.; CAVALCANTI, A. B.; LISBOA, T.; PIZZOL, F. D.; MACHADO, F. R. A sepse é um grave problema de saúde na América Latina: uma chamada à ação! Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 402-404, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbti/v30n4/0103-507X-rbti-20180061.pdf. Acesso em: 17 mar. 2020.

BARRETO, M. F. C.; GOMES, D. M. S.; KERBAUY, G. C. M. C. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para análise de custo da hospitalização de pacientes. Rev Esc Enferm USP. São Paulo, v. 50, n. 2, p. 299-305, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n2/pt_0080-6234-reeusp-50-02-0302.pdf. Acesso em: 17 mar.2020.

GONÇALVES, L. S.; AMARO, M. L. M.; ROMERO, A. L. M.; SCHAMNEC, F. K.; FRESSATTO, J. L.; BEZERRA, C. W. Implantação de algoritmo de inteligência artificial para detecção da sepse. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 73, n. 3, p. 1-5, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v73n3/pt_0034-7167-reben-73-03-e20180421.pdf. Acesso em: 18 mar. 2020.

GOULART, L. S.; JÚNIOR, M. A. F.; SARTI, E. C. F. B.; SOUSA, A. F. L.; FERREIRA, A. M.; FROTA, O. P. Os enfermeiros estão atualizados para o manejo adequado do paciente com sepse? Esc Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, e20190013, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v23n4/pt_1414-8145-ean-23-04-e20190013.pdf. Acesso em: 11 nov. 2020.

ILAS, Instituto Latino Americano de Sepse. Implementação de protocolo gerenciado de sepse. Protocolo clínico. Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico. Revisado em: agosto de 2018. Disponível em: https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf.

Acesso em: 11 nov. 2020.

LEÃO, A. L. Fatores que interferem na identificação precoce frente a eventos de sepse e choque séptico. 2013. Monografia (Especialização em Assistência de Enfermagem de Média e Alta Complexidade) - Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem. Belo Horizonte, MG, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-9E9FBS. Acesso em: 11 nov. 2020.

LIMA, A. C. S. L.; PICANÇO, C. M. Intervenções de enfermagem no controle da sepse na unidade de terapia intensiva. 2016. Trabalho de conclusão de curso II. (Graduação em Enfermagem) - Centro Universitário Estácio da Bahia. 2016. Disponível em: https://www.forumsepse.com.br/2016/temaslivres/pdf/tl87.pdf. Acesso em: 11 nov. 2020.

OLIVEIRA, S. C.; CORRÊA, B. T.; DODDE, H. N.; PEREIRA, G. L.; AGUIAR, B. G. C. O enfermeiro na detecção dos sinais e sintomas que antecedem sepse em pacientes na enfermaria. J. res.: fundam. care. online, Rio de Janeiro, v. 11, n. 5, p. 1307-1311, 2019. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/7551/pdf_1#:~:text=Dentre%20as%20condutas%20que%20o,aus%C3%AAncia%20do%20m%C3%A9dico%20do%20setor. Acesso em: 22 mar. 2020.

PEDROSA, K. K. A.; OLIVEIRA, S. A.; MACHADO, R. C. Validação de protocolo assistencial ao paciente séptico na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 71, n. 3, p. 1106-1114, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v71n3/pt_0034-7167-reben-71-03-1106.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.

RUIZ, G. O.; CASTELL, C. D. Epidemiologia das infecções graves nas unidades de terapia intensiva Latino-Americanas. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 28, n. 3, p.1-3, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbti/v28n3/0103-507X-rbti-28-03-0261.pdf. Acesso em 25 mar. 2020.

SOUSA, L. M. M.; VIEIRA, C. M. A. M.; SEVERINO, S. S. P.; ANTUNES, A.V. A metodologia de revisão integrativa da literatura em enfermagem. Revista Investigação em Enfermagem, [s.l], n 21. 2ª série, p. 17-26, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/321319742_Metodologia_de_Revisao_Integrativa_da_Literatura_em_Enfermagem. Acesso em: 11 nov. 2020.

VIANA, R. A. P. P.; MACHADO, F. R.; SOUZA, J. L. A. Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. São Paulo: COREN-SP, 2017. Disponível em: https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/livro-sepse-um-problema-desaude-publica-coren-ilas.pdf. Acesso em: 27 mar. 2020.

WESTPHAL, G. A.; LINO, A. S. Rastreamento sistemático é a base do diagnóstico precoce da sepse grave e choque séptico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 97-101, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbti/v27n2/0103-507X-rbti-27-02-0096. Acesso em: 28 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-017

Apontamentos

  • Não há apontamentos.