O impacto da prática da automedicação no Brasil: Revisão Sistemática/ The impact of the practice of self-medication in Brazil: Systematic Review

Francisca das Chagas G. Ferreira, Graziela Gomes de Luna, Isabel Cristina M. Izel, Anne Cristine Gomes de Almeida

Resumo


INTRODUÇÃO: A automedicação exibe potencial de risco nas interações medicamentosas, reações adversas, toxicidade, provocando um diagnóstico incorreto ou tardio, devido ao fármaco mascarar a patologia, resultando em uma resistência ao micro-organismo ou não resolução no quadro clínico dos pacientes.OBJETIVO: Objetivo do estudo é verificar quais os medicamentos mais utilizados na automedicação e analisar quais os fatores que levam a automedicação.MÉTODOS: Os estudos foram pesquisados nas seguintes bases de dados: Scielo (Scientific Electronic Library Online), Pubmed (Biblioteca Nacional de Medicina), Lilacs (Literatura Latina – Americana e do Caribe em ciência da saúde), utilizando as palavras chaves da estratégia de busca para encontrar os artigos. RESULTADOS: Neste estudo a prevalência da automedicação foi vista no público feminino com 64%, com idade acima de 60 anos, seguida por pessoas casadas com 51,6%, com nível escolar fundamental completo 53,8%, possuindo renda de até três salários mínimos 46%. Os medicamentos analgésicos/ antitérmicos representaram 50% do uso, seguido por 35% de anti-inflamatórios não esteroidais, 4% antibacterianos de uso sistêmico e 4% dos medicamentos antigripais. Entre os fatores da automedicação os receituários antigos representam 13% das compras dos medicamentos, seguida por experiência anterior com o medicamento 12%, venda realizada no balcão da farmácia 12%, indicação da família 10% e entre outras causas.CONCLUSÕES: Observou-se que a prática da automedicação na população brasileira teve a influência dos seguintes fatores: prescrição de receituários antigos, experiência do uso do medicamento e recomendações dos balconistas. Medicamentos analgésicos/antitérmicos, antiinflamatórios AINES e antibacterianos de uso sistêmico são os mais utilizados.


Palavras-chave


“Automedicação e Medicamentos”, ‘‘Automedicação e Reações adversas’’, “Fatores e Automedicação’’ e “Farmacoterapia e Automedicação”.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Morreira et al. Uso de analgésicos e o risco da automedicação em amostra de população urbana: estudo transversal. Departamento de Saúde Pública, Batucatu, sp, Brasil, p. 1-8, 30 nov. 2019. Acesso em: 8 mar. 2021.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerência de Monitoramento e Fiscalização de Propaganda, de Publicidade, de Promoção e de Informação de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária - GPROP Projeto educação e promoção da saúde no contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o uso racional de medicamentos. Caderno do professor/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Anvisa, 2007. Acesso em: 08 Set. 2020.

DOMIGUES, Paulo Henrique et al. Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional*. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, – Faculdade de Medicina, Universidade de Brasília, ano 2016, p. 1-12, 24 nov. 2017. Acesso em: 10 fev. 2021.

GAMA, Abel; SECOLI, Silvia. Práticas de automedicação em comunidades ribeirinhas na Amazônia brasileira. Rev Bras Enferm, São Paulo, Brasil., ano 2019, p. 1-9, 17 dez. 2019. Acesso em: 10 mar. 2021.

GALATO, Dayani; MADALENA, Jaqueline; PEREIRA, Greicy. Automedicação em estudantes universitários: a influência da área de formação. Ciência & Saúde Coletiva, [s. l.], p. 1-8, 21 mar. 2012. Acesso em: 14 abr. 2021.

ICTQ, Instituto de ciência, tecnologia e qualidade. Automedicação: farmacêutico, a culpa não é sua, entenda por que. Instituto de ciência, tecnologia e qualidade, [s. l.], p. 1-1, 09 Jan. 2020. Disponível em: https://www.ictq. com.br/pesquisa-do-ictq/871-pesquisa-automed icacao-no-brasil-2018. Acesso em: 22 set. 2020.

ICTQ, Instituto de ciência, tecnologia e qualidade. PESQUISA – AUTOMEDICAÇÃO NO BRASIL (2018). Instituto de ciência, tecnologia e qualidade, [s. l.], p. 1-1, 2018. Disponível em: https://www.ictq.com.br/pesquisa-do-ictq/871-pes quisa-automedicacao-no-brasil-2018. Acesso em: 22 set. 2020.

MATOS, Fonseca et al. Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cadernos Saùde Coletiva, Ouro Preto (MG), Brasil., ano 2018, n. 1-8, p. 1-8, 2018. Acesso em: 11 mar. 2021.

MARTINEZ, José Eduardo et al. Estudo da automedicação para dor musculoesquelética entre estudantes dos cursos de enfermagem e medicina da Pontifícia Universidade Católica - São Paulo. REV BRAS REUMATOL, Sorocaba, SP, Brasil, ano 2013, p. 1-5, 26 ago. 2014. Acesso em: 4 fev. 2021.

Oliveira SB, Barroso SC, Bicalho MA, Reis AM. Perfil de medicamentos utilizados por automedicação por idosos atendidos em centro de referência. einstein (São Paulo). 2018;16(4):eAO4372. http://dx.doi.org/10.3174 4/einstein_journal/2018AO4372.

OLIVEIRA, Marcelo Antunes et al. Automedicação em idosos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência e fatores associados. ARTICLE, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, ano 2012, p. 1-7, 2012. Acesso em: 3 ago. 2021.

OMS. The role of the pharmacist in self – care and self- medication. Disponível em http s://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/65860/WHO_DAP_98.13.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20 Out. 2020.

PONS, Emilia et al. Fatores predisponentes para a prática da automedicação no Brasil: Resultados da Pesquisa Nacional de Acesso, Uso e Promoção do Uso Racional de Medicamentos (PNAUM). PLOS ONE, Porto Alegre, RioGrande do Sul, Brasil, ano 2017, p. 1-12, 8 dez. 2017. Acesso em: 10 mar. 2021.

SANTOS, Adriana Nancy Medeiros dos; NOGUEIRA, Dulcinéia Rebecca Cappelletti; BORJA-OLIVEIRA, Caroline Ribeiro de. Automedicação em participantes de uma Universidade Aberta à Terceira Idade e fatores associados. Rev. bras. geriatr. gerontol. , Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, pág. 419-427, agosto de 2018. Acesso em: 10 fev. 2021.

SILVA, Marília; SOARES, Maria; BAISCH, Ana Luiza. Automedicação em universitários da cidade de Rio Grande, Brasil. BMC Public Health, [s. l.], ano 2012, p. 1-7, 8 maio 2012. Acesso em: 13 abr. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-016

Apontamentos

  • Não há apontamentos.