Influence of DEM spatial resolution on the susceptibility mapping with SHALSTAB in the Rio Garcia hydrographic basin, municipality of Blumenau/SC / Influência de la resolución espacial del MDE en la cartografía de susceptibilidad con SHALSTAB en la cuenca hidrográfica del Río García, municipio de Blumenau/SC

Gisele Marilha Pereira Reginatto, Regiane Mara Sbroglia, Camilo Andrade Carreño, Bianca Rodrigues Schvartz, Pâmela Betiatto, Rafael Augusto dos Reis Higashi

Resumo


In translational landslide susceptibility analysis with SHALSTAB (Shallow Landsliding Stability Model), the resolution of the digital elevation model (DSM) is determinant for defining the type of mapping generated (preliminary or not). In this study, in order to verify the influence of the SDM scale on the SHALSTAB stability classes, susceptibility maps were prepared at two scales: 1:50,000 and 1:10,000. The study area was the Garcia River watershed, belonging to the municipality of Blumenau, Santa Catarina, affected by landslides in the 2008 catastrophe, which enabled the validation of the simulations with the scars mapped in the field. Thus, the influence of scale on the distribution of the model's stability classes and on its performance was verified. SHALSTAB performed better at the 1:10,000 scale, predicting 70% of the instabilities in a percentage of unstable area approximately three times smaller than at the 1,50,000 scale.


Palavras-chave


SHALSTAB, Translational Sliding, Digital Elevation Model

Texto completo:

PDF

Referências


Ahrendt, A. (2005). Movimentos de massa gravitacionais - proposta de um sistema de previsão: aplicação na área urbana de Campos do Jordão – SP. 390p. Tese (Doutorado em Engenharia) – Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos.

ASTM. Standard Test Method. Standard Test Method for direct shear test of soils under consolidated drained conditions. ASTM D3080. 2011.

Cristo, S.S.V. (2002). Análise de susceptibilidade a riscos naturais relacionados às enchentes e deslizamentos do setor Leste da Bacia Hidrográfica do Rio Itacorubi, Florianópolis – SC. Dissertação (mestrado em geografia). Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, 211p.

Davison, D.R. (1987). Aplicação de Pedologia e Geotecnia no Projeto de Fundações de Linhas de Transmissão. 309p. Tese (Doutorado em Engenharia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Davison, D.R. (1995). Proposta de Metodologia de Definição de Carta Geotécnica Básica em Regiões Tropicais e Subtropicais. In: Revista do Instituto Geológico. São Paulo, p.51-55.

Davison, D.R. (2001). Proposta de uma Metodologia de Estudos Geotécnicos para Impantação de Rodovias, Estradas Rurais e Vicinais em Solos Brasileiros. In: Anais da Reunião Anual de Pavimentação. Florianópolis.

Dias, M.A.F.S. (2009). As chuvas de novembro de 2008 em Santa Catarina: Um estudo de caso visando à melhoria do monitoramento e da previsão de eventos extremos. São José dos Campos: INPE, 67p.

Dietrich, W.E.; Montgomery, D.R. (1998). SHALSTAB: A Digital Terrain Model for Mapping Shallow Landslide Potential. National Council for Air and Stream Improvement, p.26.

Flores, J. A. A. (Coord.); Pellerin, J.R.G.M., Abreu, J.J., Tomazzoli, E.R., Silva, E., Gré, J.C.R., Higashi, R.A.R., Espíndola, M., Chaffe, P.L.B., Goerl, R.F., Destro, J.N., Sánchez, G.M., Sroglia, R.M. (2018). Elaboração de Cartas Geotécnicas de Aptidão à Urbanização Frente aos Desastres Naturais no Município de Blumenau, Estado de Santa Catarina. Relatório Final. UFSC, Florianópolis.

Gomes, R.A.T.; Guimarães, R.F.; Carvalho Júnior, O.A.; Fernandes, N.F. (2004). Análise da influência da escala cartográfica no resultado de um modelo de previsão de áreas críticas a deslizamentos. Ciência e Natura, UFSM, p.269-286.

Gomes, R.A.T. (2006). Modelagem de Previsão de Movimentos de Massa a Partir da Combinação de Modelos de Escorregamentos e Corridas de Massa. 180p. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Guimarães, R. F. Utilização de um Modelo de Previsão de Áreas Susceptíveis a Escorregamentos Rasos com Controle Topográfico: Adequação e Calibração em Duas Bacias de Drenagem. (2000). 150p. Tese (Doutorado em Geologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2003). Projeto Gerenciamento Costeiro GERCO – 3° Fase: Relatório Técnico. Rio de Janeiro.

Kobiyama, M.; Mendonça, M.; Moreno, D.A.; Marcelino, I.P.V.O.; Marcelino, E.V.; Gonçalves, E.F.; Brazetti, L.L.P.; Goerl, R.F.; Molleri, G.; Rudorff, F. (2006). Prevenção de desastres naturais: Conceitos básicos. Curitiba: Organic Trading, 109p.

Mendonça, M. B.; Pereira, G. I. M.; Marques, E. A. G. (1996). Diagnóstico e Proposta para Tratamento de Áreas de Risco Geotécnico: Um Trabalho Desenvolvido em Encostas Urbanas de Niterói, RJ. In: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, Rio de Janeiro (RJ), ), v. 2, p.439-449.

Montgomery, D. R.; Dietrich, W.E. (1994). A physically based model for the topographic control on shallow landsliding. Water Resource Research, v.30, n.4, p.1153-1171.

Ramos, V.M.; Guimarães, R.F.; Redivo, A.L.; Gomes, R.A.T.; Fernandes, N.F.; Carvalho Júnior, O.A. (2002). Aplicação do modelo SHALSTAB, em ambiente ArcView, para o mapeamento de áreas susceptíveis a escorregamento raso na região do Quadrilátero Ferrífero (MG). Espaço & Geografia, Brasília, v.5, n. 1, p.49-67.

Reginatto, G.M.P. (2013). Caracterização de movimentos de massa na bacia hidrográfica do Rio Cunha, Rio dos Cedros – SC, com ênfase em escorregamentos translacionais. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Florianópolis.

Remondo, J.; González, A.; Terán, J. R. D.; Cendrero, A.; Fabbri, A.; Chung, C. F. (2003).Validation of Landslide Susceptibility Maps; Examples and Applications from a Case Study in Northern Spain. Natural Hazards, v.30, n.3, p.437-449.

Santa Catarina. Secretaria de Estado da Defesa Civil. (2018). Relatório de 31 dez. Santa Catarina, SC: Secretaria de Estado da Defesa Civil; 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 abr.

Sbroglia, R. M. (2015). Mapeamento geotécnico e das áreas suscetíveis a deslizamentos na microbacia do Ribeirão Baú, Ilhota/SC. 2015. 187f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Sbroglia, R. M.; Porath, P. H. M.; Higashi, R. A. R.; Oliveira, F. H. (2017). Mapeamento de Áreas Suscetíveis a Deslizamentos Translacionais com o Uso da Ferramenta ASA - Automatic Shalstab Analysis. Anais da XII Conferência Brasileira sobre Estabilidade de Encostas - COBRAE. Florianópolis, ABMS, 2017, p.3878-3885.

Severo, D.L. (2009). A meteorologia do desastre. In: Frank, B.; Sevegnani, L. (orgs.). Desastre no vale do Itajaí. Água, gente e política. Blumenau: Agência de Água do Vale do Itajaí, 192p.

Tomazzoli, E. R.; Parizoto, D.G.V.; Abreu, J.; Pellerin, J. R.G.M. (2012). Análise e mapeamento das áreas de risco a movimentos de massa e inundações nos municípios de Gaspar, Ilhota e Luiz Alves (Complexo do Morro do Baú), SC. FAPESC - Convênio 16319/2010-8. UFSC, Florianópolis, 207p.

Tominaga, L.K. (2009). Escorregamentos. In: Tominaga, L.K.; Santoro, J.; Amaral, R. (Org) Desastres Naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, p.25-160.

Zuquette, L. (2004). Cartografia Geotécnica. São Paulo - SP: Oficina de Textos.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-014

Apontamentos

  • Não há apontamentos.