Intoxicação por medicamentos em crianças no ambiente doméstico: Revisão sistemática / Drug poisoning in children in the domestic environment: Systematic review

Danilo Queiroz de Moraes, Robson do Nascimento Muniz Júnior, Ligianete da Costa Ferreira, Marcelo Augusto Mota Brito

Resumo


INTRODUÇÃO: O Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), demonstrou que crianças de 1 a 4 anos compõem a população mais expostas à intoxicação, totalizando 130 mil casos, seguida da faixa etária de cinco a nove anos (32.668 registros) e de 10 a 14 anos (24.282) (SINITOX, 2018).  

OBJETIVO: Analisar os fatores associados à intoxicação por medicamentos em crianças no ambiente doméstico.

MÉTODOS: Realizou-se uma revisão sistemática organizada segundo os critérios do Prisma. Utilizando as bibliotecas virtuais Scielo (Scientific Electronic Library Online), Pubmed (Biblioteca Nacional de Medicina) e Lilacs (Literatura Latina – Americana e do Caribe em ciência da saúde) para a pesquisa das palavras chaves encontradas no DeSC, entre as publicações 1 de janeiro de 2010 a 31 dezembro 2020.

RESULTADOS: A faixa etária de 1-2 anos apresentou o maior índice de casos de intoxicação em crianças com 51,7% no qual os fatores mais relevantes foram o armazenamento inapropriado com   46,51% das razões que levaram as crianças a serem intoxicadas. Entre os medicamentos estão os antiepiléticos que representam 34,23% de intoxicação, seguido de antibióticos 23,47% e analgésicos e antiinflamatório 15,12%.

CONCLUSÕES: O armazenamento inapropriado foi a principal causa de intoxicação infantil neste estudo. Demonstrando que simples atitudes de prevenção como manter o medicamento fora do alcance da criança, em caixas com travas e armazenamento em armários alto ou chaveados, mudaria a estatísticas de casos de intoxicação no ambiente doméstico.


Palavras-chave


“Farmacocinética e Crianças”, “Crianças e Intoxicação”, “Toxicidade de Medicamentos e Crianças” e “Efeitos Fisiológicos dos Medicamentos e Crianças”.

Texto completo:

PDF

Referências


Gonçalves, C. A., Gonçalves, C. A., Dos Santos, V. A. dos S. A., Sarturi, L., & Terra Júnior, A. T. (2017). Intoxicação medicamentosa: relacionada ao uso indiscriminado de medicamentos. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 8(1), 135-143. https://doi.org/10.31072/rcf.v8i1.449. Acesso em: 19 fev. 2021.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Estudo aponta perfil de intoxicação medicamentosa por automedicação no Brasil. Brasil, 2020. Disponível em https://w ww.cff.org.br/noticia.php?id=5849#:~:text=Entre%20ºs%20anos%20de%202010,8%25 %20 do%20total%20das%20ºcorr%C3% AA ncias Acesso em: 15 out. 2020.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES TÓXICO- FARMACOLÓGICOS. No Brasil, 37 crianças e adolescentes são vítimas de intoxicação ou envenenamento todos os dias, alerta SBP – 2018. Disponível em https://sinitox.icict.fiocruz.br/no-brasil-37-cria n%C3%A7as-e-adolescentes-s%C 3%A3o-v%C3%ADtimas-de-intoxica%C3%A7%C3% A3o-ou-envenenamento-to dos-osdias #:~:te xt=ESTAT%C3%8DSTICAS%20%E2%80%93%20Os%20n%C3%BAmeros%20mostram% 20que,acometeram%20crian%C3%A7as%20nessa%20faixa%20et%C3%A1ria. Acesso em: 16 de out. 2020.

TELLES FILHO, Paulo Celso Prado; PEREIRA JUNIOR, Assis do Carmo. Automedicação em crianças de zero a cinco anos: fármacos administrados, conhecimentos, motivos e justificativas. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 291-297, June 2013. Acesso em 19 Fev. 2021.

BATCHELORE, Hannah Katharine; MARRIOTT, John Francis. Farmacocinética pediátrica: principais considerações. Br J Clin Pharmacol., [s. l.], p. 1-1, 20 fev. 2015. Acesso em: 5 abr. 2021.

AFONSO, Alda. FARMÁCIA CLÍNICA EM PEDIATRIA. 1-102. - FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA: UNIVERSIDADE DO ALGARVE, 2013. Disponível em: https://sapient ia.ualg.pt/bitstr eam/10400.1/3546/1/Farmacologia%20Cl%C3%ADnica%20em%20Pediatria_22944.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

ANKER, John van den; REED, Michael D. Reed; ALLEGAERT, Karel; GREGORY L. KEARNS, Gregory L. Mudanças de desenvolvimento em farmacocinética e farmacodinâmica. O jornal de Farmacologia Clínica, [s. l.], p. 10-22, 24 set. 2018. Acesso em: 19 abr. 2021.

JONAS L. BRIDGETTE. Farmacocinética em crianças. Manual MSD, 2018. Disponível em https://www.msdmanuals.com/pt/profissional/ pediatria/princ%C3%ADpios-do-tratamento-m edicamentoso-em-crian%C3%A7as/farmaco cin%C3%A9tica-em-crian%C3%A7as.Acesso em: 15 nov. 2020.

CELLA, Massimo et al. Qual é a dose certa para crianças?. Br J Clin Pharmacol., [s. l.], p. 1-1, 1 out. 2010. Acesso em: 7 jan. 2021.

O'HARA, Kate. Farmacocinética pediátrica e doses de medicamentos. Aust Prescr., [s. l.], p. 1-1, 5 dez. 2016 Acesso em: 11 jan. 2021.

WU, Qier; PETERS, Sheila Annie. Uma avaliação retrospectiva de Alometria, População Farmacocinética, e fisiologicamente-Based Farmacocinética para Pediátrico de dosagem utilizando Apuramento como um substituto. CPT Pharmacometrics Syst Pharmacol, [s. l.], p. 1-1, 26 fev. 2019. Acesso em: 13 jan. 2021.

RAHMAN, Susan Abdel et al. Resumo do NICHD-BPCA Pediátrico Formulação Iniciativas Workshop-Grupo de Trabalho do Sistema de Classificação Biofarmacêutica Pediátrica (PBCS). Clin Ther., [s. l.], p. 1-1, 1 nov. 2013. Acesso em: 17 jan. 2021.

MAIOR, Marta da Cunha Lobo Souto; OSORIO-DE-CASTRO, Claudia Garcia Serpa; ANDRADE, Carla Lourenço Tavares de. Internações por intoxicações medicamentosas em crianças menores de cinco anos no Brasil, 2003-2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 26, n. 4, p. 771-782, Dec. 2017. Acesso em: 21 jan. 2021.

VILACA, Luciana; VOLPE, Fernando Madalena; LADEIRA, Roberto Marini. INTOXICAÇÕES EXÓGENAS ACIDENTAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UM SERVIÇO DE TOXICOLOGIA DE REFERÊNCIA DE UM HOSPITAL DE EMERGÊNCIA BRASILEIRO. Rev. paul. pediatr., São Paulo , v. 38, e2018096, 2019 . Acesso em: 2 fev. 2021.

ALGHADEER, Sultan et al. Os padrões de casos de envenenamento por crianças em um hospital universitário comunitário em Riade, Arábia Saudita. Saudi Pharm J., [s. l.], p. 1-1, 10 out. 2018.Acesso em: 5 fev. 2021.

DISFANI, Hamideh Feiz et al. Fatores de risco que contribuem para a incidência e mortalidade de envenenamento infantil agudo em pacientes do departamento de emergência no Irã: um estudo caso-controle baseado em hospital. Epidemiol Health, [s. l.], p. 1-1, 23 abr. 2019. Acesso em: 16 fev. 2021.

SANTOS, Delba Fonseca et al. Armazenamento inseguro de medicamentos domésticos: resultados de um estudo transversal com crianças de quatro anos da coorte de nascimentos de Pelotas, 2004 (Brasil). BMC Pediatr., [s. l.], p. 1-1, 12 jul. 2019. Acesso em: 21 fev. 2021.

Dayasiri MBKC, Jayamanne SF, Jayasinghe CY. Fatores de risco para envenenamento agudo não intencional entre crianças de 1 a 5 anos na comunidade rural do Sri Lanka. Int J Pediatr., [s. l.], p. 1-1, 8 ago. 2017.Acesso em: 25 fev. 2021.

RAMOS, Carla Luiza Job et al. Fatores de risco que contribuem para o envenenamento pediátrico. Jornal de Pediatria, [s. l.], p. 1-1, 3 ago. 2010. Acesso em: 1 mar. 2021.

ALZAHRANI, Sami H. et al. Envenenamento por drogas e fatores associados no oeste da Arábia Saudita: um estudo retrospectiva de cinco anos (2011-2016). Pak J Med Sci., [S. l.], p. 1-1, 5 fora. 2018. Acesso em: 8 fev. 2021.

ALANAZI, Menyfah Q. et al. Indicadores de desempenho de hospitais e seus fatores associados ao envenenamento agudo de crianças em um único centro de envenenamento, região central da Arábia Saudita. Medicina (Baltimore), [s. l.], p. 1-1, 31 de dezembro de 2015. Acesso em: 11 de fevereiro de 2021.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.