Avaliação do consumo de estimulantes cerebrais entre os acadêmicos do Curso de Medicina de um Centro Universitário no interior de Minas Gerais / Evaluation of brain stimulant consumption among medical students at a University Center in the interior of Minas Gerais

Letícia Ribeiro Muniz, Karine Cristine de Almeida

Resumo


INTRODUÇÃO: é indubitável que a formação em Medicina é extremamente árdua, sendo que frequentemente, os estudantes necessitam alcançar os seus limites para superar os desafios impostos durante o curso. Assim, grande parte dos acadêmicos busca meios de adaptação que resulta em práticas que podem gerar riscos à saúde, sendo um deles, o consumo de estimulantes cerebrais. OBJETIVOS: o presente estudo tem como objetivo fundamental avaliar a prevalência do uso de estimulantes cerebrais entre os acadêmicos do curso de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM). MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa de campo descritiva do tipo transversal, com abordagem quantitativa e qualitativa. Foi utilizado, via Google Forms um questionário padronizado, de autopreenchimento, com questões objetivas demográficas e comportamentais sobre o uso de estimulantes. RESULTADO: a prevalência de uso de substâncias estimulantes na vida foi de (77,5%), com maior consumo no sexo feminino 83,33% enquanto no sexo masculino foi (62,5%). Em relação ao período do curso que se encontrava cursando durante a pesquisa, foi evidenciado que foi maior na graduação final do curso (81,03%) melhorar raciocínio, atenção e/ou memória, com idade média de 23,65 e desvio padrão de 3,957. A substância mais utilizada foi o álcool 67 (72,8%). A segunda substância mais consumida foi a cafeína 65 (70,7%), sendo 22 (73,33%) utilizavam no intuito de melhorar o poder de concentração e 26 (86,66%) para melhorar o desempenho acadêmico. CONCLUSÃO: Houve uma grande prevalência do consumo de estimulantes cerebrais entre os estudantes de medicina, sendo que o principal objetivo foi para melhorar o desempenho cognitivo. No entanto, tais substâncias são potencialmente prejudiciais à saúde, com danos expressivos no intelecto individual, nesse coibir ou reduzir o seu consumo na comunidade acadêmica é uma tarefa que deveria ser mais difundida.


Palavras-chave


Estimulantes do Sistema Nervoso Central, Estudantes de Medicina, Saúde Mental.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, S. et al. Ritalina, uma droga que ameaça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília v. 7, n. 1, 2018

BATISTELA, S. et al. Methylphenidate as a cognitive enhancer in healthy young people. Dement. neuropsychol., São Paulo, v. 10, n. 2, p. 134-142, Jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 Set. 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Prescrição e consumo de metilfenidato no Brasil: identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário. Boletim de Farmacoepidemiologia, v. 2, n.2, p. 1-14, 2012. Disponível em: . Acesso em 08 set. 2019

CÂNDIDO, R. C. F. et al. Prevalência e fatores associados ao uso de metilfenidato para neuroaprimoramento farmacológico entre estudantes universitários. Einstein. São Paulo, v. 18, n. 1, p. 1–7, 2020.

CORDEIRO, N. et al. Consumo de Estimulantes Cerebrais em Acadêmicos da Área da Saúde na Cidade de Ponta Grossa-PR. Visão Acadêmica, v. 18, n. 2, 2017.

FALLAH, G. et al. Stimulant use in medical students and residents requires more careful attention. Caspian J Intern Med, v. 9 n.1, p. 87-91. 2018

FERNANDES, T. F. et al. Uso de substâncias psicoativas entre universitários brasileiros: perfil epidemiológico, contextos de uso e limitações metodológicas dos estudos. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro , v. 25, n. 4, p. 498-507, Dez. 2017. Available from . Acesso em 12 Set. 2019.

FOND, G. et al. (Mis)use of Prescribed Stimulants in the Medical Student Community: Motives and Behaviors: A Population-Based Cross-Sectional Study. Medicine, [S.l], v. 95, n.16, abr. 2016.

HUERTAS, F. et al. A ingestão de cafeína modula o funcionamento das redes de atenção, dependendo dos hábitos de consumo e das demandas agudas de exercício. Relatórios científicos, v. 9, n.1, p. 100-143, jul. 2019.

LIMA, L. M. R. et al. Uso de drogas por universitários de cursos exclusivamente noturnos. Rev. Nufen, Belém, v. 7, n. 2, p. 99-136, dez. 2015. Disponível em . Acesso em: 12 set. 2019.

LIMA, R. L. et al. Estresse do Estudante de Medicina e Rendimento Acadêmico. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 40, n. 4, p. 678-684, Dec. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 Set. 2019.

MAJORI, S. et al. Brain doping: stimulants use and misuse among a sample of Italian college students. Journal of preventive medicine and hygiene, [S.l], v. 58, n.2, p. 130-140, jun. 2017.

MEDEIROS, J. M.; BARBOSA, A. G. Uso não prescrito de cloridrato de metilfenidato entre estudantes universitários. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, [S.l.], v. 2, ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2019.

MONTEIRO, B. M. M. et al. Metilfenidato e melhoramento cognitivo em universitários: um estudo de revisão sistemática. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog., Ribeirão Preto, v. 13, n. 4, p. 232-242, dez. 2017. Disponível em . Acesso em: 10 out. 2019.

MORGAN, H. L. et al. Consumo de Estimulantes Cerebrais por Estudantes de Medicina de uma Universidade do Extremo Sul do Brasil: Prevalência, Motivação e Efeitos Percebidos. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 41, n. 1, p. 102-109, Jan. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 Set. 2019.

ROBYN, E. M. et al. Cognitive Enhancement Drug Use Among Future Physicians: Findings from a Multi-Institutional Census of Medical Students. J GenInternMed. v.28, n. 2 p.1028-1034. 2010

ROCHA, B. Avaliação da frequência do uso do metilfenidato por estudantes de ensino superior. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Farmácia) Universidade de Santa Cruz do Sul-UNISC, Santa Cruz do Sul, 2016. Disponível em: < http://hdl.handle.net/11624/1429>. Acesso em: 24/07/217.

SCHELLE, K. J. et al. A survey of substance use for cognitive enhancement by university students in the Netherlands. Frontiers in systems neuroscience, v. 9, n.10, Fev. 2015.

SILVEIRA, V. I. et al. Uso de psicoestimulantes por acadêmicos de medicina de uma universidade do Sul de Minas Gerais. Ver. Univ, Vale Rio Verde, v. 13, n. 2, p.186-192. 2015

SINGH, I., BARD, I. The Smart Drugs Study. London School of Economics and Political Science, dez 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 Set. 2019.

WHITEHURST, L. N. et al. O impacto dos psicoestimulantes na atenção sustentada por um período de 24 horas. Cognition, [Riverside], v. 193, p. 104-115, dez. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.