Análise de variância e testes de médias: um estudo aplicado em experimentos com variedades de algodoeiro e seleções de citrumelo / Analysis of variance and means tests: a study applied in experiments with cotton varieties and citrumelo selections

Lyvia Gonzalez Pagotto, Josiane Rodrigues, Francisco Humberto Henrique, Jorgino Pompeu Junior, Silvia Blumer

Resumo


Um problema muito comum em experimentos agrícolas é a comparação de alguns tratamentos de interesse, de forma a determinar qual(is) o(s) melhor(es) tratamento(s), dentro dos objetivos da pesquisa. A maneira mais comum para tratar esse problema é por meio da análise de variância (ANOVA) dos dados do experimento, procedimento este responsável por decompor a variação total dos dados do ensaio dentre todas as fontes previstas de variação. O teste F global da ANOVA testa a hipótese nula de igualdade entre as médias populacionais dos tratamentos comparados, a qual também é chamada de hipótese de homogeneidade. Caso o teste F seja significativo, então rejeita-se a hipótese de homogeneidade e faz-se a aplicação de testes de comparação de médias, com o objetivo de investigar quais delas diferem entre si. Entretanto, um dos dilemas envolvidos com os testes de médias é justamente a sua aplicação apenas mediante um resultado significativo do teste F na ANOVA. Enquanto alguns pesquisadores defendem essa prática, outros acreditam que o teste de médias deve ser aplicado qualquer que seja o resultado do teste F. Nesse contexto, por meio da análise de um conjunto de dados referente ao peso de capulho de variedades de algodoeiro e da análise de um conjunto de dados referente à eficiência produtiva de seleções de citrumelo, foi confrontado o resultado do teste F global e os resultados dos seguintes procedimentos de comparação de médias de tratamentos, comumente aplicados na área agrícola: teste de Tukey e teste de Duncan. A partir da análise foi possível concluir que nem sempre há concordância entre o resultado do teste F e os resultados dos testes de médias. Para a variável peso de capulho das variedades de algodoeiro, enquanto o teste da ANOVA apresentou resultado não significativo, ao nível de significância de 5%, o teste de Duncan acusou diferenças entre as médias comparadas, ao mesmo nível de probabilidade. Já para a variável eficiência produtiva de citrumelos, enquanto o teste F global apresentou resultado significativo, ao nível de 5%, o teste de Tukey não acusou diferenças entre as médias comparadas, ao mesmo nível de significância.

 

 


Palavras-chave


teste F global, Tukey, Duncan, algodoeiro, citrumelo.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLDO, J. G.; COIMBRA, J. L. M.; GUIDOLIN, A. F.; MANTOVANI, A.; VALE, N. M. do. 2008. Problemas relacionados com o uso de testes de comparação de médias em artigos científicos. Revista Biotemas, Florianópolis, v.21, n.2, p.145-153. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2008v21n2p145

BERTOLDO, J. G.; COIMBRA, J. L. M.; GUIDOLIN, A. F.; MIQUELOTO, A.; TOALDO, D. 2008. Uso ou abuso em testes de comparações de média: conhecimento científico ou empírico? Ciência Rural, Santa Maria, v.38, n.4, p.1145-1148. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782008000400039.

BEZERRA NETO, F.; NUNES, G. H. S.; NEGREIROS, M. Z. de. 2002. Avaliação de procedimentos de comparações múltiplas em trabalhos publicados na revista Horticultura Brasileira de 1983 a 2000. Horticultura Brasileira, Brasília, v.20, n.1, p.5-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362002000100001.

BRIDGES, G. D.; YOUTSEY, C. O. 1968. Further studies of the bud-union abnormality of rough lemon rootstocks with sweet orange scions. In: Conference of the International Organization of Citrus Virologists, 4., 1966, Catania. Proceedings. Gainesville: International Organization of Citrus Virologists, p. 236-239. Disponível em https://escholarship.org/uc/item/8fm031h5.

CARDELLINO, R. A.; SIEWERDT, F. 1992. Utilização correta e incorreta dos testes de comparação de médias. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v.21, n.6, p.985-995.

GIRARDI, L. H.; CARGNELUTTI FILHO, A.; STORCK, L. 2009. Erro tipo I e poder de cinco testes de comparação múltipla de médias. Revista Brasileira de Biometria, São Paulo, v.27, n.1, p.23-36. Disponível em:

http://jaguar.fcav.unesp.br/RME/fasciculos/v27/v27_n1/A2_Alberto.pdf

HOCHBERG, Y.; TAMHANE, A. C. 1987. Multiple comparisons procedures, New York: John Wiley & Sons. 450p.

HSU, J. C. 1996. Multiple Comparisons: theory and methods, Great Britain: Chapman & Hall. 277p.

NOGUEIRA, M. C. S. 2007. Experimentação Agronômica I – conceitos, planejamentos e análise estatística, Piracicaba: ESALQ. 479p.

PETERSEN, G. R. 1977. Use and misuse of multiple comparison procedures. Agronomy Journal, Madison, v.69, n.2, p.205-208.

R CORE TEAM (2020). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.R-project.org/.

RODRIGUES, J; PIEDADE, S. M. S.; LARA, I. A. R. 2016. Aplicação condicional de testes de comparação de médias a um resultado significativo do teste F global na análise de variância. Revista Brasileira de Biometria, v.34, p01–22. Disponível em: http://www.biometria.ufla.br/index.php/BBJ/article/view/98

SANTOS, J. W. dos; MOREIRA, J. A. N.; BELTRÃO, N. E. de M. 1998. Avaliação do emprego dos testes de comparação de médias na revista Pesquisa Agropecuária Brasileira (PAB) de 1980 a 1994. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.33, n.3, p.225-230. Disponível em: https://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/4856

SOUZA, C. A.; LIRA JUNIOR, M. A.; FERREIRA, R. L. C. 2012. Avaliação de testes estatísticos de comparações múltiplas de médias. Revista Ceres, Viçosa, v.59, n.3, p.350–354. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-737X2012000300008.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n3-001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.