Uma análise teórica sobre o fator cultural e o assédio moral nas organizações perante o mercado de trabalho do público LGBT/ A theoretical analysis of the cultural factor and bullying in organizations in the face of the labor market of the LGBT public

Elizangela Lucas de Ávila, Luana Luyza da Mata Martins, Júlio Afonso Alves Dutra

Resumo


Hoje em dia, há cada vez mais discussões sobre os conceitos de gênero, sexo e diversidade, e isso é necessário. Ainda hoje, algumas pessoas ainda não aceitam o ponto de vista deste tema, e acreditam que qualquer comportamento que se desvie do modelo de gênero concebido pelo comportamento social definido fora do "modelo tradicional" é considerado um comportamento impróprio, ou mesmo um comportamento anormal. Tendo em vista a Constituição Federal Brasileira, em seu artigo 5º, todos são iguais perante a lei, sem distinção de natureza, e gozam da vida, da liberdade, da igualdade, da segurança e dos direitos de propriedade. Além de entrar no mercado, a população LGBT já está na frente da sociedade. Porém, para essas pessoas, inclusive os profissionais, o preconceito ainda é uma realidade. Os esforços e ações internas da empresa contra certas minorias sociais são relativamente comuns, mas vale a pena investigar se a diversidade de gênero é considerada da mesma forma, com uma revisão bibliográfica de tópicos como a dimensão humana da comunicação organizacional, diversidade e orientação sexual. O direito adotado pela sociedade é diferente do direito prescrito pela lei, pois a situação real é bastante diferente da situação estipulada pela teoria e pela legislação, sendo que, na maioria das vezes, esses direitos descritos na constituição estão nas mãos de pessoas que violam as barreiras do senso comum impostas pela sociedade. Envolve discussões sobre gênero, sexo e diversidade, e a mídia deve ser uma instituição importante na luta contra essa intolerância.


Palavras-chave


Gênero, Sexualidade, Diversidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIGUETO, Sergio Antônio. Gênero e diversidade sexual, violência contra as mulheres e homofobia na educação escolar. Uberlândia: Autores, 2016.

ARAÚJO JÚNIOR, Vital Borba de. Assédio moral no trabalho: da responsabilidade do empregador – perguntas e respostas. São Paulo: LTr, 2010.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 20 jul. 2020.

CASTRO, M. M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

DARCANCHY, Mara Vidigal. Assédio moral no meio ambiente do trabalho. Justiça do Trabalho: revista de jurisprudência trabalhista do Rio Grande do Sul, v. 42, n. 298, p. 24–33, out., 2015. Disponível em: http://biblioteca2.senado.gov.br:8991/F/?func=item-global&doc_library=SEN01&doc_number=000749709. Acesso em 24 jun. 2019.

FARINHA, Corina Alves. Um olhar sobre a inclusão da diversidade sexual nas organizações. Perspectivas em Políticas Públicas, Belo Horizonte, v. X, n. 20, p. 211-240. jul/dez 2017. Disponível em: https://revista.uemg.br/index.php/revistappp/article/view/2876/1592. Acesso em 17 ago. 2020.

FERREIRA, R. C. O gay no ambiente de trabalho: análise dos efeitos de ser gay nas organizações contemporâneas. Dissertação de Mestrado. Brasília: FACE, 2007.

FREITAS, Maria Ester de. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 2. p. 8-19. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rae/v41n2/v41n2a02.pdf. Acesso em 17 ago. 2020.

GROSSI, Miriam Pillar; UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz. Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2

HIRIGOYEN M. F. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2019.

HOUAISS. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Disponível em https://houaiss.uol.com.br/corporativo/apps/uol_www/v5-4/html/index.php#0 . Acesso em 17 jul. 2020.

INSTITUTO ETHOS. O compromisso das empresas com os direitos humanos LGBT: orientações para o mundo empresarial em ações voltadas a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. São Paulo: Instituto Ethos, 2013. Disponível em: http://www3.ethos.org.br/wp-content/uploads/2013/12/ Manual-LGBT_Dez_2013.pdf>. Acesso em 24 jun. 2019.

LEMOS, Carolina Teles. Religião, gênero e sexualidade: o lugar da mulher na família camponesa. Goiânia: Editora da UCG, 2018.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2017.

MEYER, Dagmar; SOARES, Rosângela de Fátima Rodrigues. Corpo, gênero e sexualidade. São Paulo: Mediação, 2019.

NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. Por que a educação deve discutir gênero e sexualidade? Listamos 7 razões. 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2020.

OBSERVATÓRIO DE SEXUALIDADE E POLÍTICA Princípios de Yogyakarta: princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/ gays/principios_de_yogyakarta.pdf. Acesso em 11 ago. 2019.

OLIVEIRA, Euler Sinoir. Assédio moral: sujeitos, danos à saúde e legislação. Revista de Direito do Trabalho, São Paulo, v. 30, n.114, p. 61. abr-jun.2014.

OLIVEIRA, G. A.; MAIO, E. R. Questões de gênero no contexto empresarial. In: MAIO, Eliane Rose; CORREA, Crishna Mirella de Andrade. Gênero, direitos e diversidade sexual: trajetórias escolares. Maringá: EDUEM, 2018.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT. Convenção Nº 111: discriminação em matéria de emprego e ocupação. Disponível em http://www.oit.org.br/node/472. Acesso em: 05 nov. 2019.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAMOS, H. B. Assédio moral nas relações de trabalho. Campinas: Editora Russell, 2018.

TORRES, Marco Antônio. Cadernos da diversidade: a diversidade sexual na educação e os direitos de cidadania LGBT na escola. 2. ed. São Paulo: Autêntica, 2018.

UNITED NATIONS HUMAN RIGHTS - UNAIDS BRASIL. Nascidos livres e iguais. Orientação Sexual e Identidade de Gênero no Regime Internacional de Direitos Humanos. Brasília, 2013. Disponível em: http://www.ohchr.org/Documents/Publications/ BornFreeAndEqualLowRes_Portuguese.pdf. .Acesso em: 24 jun. 2019.

VILELA, Maria Helena. Sexo, identidade de gênero e orientação sexual: quais as diferenças? 2019. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n1-033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.