Aspectos do tratamento da insônia na Atenção Básica / Aspects of insomnia treatment in Primary Care

Francisca Vitória Pereira de Souza, Miguel Aguila Toledo, Milena Nunes Alves de Sousa

Resumo


A insônia é um problema comumente relatado nas unidades de Atenção Primária à Saúde (APS), sendo descrita como uma insatisfação com o sono que deve estar acompanhada de sofrimento e/ou prejuízos funcionais importantes. Seu manejo terapêutico frequentemente utiliza benzodiazepínicos, a despeito dos riscos descritos e recomendações de que seu uso deve ser limitado a um curto período de tempo. Objetivou-se identificar recomendações consistentes para a abordagem da insônia na APS e esclarecer demandas quanto ao uso de benzodiazepínicos nesse contexto. Trata-se de uma revisão integrativa, utilizando os descritores “Distúrbios do Início e da Manutenção do Sono”, “Hipnóticos e Sedativos”, “Atenção Primária à Saúde” e suas associações em português e em inglês, nas bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e PubMed. Os critérios de inclusão foram artigos publicados na língua inglesa ou portuguesa, texto completo e congruência com a pergunta norteadora. Foram excluídos estudos repetidos nas bases de dados selecionadas. Foram analisadas 10 publicações. Os resultados mostram que a abordagem não farmacológica deve ser a escolha inicial. O uso de benzodiazepínicos, quando necessário, deve ser restrito a um curto espaço de tempo e levar em consideração outros fatores, como a presença de comorbidades. A utilização prolongada da referida classe de medicamentos associa-se a prejuízos na qualidade de vida dos pacientes. Compreende-se a relevância do manejo adequado da insônia na APS, sendo necessário capacitar os profissionais e fortalecer a importância da abordagem holística no cuidado dos pacientes.


Palavras-chave


Distúrbios do Início e da Manutenção do Sono, Atenção Primária à Saúde, Hipnóticos e Sedativos.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM-5. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. 992 p.

BACELAR, A.; PINTO JUNIOR, L.R.P. (coord.). Insônia: do diagnóstico ao tratamento. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2019; 174 p.

BOTELHO, L.L.R.; CUNHA, C.C.A.; MACEDO, M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade, v. 5, n.11, p. 121-136, 2011. Disponível em: https://www.gestaoesociedade.org/gestaoesociedade/article/view/1220/906. Acesso em 20 set. 2020.

CARVALHO, M.R.F.; GOLZIO, A.M.A.O.; RODRIGUES, E.T. Intervenções no uso prolongado de benzodiazepínicos: uma revisão. Revista Saúde & Ciência online, v. 5, n. 2, p. 55-64, 2016. Disponível em: https://rsc.revistas.ufcg.edu.br/index.php/rsc/article/view/217/213. Acesso em 30 out. 2020.

CHEUNG, J.M.Y. et al. Primary health care practitioner perspectives on the management of insomnia: a pilot study. Australian Journal of Primary Health, v. 20, n. 1, p. 103-112, 2014. Disponível em: https://www.publish.csiro.au/py/pdf/PY12021. Acesso em 20 set. 2020.

DOGHRAMJI, P.P. Integrating Modern Concepts of Insomnia and Its Contemporary Treatment Into Primary Care. Postgraduate Medicine, v. 126, n. 5, p. 82-101, 2014.

FALLOON K. et al. The assessment and management of insomnia in primary care. BMJ, 342:d2899, p. 1-7, 2011.

HAJAK, G.; GEISLER, P. Experience with zolpidem 'as needed' in primary care settings. CNS Drugs, v. 18, suppl 1, p. 35-40, 2004.

JOHNSON, C.F. et al. Benzodiazepine and z-hypnotic prescribing for older people in primary care: a cross-sectional population-based study. British Journal of General Practice, v. 66, n. 647, p. e410-e415, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4871306/pdf/bjgpjun-2016-66-647-e410.pdf. Acesso em 20 set. 2020.

KAGEYAMA, T. et al. Prevalence of use of medically prescribed hypnotics among adult Japanese women in urban residential areas. Psychiatry and Clinical Neurosciences,v. 52, n. 1, p. 69-74, 1998.

LADER, M. Benzodiazepines revisited--will we ever learn?. Addiction (Abingdon, England), v. 106, n. 12, p. 2086-2109, 2011.

LIMANDRI, B.J. Insomnia: Will Medication Bring Rest?. Journal of Psychosocial Nursing and Mental Health Services, v. 56, n. 7, p. 9-14, 2018.

LINNET K. et al. Multimorbidity and use of hypnotic and anxiolytic drugs: cross-sectional and follow-up study in primary healthcare in Iceland. BMC Family Practice, v. 17, n. 69, p. 1-10, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4896036/pdf/12875_2016_Article_469.pdf. Acesso em 20 set. 2020.

NASCIMENTO J.K.A.; SANTOS, E.C. Terapias alternativas ao uso de benzodiazepínicos no tratamento da insônia: uma revisão integrativa. In: PEREIRA, T.T. (org.); CASTRO, L.H.A. (org.). Ciências da saúde: avanços recentes e necessidades sociais 2. Ponta Grossa: Atena, 2020. p. 187-197.

RIBEIRO, N. F. Tratamento da Insônia em Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 11, n. 38, p. 1-14, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1271. Acesso em 30 out. 2020.

SIMON, G.E.; LUDMAN, E.J. Outcome of new benzodiazepine prescriptions to older adults in primary care. General Hospital Psychiatry, v. 28, n. 5, p. 374-378, 2006. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2262838/pdf/nihms40998.pdf. Acesso em 20 set. 2020.

WANNMACHER, L. Como manejar a insônia em idosos: riscos e benefícios. Uso racional de medicamentos: temas selecionados, V. 4, n. 5, p. 1-6, 2007. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=511-como-manejar-a-insonia-em-idosos-v-4-n-5-2006-1&category_slug=uso-racional-medicamentos-685&Itemid=965. Acesso em 30 out. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n1-023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.