O consumo de “A Favorita” e “Passione” na fronteira Paraguai-Brasil e o estigma do Paraguai como o local de fuga dos vilões da ficção televisiva brasileira / The consumption of A Favorita and Passione on the Paraguay-Brazil border and the stigma of Paraguay as the escape place for the villains of Brazilian television fiction

Roberta Brandalise

Resumo


Pesquisamos a participação da telenovela brasileira na construção de representações sociais e na articulação de identidades culturais na fronteira Brasil-Paraguai (Foz do Iguaçu – Ciudad del Este). Os modelos teórico-metodológicos adotados para desenvolver esse estudo de caso foram os dos usos sociais dos meios de comunicação e do consumo cultural, desenvolvidos na América Latina por pesquisadores como Jesus Martín-Barbero e Néstor Garcia Canclini; a abordagem do Centro de Estudos de Telenovela (CETVN/ECA/USP) sobre as relações entre ficção e realidade no campo da Comunicação e colaborações convergentes da Antropologia Cultural. Nossa estratégia metodológica contemplou a análise discursiva das narrativas, entrevistas semi-estruturadas, entrevistadas abertas mediadas pela reapresentação de cenas das telenovelas e observação participante. Em campo, trabalhamos com uma amostra formada por dezoito fronteiriços que consomem a televisão brasileira. Contatamos que o consumo comum da telenovela gera sociabilidade entre paraguaios e brasileiros, é pauta de diálogos no cotidiano e participa da memória coletiva dos fronteiriços. Entretanto, quando a telenovela constrói sua narrativa utilizando estereótipos negativos sobre os paraguaios, o Paraguai ou a fronteira Brasil-Paraguai, ela participa do jogo identitário, preponderantemente, não colaborando para o reforço da identidade nacional paraguaia nem da identidade regional fronteiriça.


Palavras-chave


Televisão, ficção, Paraguai, Brasil, fronteira, identidades culturais.

Texto completo:

PDF

Referências


CANCLINI, N. G. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2010.

COLLIER JR, J. Antropologia Visual: a fotografia como técnica de pesquisa antropológica. São Paulo: EPU/EDUSP, 1973.

GEERTZ, C. Uma nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

HAGUETE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. Petrópolis: Vozes, 1992.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

LIPPMANN, Walter. Opinião Pública. Petrópolis: Vozes, 2008

LOPES, M. I. V. Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Loyola, 2002.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos Meios às Mediações. Comunicação, Cultura e Hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

MOTTER, M. L. O que a ficção pode fazer pela realidade? In: Comunicação & Educação, n. 26, p. 75-79, Janeiro/Abril, São Paulo: USP, 2003.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 1988.

THIOLLENT, M. Crítica Metodológica, Investigação Social e Enquete Operária. São Paulo: Polis, 1980.

YIN, R. K. Estudo de Caso – Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n1-021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.