Clusters industriais e internacionalização de empresas: uma reflexão teórica / Industrial clusters and internationalization of companies: a theoretical reflection

Gustavo Barbieri Lima

Resumo


O objetivo central deste estudo é realizar um ensaio teórico e promover a reflexão acerca dos temas clusters industriais e internacionalização de empresas, com o intuito de contribuir para o enriquecimento do conhecimento neste campo de estudo de redes de cooperação inter-organizacional. Em alguns casos, os ‘laços” entre empresas integrantes de clusters ou APLs não são explorados na sua totalidade para se obter uma performance exportadora desejável. Assim sendo, urge que os segmentos governamentais e empresariais, assim como entidades de classe dêem ainda mais atenção à essas redes de cooperação inter-organizacional, visando-se promover as exportações brasileiras. Tal lacuna, tem sido veementemente aperfeiçoada pela Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil) via Projetos Setoriais Integrados (PSIs) de vários setores ou segmentos produtivos. É notório que o tema clusters ou arranjos produtivos locais não é um assunto novo tanto no âmbito empresarial, governamental ou acadêmico. Todavia, é um campo do conhecimento que ainda necessita ser explorado de forma mais assertiva para que se possam obter as vantagens competitivas que tais aglomerações de empresas oferecem, dentre elas a internacionalização de empresas, o incremento das exportações, ampliar a pauta de produtos exportados e a promoção comercial das exportações.

O objetivo central deste estudo é realizar um ensaio teórico e promover a reflexão acerca dos temas clusters industriais e internacionalização de empresas, com o intuito de contribuir para o enriquecimento do conhecimento neste campo de estudo de redes de cooperação inter-organizacional. Em alguns casos, os ‘laços” entre empresas integrantes de clusters ou APLs não são explorados na sua totalidade para se obter uma performance exportadora desejável. Assim sendo, urge que os segmentos governamentais e empresariais, assim como entidades de classe dêem ainda mais atenção à essas redes de cooperação inter-organizacional, visando-se promover as exportações brasileiras. Tal lacuna, tem sido veementemente aperfeiçoada pela Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil) via Projetos Setoriais Integrados (PSIs) de vários setores ou segmentos produtivos. É notório que o tema clusters ou arranjos produtivos locais não é um assunto novo tanto no âmbito empresarial, governamental ou acadêmico. Todavia, é um campo do conhecimento que ainda necessita ser explorado de forma mais assertiva para que se possam obter as vantagens competitivas que tais aglomerações de empresas oferecem, dentre elas a internacionalização de empresas, o incremento das exportações, ampliar a pauta de produtos exportados e a promoção comercial das exportações.

 

Palavras-Chave: Clusters Industriais; Arranjos Produtivos Locais (APLs); Rede de Cooperação Inter-organizacional; Internacionalização de Empresas; Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME´s).


Palavras-chave


Clusters Industriais; Arranjos Produtivos Locais (APLs); Rede de Cooperação Inter-organizacional; Internacionalização de Empresas; Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME´s).

Texto completo:

PDF

Referências


BECATTINI, G. The Marshallian industrial district as socioeconomic notion. In: PYKE, F., BECATTINI, G. & SEGENBERGER, W. (Eds.). Industrial Districts and Inter-firm Co-operation in Italy. Genebra: International Institute of Labour Studies, 1990, pp. 37-51.

CARDOSO, U.C. APL – Arranjo Produtivo Local. Brasília. SEBRAE, 2014. 48p.

CARDOZA GALDÁMEZ, E. V. (2007). Proposta de um Sistema de Medição de Desempenho para Clusters Industriais de Pequenas e Médias Empresas. 2007. 194 p. Tese (Doutorado) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de Pequenas e Médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, 2001.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FLEURY, A. C. C.; FLEURY, M. T. L. Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Revista Gestão e Produção. V. 10, nº 2, p. 129 – 144, ago. 2003.

GARCIA, R. Vantagens competitivas de empresas em aglomerações industriais: um estudo aplicado à indústria brasileira de calçados e sua inserção nas cadeias produtivas globais. 182 p. (Tese de Doutoramento – Universidade Estadual de Campinas – Instituto de Economia). Campinas, 2001.

GERÓLAMO, M. C. ; CARPINETTI, L. C. R. ; SELIGER, G. ; GALDAMEZ, E. V. C. Performance management of regional clusters and SME cooperation networks. International Journal of Business Excellence, v. 1, p. 457-483, 2008.

GORAYEB, D. S. Políticas para aglomerações setoriais de pequena empresas: algumas reflexões. (Dissertação de Mestrado). Unicamp. Campinas, 2002.

GUIMARÃES, O. M. A informação como fator chave para atuação no mercado internacional: um estudo piloto com empresas exportadoras de Ribeirão Preto e Região. 2007. 150 f. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto. 2007.

HALINEN, A.; TOMOROOS, J-A. Using case methods in the study of contemporary business networks. Journal of Business Research 58 (2005) 125 -1297.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign Market commitments. Journal of International Business Studies, Hampshire, v.8, n.1, p. 23-32, 1977.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firms: a study of the UK experience. Journalof Management Studies, Hoboken, v.12, n.3, p. 305-322, 1975.

KUAZAQUI, E. Marketing internacional: como conquistar negócios em mercados internacionais. São Paulo: Makron, 1999.

MDIC. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais – GTP APL. 2018 Base de dados disponível em: < http://www.mdic.gov.br/index.php/competitividade-industrial/arranjos-produtivos-locais> Acesso: 14/07/2019.

MINERVINI, N. O exportador. São Paulo: Makron Books, 2005.

PALÁCIOS, T. M. B.; SOUZA, J. M. M. Estratégias de marketing internacional. São Paulo: Atlas, 2004.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review. November – December 1998. p.77 –90.

______. Vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro:Campus, 1990.

QUERINO, G. L. R. F. Influência dos atratores sociais nas dinâmicas organizacionais: um estudo em arranjos produtivos locais. (Dissertação de Mestrado). FEARP – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto – S.P., 2018. 121p.

QUIRICI, W. J. Modelo conceitual para o desenvolvimento de arranjos produtivos locais (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo, 2006. 127p.

REDES de empresas. Sebrae – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas empresas. Disponível em: < http://www.sebrae.com.br/cooperecrescer/redesdempresas.asp> Acesso em: 2/11/2004.

SAMPAIO, S. E. K. Sistemas Locais de Produção: estudo de caso da Indústria de Jóias e Bijuterias de Limeira (S.P.). (Monografia; apoio Fapesp). UNICAMP – Instituto de Economia, Campinas, 2002.

SCHMITZ, H. Collective Efficiency and Increasing Returns. Brighton: IDS Working Paper 50, 1997.

SFORZI, F.; BOIX, R. What about industrial district (s) in regional Science? Journal of Regional Research, v. 32, p. 61-73. 2015.

SUZIGAN, W. Avaliação e acompanhamento da implementação da Nova Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. (Projeto BRA/97/013 – Rede de Pesquisa e Desenvolvimento de Políticas Públicas - PITCE). 2004a.

SUZIGAN, W. (Org.). Pesquisa Clusters/ Sistemas Produtivos Locais. Base de dados disponível no site: http://geein.fclar.unesp.br/atividades/pesquisacluster/cluster.htm (2004b).

VECCIOLINI, C. Impact of Internationalization on the Cognitive Configuration of Industrial Cluster: Learning, Forgetting and Unlearning Effects. (Thesis Dissertation). University of Trento – Italy. 2017/ 2018. 149p.

YIN, R.K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n1-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.