Achados radiológicos da deiscência dos canais semicirculares associado ao zumbido / Radiological findings of semicircular canal dehiscence associated with tinnitus

Ana Flávia Bereta Coelho Guimarães, Julia Tolentino Melo Morais, Henrique Sávio de Freitas Soares

Resumo


Introdução: O zumbido é uma percepção sonora não relacionada diretamente a uma fonte externa de estimulação. Na etiopatogenia pode estar relacionado a traumas, substâncias ototóxicas, distúrbios metabólicos, infecções ou deiscência dos canais semicirculares (DCS). A DCS é caracterizada pelo desgaste da camada óssea que recobre o canal semicircular. O diagnóstico é feito pela análise clínica e pelo método de imagem (Tomografia e Ressonância Magnética). Objetivos: Revisão bibliográfica sobre a deiscência dos canais semicirculares e seu diagnóstico de imagem, relacionado à presença de zumbido. Metodologia: Revisão de literatura na Ebesco, Lilacs, Scielo, Google Acadêmico e livros desde 2000, foram escolhidos 20 artigos. Discussão: O zumbido é um distúrbio complexo que envolve diferentes vias auditivas ao córtex e áreas cerebrais não relacionadas diretamente com a audição. Existem diversas teorias fisiopatológicas, entre elas estão a disfunção das células ciliadas. Na DCS, o zumbido relaciona com a exposição anormal do labirinto membranoso vestibular ao espaço intracraniano. Os métodos de diagnóstico imaginológicos, são a TC e a ressonância magnética (RM). Como na RM os sinais emitidos pelas estrururas são similiares e na TC o contraste entre elas é maior, adota-se a TC como padrão ouro. Nos achados radiológicos, são observadas descontinuidades da margem óssea entre o canal semicircular superior e o líquor da fossa média. Conclusões: Portanto, o zumbido está relacionado à deiscência óssea dos canais semicirculares, porém não é um sinal patognomônico dessa patologia. Na vigência de zumbido, é necessário prosseguir a investigação por imagem, para o melhor diagnóstico.


Palavras-chave


Canais Semicirulares. Diagnóstico, Tomografia.Zumbido.

Texto completo:

PDF

Referências


BENIN, Lilian et al. Zumbido crônico: estudo em indivíduos com e sem perda auditiva. ConScientiae Saúde, v. 15, n. 4, 2016.

BRANDOLINI, C.; MODUGNO, G. C.; PIRODDA, A. Dehiscence of the superior semicircular canal: a review of the literature on its possible pathogenic explanations. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology, v. 271, n. 3, p. 435-437, 2014.

BREMKE, M. et al. Comparison of digital volume tomography and high-resolution computed tomography in detecting superior semicircular canal dehiscence–a temporal bone study. Acta oto-laryngologica, v. 135, n. 9, p. 901-906, 2015.

CERRI, G. G.; LEITE, C. C.; ROCHA M. S. Tratado de Radiologia, Volume 1 : Neurorradiologia, Cabeça e Pescoço. Barueri: Editora Manoele, 2017.

CEYLAN, N. et al. CT imaging of superior semicircular canal dehiscence: added value of reformatted images. Acta oto-laryngologica, v. 130, n. 9, p. 996-1001, 2010.

CLOUTIER, J.; BÉLAIR, M.; SALIBA, I. Superior semicircular canal dehiscence: positive predictive value of high-resolution CT scanning. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology, v. 265, n. 12, p. 1455-1460, 2008.

DALCHOW, C. V. et al. Radiographic examination of patients with dehiscence of semicircular canals with digital volume tomography. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology, v. 270, n. 2, p. 511-519, 2013.

DE GODOY, C. C. f. et al. Síndrome da deiscência do canal semicircular superior: relato de dois casos. Revista CEFAC, v. 19, n. 1, p. 119-125, 2017.

DE LIMA, M. T. Síndrome de deiscência de canal semicircular superior. Rev. Bras. Otorrinolaringol, v. 72, n. 3, p. 414-8, 2006.

DIAS, Adriano et al. Associação entre perda auditiva induzida pelo ruído e zumbidos. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, p. 63-68, 2006.

ELGOYHEN, A. et al. Tinnitus: perspectives from human neuroimaging. Nature Reviews Neuroscience, v. 16, n. 10, p. 632, 2015.

FUKUDA, Y. Zumbido Neurossensorial. Rev Neurociências, v. 8, n. 1, 2000.

GEBRIM, E. M. S.; CHAMMAS, M. C.; GOMES R. L. E. Radiologia e Diagnóstico por Imagem: Cabeça e Pescoço. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan LTDA., 2010. p. 49.

KROMBACH, G. A. et al. Semicircular canal dehiscence: comparison of T2-weighted turbo spin-echo MRI and CT. Neuroradiology, v. 46, n. 4, p. 326-331, 2004.

MINOR L.B.,et al. Sound and/or pressure induced vertigo due to bone dehiscence of the superior semicircular canal. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 1998;124(3):249-58.

MONDELLI, Maria Fernanda Capoani Garcia et al. Correlação entre os achados audiológicos e incômodo com zumbido. Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia, v. 15, n. 2, p. 172-180, 2011.

MONDINA, M. et al. Anatomo-radiological study of the superior semicircular canal dehiscence of 37 cadaver temporal bones. Surgical and Radiologic Anatomy, v. 35, n. 1, p. 55-59, 2013.

MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F.; AGUR, Anne M. R. Moore: Anatomia Orientada para Clínica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018. p. 959.

PERSON, Osmar Clayton et al. Zumbido: aspectos etiológicos, fisiopatológicos e descrição de um protocolo de investigação. Arquivos Médicos do ABC, v. 30, n. 2, 2005.

RALLI, Massimo et al. Characteristics of somatic tinnitus patients with and without hyperacusis. PloS one, v. 12, n. 11, p. e0188255, 2017.

ROBSON, C. D.; KOCH, B. L.; HARNSBERGER, H.R. Specialty Imaging: Temporal Bone. 1. ed. Amirsys, 2013.

SANCHEZ, Tanit Ganz et al. Uma Nova Alternativa Terapêutica para o Tratamento do Zumbido Pulsátil Objetivo de Origem Venosa. Revista Eletrônica de Otorrinolaringologia, São Paulo, v.5, n.3, jul. 2001.

STEINMETZ, L. G. et al. Características do zumbido em trabalhadores expostos a ruído. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 75, n. 1, p. 7-14, 2009.

STIMMER, H. et al. Semicircular canal dehiscence in HR multislice computed tomography: distribution, frequency, and clinical relevance. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology, v. 269, n. 2, p. 475-480, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv5n1-002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.