Mediastinite Aguda e Abscesso Cervical Secundários à lesão superficial da Hipofaringe por ingestão de corpo estranho / Acute Mediastinitis and Cervical Abscess Secondary to Superficial Hypopharyngeal Injury from Foreign Body Intake

Liv Caetano, Luana Mello, Carolina Roux

Resumo


Introdução: Ingestão de corpo estranho sem achado de perfuração esofágica possui baixas taxas de mortalidade e de complicação. Este caso relata desenvolvimento de abscesso cervical que evoluiu para mediastinite aguda como consequência de microperfuração hipofaríngea por espinha de peixe. Descrição do caso: MRGC, sexo feminino, 63 anos, hipertensa, diabética tipo 2.  Admitida no pronto-socorro com cervicalgia de 2 dias de evolução após ingestão de espinha de peixe. Realizada endoscopia digestiva alta evidenciando “discreta laceração superficial na parede lateral direita da hipofaringe”. Após 11 dias do atendimento inicial, a paciente evoluiu com disfagia, odinofagia, cervicalgia e otalgia intensa à direita, sendo diagnosticados abscesso cervical profundo e mediastinite aguda no 19º dia de sintomas. Foi abordada cirurgicamente para drenagem por cervicotomia. Apresentou quadro grave de sepse, necessitando de internação prolongada na terapia intensiva. Evoluiu para óbito após 2 meses de internação por complicações da traqueostomia. Discussão: O abscesso cervical migratório associado à mediastinite aguda consiste na dispersão de uma infecção iniciada no espaço retrofaríngeo para o espaço de danger, uma vez que este espaço se estende até o diafragma e faz parte do mediastino posterior. É complicação incomum em casos de laceração superficial da hipofaringe/esôfago cervical, dado que sustenta o diagnóstico tardio no caso apresentado, levando a um quadro grave e de alta mortalidade. A mediastinite aguda é complicação mais frequente nos casos de lesão transmural do esôfago torácico, devido à proximidade das estruturas, podendo ocorrer em 4,9% dos casos, segundo a literatura. Já nas lesões de hipofaringe ou de esôfago cervical, a mediastinite aguda ocorre em cerca de 2,7% dos casos. Por essas complicações de alta morbidade e mortalidade, preconiza-se a antibioticoterapia precoce e a introdução cautelosa de dieta oral/enteral após o diagnóstico de lesões no trato digestivo por endoscopia digestiva alta, tomografia computadorizada ou esofagograma. Conclusão: O caso chama a atenção para a mediastinite aguda como possível complicação em pacientes com microperfuração esofágica após ingestão de corpo estranho. Evidenciou-se que mesmo lesões superficiais e fora do local de maior incidência de complicações podem evoluir para quadros graves de abscessos, mediastinite e sepse. Ilustra, ainda, a complexidade anatômica das fáscias cervicais e dos espaços cervicais profundos.


Palavras-chave


Mediastinite, Corpos estranhos, Hipofaringe, Abscesso retrofaríngeo, Esôfago.

Texto completo:

PDF

Referências


Nicolodi G, Trippia C, Caboclo MF. Intestinal perforation by an ingested foreign body. Radiológica Brasileira [Plataforma Scielo] Sep/Oct 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0100-3984.2015.0127

Liu J, Zhang X, Xie D, Peng A, Yang X, Yu F. Acute Mediastinitis Associated with Foreign Body Erosion from the Hypopharynx and Esophagus. Otolaryngology Head and Neck Surgery. Jan/2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/51707229_Acute_Mediastinitis_Associated_with_Foreign_Body_Erosion_from_the_Hypopharynx_and_Esophagus




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n6-018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.