avaliação da pressão intraocular (PIO) e da pressão arterial de cães portadores de Erlichia canis/Evaluation of intraocular pressure (IOP) and blood pressure of dogs carried out of earlichia canis

Edinete Lúcio Pereira, Karla Priscila Garrido Bezerra, Ermano Lucena de Oliveira, Rosangela Maria Nunes da Silva, Almir Pereira de Souza

Resumo


Objetivou-se com este estudo determinar indícios de associação entre alterações na pressão arterial e pressão intraocular, assim como variações laboratoriais (uréia, creatinina, sódio e potássio) e afecções oculares concomitantes em cães portadores de Erlichia canis. Para tanto, foram utilizados vinte cães, machos e fêmeas, de idades e raças variadas, atendidos no setor de clínica médica do Hospital Veterinário Universitário Ivon Macêdo Tabosa, da UFCG. Os animais foram distribuídos em dois grupos experimentais denominados de grupo controle (GC), composto por animais hígidos, e grupo erliquiose (GE), composto por animais com sintomatologia para erliquiose e positivos para doença no ensaio Imunoenzimático ELISA, de igual tamanho (n=10). Em ambos os grupos foram mensurados os parâmetros clínicos frequências cardíaca e respiratória e temperatura corporal, bem como foram colhidos 4 mL de sangue para determinação do hematócrito e dosagem de uréia, creatinina, sódio e potássio. Ato contínuo foram realizadas a avaliação da pressão arterial, da pressão intraocular (PIO), do teste de schirmer e exame oftalmológico. Os dados numéricos foram comparados utilizando-se análise de variância (ANOVA) seguida do teste de Tukey (p<0,05) enquanto que os dados do exame oftalmológico foram analisados descritivamente. Não foram identificadas alterações significativas nos parâmetros laboratoriais nem nas pressões arteriais, entretanto observou-se redução na PIO e presença de afeções oculares concomitantes. Assim, conclui-se que não há correlação evidente entre as variações das pressões arteriais e a PIO, mas que a doença determinou redução da PIO e presença de algumas afecções oculares nos animais acometidos de erliquiose.


Palavras-chave


erliquiose, cardiovascular, hipotensão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMOSNY, N.R.P. Diretrizes gerais para diagnóstico e manejo de cães infectados por Ehrlichia spp. Clínica Veterinária, v.9, n.48, p 28-30, 2004.

ALVES, M. L.; LINHARES, G. F. C.; CHAVES, N. S. T.; MONTEIRO, L. C.; LINHARES, D. C. L. Avaliação de Indicadores e Protocolo para o Diagnóstico da Pancitopenia Tropical Canina por PCR. Ciência Animal Brasileira. v.6, n.1, 2004. p. 49-54.

ANDRADE, S. F.; PALOZZI, R. J.; GIUFFRIDA, R.; CAMPOS, R. J. DE, SANTOS, G. DE C.; FUKUI, R. M. Comparison of intraocular pressure measurements between the Tono-Pen XL® and Perkins® applanation tonometers in dogs and cats. Veterinary Ophthalmology, v. 15, p.14–20, 2012.

BROADWATER, J. J.; SCHORLING, J.; HERRING, I. P. et al. 2008. Eff ect of body position on intraocular pressure in dogs without glaucoma. American Journal of Veterinary Research. 69 (1): 527-530.

BROADWATER, J. J.; SCHORLING, J.; HERRING, I. P. et al. Eff ect of body position on intraocular pressure in dogs without glaucoma. American Journal of Veterinary Research, v.69, n.1, p. 527-530, 2008.

BROWN, S.; ATKINS, C.E.; BAGLEY, R.; CARR, A.; DAVIDSON, M.; EGNER, B.; ELLIOT., HENIK, R. Guidelines for the Identification, Evaluation, and Management of Systemic Hypertension in Dogs and Cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 21, p.542-558, 2007.

BULLA, C. et al. The relationship between the degree of trombocytopenia and infection with Ehrlichia canis in an endemic area. Veterinary Research, v. 35, p. 141-146, 2004.

CHIARI, M.F. (2010) (Mestrado) Nova metodologia de diagnóstico para Ehrlichia canis: PCR X LAMP. Mestrado do Programa de Pós- -Graduação em Biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos.

CODNER, E.C.; MASLIN, W. Investigation of renal protein loss in dogs with acute experimentally induced Ehrlichia canis infection. Am. J. Vet. Res., 53 (3):264-9, 1992.

COLITZ, C. M. H. Feline uveitis: diagnosis e treatment. Clinical Techniques in Small Animal Practice, v. 20, n. 2, p. 117-120, 2005.

ETTINGER, J. S.; FELDMAN, E. C. Insuficiência Renal Crônica. In:____ Tratado de Medicina Interna Veterinária, Vol 2, 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

FERREIRA, F. A. Aspectos epidemiológicos, clínicos e hematológicos de 251 cães portadores de mórula de Ehrlichia spp. naturalmente infectados. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Minas Gerais, v. 61, n. 3, p. 566-571, 2009.

FILIPPI, M. G. Avaliação eletrocardiográfica ambulatorial de cães com Ehrliquiose Monocitica Crônica. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Zootecnia e Medicina Veterinária, Botucatu, 2010.

FONSECA, J.P.; HIRSCH, C. GUIMARÃES, A.M. Erliquiose monocítica canina: epidemiologia, imunopatogênese e diagnóstico. PUBVET, Londrina, v.7, n.8, Ed. 231, Art. 1529, Abril, 2013.

GAROFALO, N.A.; NETO, F.J.T.; ALVAIDES, R.K.; OLIVEIRA, F.A.; PIGNATON, W.; PINHEIRO, RT. Agreement between direct, oscillometric and Doppler ultrasound blood pressures using three different cuff positions in anesthetized dogs. Veterinary Anaesthesia and Analgesia, v. 39 p. 324-334, 2012.

GONÇALVES, G. F.; PIPPI, N. L.; PACHALY, J. R. Pressão intraocular em cães com catarata. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v. 8, n.1, p. 57-61, 2005.

GROSENBAUGH, D. A.; MUIR, W. W. Blood pressure monitoring. Veterinary Medicine, v. 38, p. 48-59, 1998.

HENDRIX, D. V. H. 2011. Diseases and surgery of the canine anterior uvea. In: Gelatt KN.

KAUFMAN P.L.; ALM A. Fisiología del ojo: Hidrodinámica del humor acuoso. 10ed. Elsevier. 2004.

KIKUCHI, E.S.C. Glomerulopatias Secundárias à Ehrlichiose Monocítica Crônica. Dissertação. Repositório Institucional UNESP - FMVZ UNESP Botucatu, 2015.

KLEIN, B. G. Cunningham Tratado de Fisiologia Veterinária. 5 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

LEIVA, M.; NARANJO, C.; PEÑA, M. T. Comparison of the rebound tonometer (ICare®) to the applanation tonometer (Tonopen XL®) in normotensive dogs. Veterinary Ophthalmology. 9, 1, 17–21, 2006.

MARÃES, V.R.F.S. Frequência cardíaca e sua variabilidade: análises e aplicações. Revista Andalluza de Medicina Del Deporte, v. 3, n. 1, p. 33-42, 2010.

MENDONÇA, C. S. Et al. Erliquiose canina: Alterações hematologicas em cães domesticos naturalmente infectados. Biosciencia Journal, Uberlândia, v. 21, n.1, p. 167-174, 2005.

MENESES, I. D. F. et al. Perfil clínico-laboratorial da erliquiose monocítica canina em cães de Salvador e região metropolitana, Bahia. Rev. Bras. Saúde Prod. Animal., v.9, n.4, p. 770-776, out/dez, 2008.

MOREIRA, S.M.; BASTOS, C.V.; ARAÚJO, R.B.; SANTOS, M.; PASSOS, L.M.F. Retrospective study (1998-2001) on canine ehrlichiosis in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. Belo Horizonte, v. 55, n. 2, p. 141-7, 2003.

MOSALLANEJAD, B.; AVIZAH, R.; GHORBANPOUR M. et al. 2014. Brucella canis - induced anterior uveitis in companion dogs in Ahvaz, Iran. Comparative Clinical Pathology. 23(1):1233-1236.

MUCHA, C. J.; CAMACHO, A. A. Afecções cardiovasculares em Pequenos animais. São Paulo: Interbook, 2003. p.18-33.

MYLONAKIS, M.E.; KOUTINAS, A.F.; BREITSCHWERDT, E.B.; HEGARTY, 423 B.C.; BILLINIS, C.D.; LEONTIDES, L.S.; KONTOS, V.S. Chronic Canine Ehrlichiosis (Ehrlichia canis): A Retrospective Study of 19 Natural Cases. Journal of the American Animal Hospital Association, v.40, p. 174-184, 2004.

PRATS, A.; PRATS, A. O exame clínico: cães e gatos. Neonatologia e pediatria: canina e felina. Interbook: São Caetano do Sul – SP, 2005, p. 96-113.

RABELO, R.C.; MELO, M.M.A. A importância da avaliação pressórica em pequenos animais. In: SEMINÁRIO DE CLÍNICA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DA ESCOLA DE VETERINÁRIA DA UFMG. 2002, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

RODRIGUES V. Hemograma, teores séricos de proteínas e cortisol de fêmeas caninas (Canis familiaris - LINNAEUS, 1758) diagnosticadas comhemoparasitose. [Dissertação]. Jaboticabal: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias; 2006

RUSANEN, E.; FLORIN, M.; HÄSSIG M.; SPIESS, B. M. Evaluation of a rebound tonometer (Tonovet®) in clinically normal cat eyes. Veterinary Ophthalmology, v.13, n.1, p. 31–36, 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA. Cartilha da Campanha Abril Marrom de 2019. Câmara Municipal de São Paulo, 2019.

STILES, J. Infecções rickettsiais caninas. Clínicas Veterinárias da América do Norte. Small Animal Practice , v.30, p.1135-1149, 2000.

WALKER, D.H. Rickettsiae and rickettsial infections: The current state of knowledge. Clin Infect Dis. 45: 39-44, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n6-012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.