Correção de aneurisma de aorta abdominal: Fatores de risco para a infecção do sítio cirúrgico e óbito / Uma abordagem que demonstra como a cirurgia é imprescindível para a conservação da vida dos pacientes

Ester Olivia de Oliveira Menino, Gabriela Cristina Libanio, Luiza Buchemi Cardoso, Bráulio Roberto Gonçalves Marinho Couto

Resumo


O objetivo deste presente artigo foi avaliar quais são os fatores preventivos e os riscos para infecção do sítio cirúrgico (ISC), como o maior tempo de internação em pacientes submetidos à correção de aneurisma de aorta abdominal (AAA), óbitos hospitalares e analisar o risco de ISC após a correção de AAA. Dados de pacientes, de um hospital geral de Belo Horizonte, MG, com AAA foram analisados do software EPI info e através da base de dados SACIH. Os pacientes foram submetidos às cirurgias de correção de aneurisma de aorta entre julho de 2016 e junho de 2018 e foram estudados retrospectivamente. A probabilidade explícita da causa de morte foi registrada. Infecção em qualquer topografia, tempo de internação pré-operatória acima de 4 dias,a realização de mais de um procedimento, o tempo de internação até a cirurgia , o número de procedimentos cirúrgicos realizado na mesma cirurgia, ASA- escore de gravidade do paciente no momento da cirurgia são fatores de risco para o óbito, relacionados com essa cirurgia.  Em relação ao risco de infecção do sítio cirúrgico concluiu-se que mais de um procedimento cirúrgico, além da correção de AAA, e o pré-operatório “Tempo de internação no hospital maior que 24 horas” são fatores que influenciam esse desfecho. O risco de infecção e de óbito são fatores que devem ser considerados, pois são significativos em uma cirurgia de correção de aneurisma de aorta, como será exposto ao longo deste presente artigo.

Palavras-chave


Aorta Abdominal, Aneurisma Aórtico, Fatores de Risco, Infecção do Sítio Cirúrgico, Óbito.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMAN, Douglas G. Practical Statistics for Medical Researc. London: Chapman & Hall, 1991. 610 p.

ALMEIDA‐LOPES, José et al. Tratamento endovascular de aneurismas saculares isolados da aorta abdominal e da artéria ilíaca – caso clínico. Angiologia e Cirurgia Vascular, [s.l.], v. 11, n. 1, p.30-34, mar. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ancv.2014.12.006.

CARVALHO, Francine C.de et al. Estudo Prospectivo da Morbi-Mortalidade Precoce e Tardia da Cirurgia do Aneurisma da Aorta Abdominal. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 84, n. 4, p.292-296, 2005.

CASTRO‐FERREIRA, Ricardo et al. Dez anos de tratamento de aneurismas da aorta abdominal – exclusão endovascular vs. cirurgia aberta nas diferentes regiões portuguesas. Angiologia e Cirurgia Vascular, [s.l.], v. 11, n. 2, p.51-60, jun. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ancv.2014.11.002.

EDWARDS, Jonathan R. et al. National Healthcare Safety Network (NHSN) report: Data summary for 2006 through 2008, issued December 2009. American Journal Of Infection Control, [s.l.], v. 37, n. 10, p.783-805, dez. 2009. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ajic.2009.10.001.

MENDONÇA, Célio Teixeira et al. Comparação entre os tratamentos aberto e endovascular dos aneurismas da aorta abdominal em pacientes de alto risco cirúrgico. Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, Curitiba, v. 4, n. 3, p.232-242, ago. 2005.

STARLING, C.e.f.; COUTO, B.r.g.m.; PINHEIRO, S.m.c.. Applying the centers for disease control and prevention and national nosocomial surveillance system methods in Brazilian hospitals. American Journal Of Infection Control, [s.l.], v. 25, n. 4, p.303-311, ago. 1997. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s0196-6553(97)90022-5.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n6-004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.