Caracterização mineralógica de terra preta das Comunidades do Marajó e Gregostone, em Parintins, Amazonas, Brasil / Mineralogical characterization of black earth from the Marajó and Gregostone communities, in Parintins, Amazonas

Ronan de Souza Negreiros, Erasmo Sergio Ferreira Pessoa Junior, Wamber Broni de Souza, Jadson Justi, Ronei de Souza Negreiros, Juliano Carneiro Ramos, Adensilzon Nunes da Silva

Resumo


O objetivo deste estudo é determinar granulometria, mineralogia e atributos químicos de fertilidade do solo em Terra Preta Arqueológica. As amostras de solo foram coletadas nas Comunidades do Marajó e Gregostone, em Parintins, Amazonas, Brasil. As amostras foram secas ao ar e desagregadas manualmente com o auxílio de um rolo de madeira e separadas granulometricamente usando peneiras de malha 2 mm. Foram feitas medidas de pH, matéria orgânica, P, K, Fe e Al trocável, além de difratometria de raios X. Os resultados obtidos mostraram que os solos estudados apresentam características ácidas. Na terra preta do Marajó, a classificação textural foi franco-argiloarenosa, com elevados teores de matéria orgânica, P e Al trocável, e baixo teor de K. Na terra preta do Gregostone, a classificação textural foi francoarenosa. Os difratogramas de raios X mostraram basicamente as mesmas reflexões mineralógicas para os sítios de terra preta do Marajó e Gregostone, que possuem a presença majoritária de caulinita e quartzo.


Palavras-chave


Matéria orgânica, Fertilidade, Solo amazônico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERS, A. P. F. et al. Um método simples de caracterização de argilominerais por difração de raios X. Cerâmica, São Paulo, v. 48, n. 305, p. 34-37, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ce/v48n305/a0848305.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

ARRHENIUS, O. Die bodenanalyse im dienst der Archäologie. Zeitschrift für Pflanzenernährung, Düngung, Bodenkunde, Berlin, v. 10, n. 27-29, p. 185-190, 1931.

ARRHENIUS, O. Die phosphatefrage. Zeitschrift für Pflanzenernährung, Düngung, Bodenkunde, Berlin, v. 14, n. 3, p. 185-194, 1929.

ARTUR, A. G. et al. Variabilidade espacial dos atributos químicos do solo, associada ao microrrelevo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 2, p. 141-149, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v18n2/a03v18n2.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

BARROS, K. R. M. et al. Distribuição da porosidade textural e estrutural em solos de Terra Preta Arqueológica. Revista Ciência Agronômica, Belém, v. 47, n. 4, p. 609-615, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rca/v47n4/1806-6690-rca-47-04-0609.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

BENITES, V. M. et al. Matéria orgânica do solo. In: WADT, P. G. S. (ed.). Manejo do solo e recomendação de adubação para o estado do Acre. Rio Branco: Embrapa-Acre, 2005. p. 93-120.

CAMPOS, M. C. C. et al. Variabilidade espacial da textura de solos de diferentes materiais de origem em Pereira Barreto, SP. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 38, n. 2, p. 149-157, 2007. Disponível em: http://ccarevista.ufc.br/seer/index.php/ccarevista/article/download/127/122. Acesso em: 3 set. 2020.

CORÁ, J. E. et al. Adição de areia para dispersão de solos na análise granulométrica. Revista Brasileira de Ciência Solo, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 255-262, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcs/v33n2/03.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

COSTA, F. S. et al. Calagem e as propriedades eletroquímicas e físicas de um latossolo em plantio direto. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 1, p. 281-284, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cr/v34n1/a45v34n1.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

DELBARI, M.; AFRASIAB, P.; LOISKANDL, W. Geostatistical analysis of soil texture fractions on the field scale. Soil and Water Research, Prague, v. 6, p. 173-189, 2011. Disponível em: https://www.agriculturejournals.cz/publicFiles/9_2010-SWR.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

GLASER, B. et al. Black carbon in density fractions of anthropogenic soils of the Brazilian Amazon region. Organic Geochemistry, v. 31, n. 7-8, p. 669-678, 2000.

KAHN, E. Difração de raios X. São Paulo: Escola Politécnica/USP, 2007. Apostila técnica. Disponível em: https://pdfdocumento.com/queue/difraao-de-raios-x-1-introduao-angelfire_59f940b91723dde481f681c7.html. Acesso em: 3 set. 2020.

KERN, D. C. Geoquímica e pedogeoquímica em sítios arqueológicos com terra preta na Floresta Nacional de Caxiuanã (Portel-PA). Orientador: Marcondes Lima da Costa. 1996. 124 f. Tese (Doutorado em Geologia e Geoquímica) – Universidade Federal do Pará, Belém, 1996. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/bitstream/2011/7885/1/Tese_GeoquimicaPedogeoquimicaSitios.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

KIEHL, E. J. Manual de edafologia: relações solo-planta. São Paulo: Agronômica Ceres, 1979.

LEPSCH, I. F.; SILVA, N. M.; ESPIRONELO, A. Relação entre matéria orgânica e textura de solos sob cultivo de algodão e cana-de-açúcar, no estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v. 41, n. 1, p. 231-236, 1982. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/brag/v41n1/27.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

LIMA, H. N. et al. Características químicas e mineralógicas e a distribuição de fontes de fósforo em Terras Pretas de Índio da Amazônia Ocidental. In: TEIXEIRA, W. G. et al. (org.). As Terras Pretas de Índio da Amazônia: sua caracterização e uso deste conhecimento na criação de novas áreas. Manaus: Ed. UFAM: Embrapa Amazônia Ocidental, 2010. p. 212-224.

LUZ, M. J. S.; FERREIRA, G. B.; BEZERRA, J. R. C. Adubação e correção do solo: procedimento a serem adotados em função dos resultados da análise do solo. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2002. (Circular técnica, n. 63). Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPA/19595/1/CIRTEC63.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

MACEDO, R. S. Atributos físicos, químicos e mineralógicos de solos com horizonte antrópico (Terra Preta de Índio) em áreas de várzea do Rio Solimões, AM. Orientador: Wenceslau Geraldes Teixeira. 2009. 73 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia Tropical) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2009. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/684876/1/cp131866.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

MEHLICH, A. Determination of P, Ca, Mg, K, Na and NH4 by North Carolina Soil Testing Laboratories. Raleigh: University of North Carolina, 1953.

ODEH, I. O. A.; TODD, A. J.; TRIANTAFILIS, J. Spatial prediction of soil particle-size fractions as compositional data. Soil Science, Philadelphia, v. 168, n. 7, p. 501-515, 2003. Disponível em: http://www.leg.ufpr.br/lib/exe/fetch.php/pessoais:abtmartins:vsi.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

PESSOA JÚNIOR, E. S. F.; SANTANA, G. P. Uma abordagem sobre fósforo em Terra Preta Arqueológica. Scientia Amazonia, Manaus, v. 6, n. 1, p. 61-70, 2017. Disponível em: http://scientia-amazonia.org/wp-content/uploads/2016/10/v6-n1-61-70-2017.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

REBELLATO, L. Interpretando a variabilidade cerâmica e as assinaturas químicas e físicas do solo no Sítio Arqueológico Hatahara – AM. Orientador: Eduardo Goes Neves. 2007. 207 f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/71/71131/tde-14052007-111921/publico/tdeLilianRebellato.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

RESENDE, M. et al. Mineralogia de solos brasileiros: interpretação e aplicações. 2. ed. Lavras: Ed. UFLA, 2011.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2018. Disponível em: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/199517/1/SiBCS-2018-ISBN-9788570358004.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

SANTOS, J. O.; MUNITA, C. S. Estudo da tecnologia de queima de cerâmica arqueológicas por difratometria de raios X. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 8., 2013, Salvador. Anais [...]. Salvador: IF Baiano: IFBA, 2013. p. 1-9. Disponível em: https://www.ipen.br/biblioteca/2013/eventos/19633.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

SCHIFFER, M. B. Formation processes of the archaeological record. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1987.

SCHULZE, D. G. An introduction to soil mineralogy. In: DIXON, J. B.; WEED, S. B. (ed.). Mineral in soil environments. 2. ed. Madison: Soil Science Society of America, 1989. p. 1-34.

SILVA, A. C. S. Avaliação da fertilidade de solos antrópicos (Terra Preta de Índio) com ênfase na biodisponibilidade do fósforo. Orientador: Newton Paulo de Souza Falcão. 2006. 117 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura e Sustentabilidade na Amazônia) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2006. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/2717/1/Dissertacao%20Final%20Ana%20Cristina.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

SILVA, F. C. et al. Métodos de análises químicas para avaliação da fertilidade do solo. In: SILVA, F. C. (ed.). Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. p. 107-188.

SILVA, S. B. Análise de solos para ciências agrárias. 2. ed. Belém: Ed. Universidade Federal Rural da Amazônia, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufra.edu.br/jspui/bitstream/123456789/609/1/AN%c3%81LISE%20DE%20SOLO%20PARA%20CI%c3%8aNCIAS%20AGR%c3%81RIAS.o.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

SMITH, N. J. H. Anthrosols and human carrying capacity in Amazonia. Annals of the Association of American Geographers, Washington, D.C., v. 70, n. 4, p. 553-566, 1980.

SOUZA, K. W. et al. Phosphorous forms in cultivated Indian Black Earth (anthrosols) of varying texture in the Brazilian Amazon. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 33, n. 5, p. 1.347-1.355, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcs/v33n5/v33n5a27.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

TEIXEIRA, W. G.; LIMA, R. A. O solo modificado pelo homem (solo antrópico) como artefato arqueológico. In: SEMINÁRIO PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO, 4., 2016, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2016. p. 123-147. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/152964/1/2016-121.pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

TWARAKAVI, N. K. C.; SIMONEK, J.; SCHAAP, M. G. Can texture-based classification optimally classify soils with respect to soil hydraulics? Water Resources Research, Washington, D.C., v. 46, n. 1, p. 1-2, 2010. Disponível em: https://agupubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1029/2009WR007939. Acesso em: 3 set. 2020.

UNITED STATE. Soil Science Division Staff. Soil survey manual. Washington, D.C: United States Department of Agriculture, 2017. (Agriculture Handbook, 18). Disponível em: https://www.nrcs.usda.gov/wps/PA_NRCSConsumption/download?cid=nrcseprd1333016&ext=pdf. Acesso em: 3 set. 2020.

WITTHIG, L. D.; ALLARDICE, W. R. X – Ray diffraction techniques. In: KLUTE, A. (ed.). Methods of soil analysis. Part 1: Physical and mineralogical methods. Madison, Wis: American Society of Agronomy, 1986. p. 331-362.

WOODS, W. I. Development of anthrosol research. In: LEHMANN, J. et al. (ed.). Amazonian dark earths: Origin, properties and management. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2003. p. 3-14.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n5-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.