Sexualidade na contemporaneidade: novas configurações das relações humanas / Sexuality in contemporaneity: New human relationships configurations

Jadson Justi, Victor Antunes de Souza Serrão, Jamson Justi, Edrilene Barbosa Lima Justi

Resumo


A sexualidade sempre foi alvo de inquietações e estigmas que resultaram ao longo da história humana em sua negligência sistemática em muitas nações e culturas. No entanto, os avanços em diversas áreas do conhecimento vêm alcançando patamares incríveis e a modernidade em relação à sexualidade humana não é diferente. A partir disso, acredita-se na necessidade de ampla discussão porque as novas relações ainda são desconhecidas por grande parte da sociedade. Metodologicamente essa pesquisa enquadra-se como teórico-reflexiva. Para tanto, o objetivo deste estudo é descrever a sexualidade contemporânea impactada pelo desejo sexual considerando novas configurações que afastam a crença do amor romântico tradicionalmente considerado como normativo para as relações afetivas. Discutem-se tendências diversas no campo da sexualidade que implicam a aceitação da pluralidade e das formas de vivenciá-la, pois é exercício de autodescoberta que investiga o desejo íntimo e propõe mudanças de rotina de forma a impactar positivamente na qualidade de vida. Conclui-se que a sexualidade é um conceito histórico e, em cada época, há formas diferentes de se relacionar afetivamente e fazer sexo. O que se considerava estereótipo sexual em tempos remotos e passível de punição severa, hoje se transformou em práticas corriqueiras de casais e pessoas com tendência ao individualismo. Logo, a modernidade trouxe novas formas de amar e vivenciar a sexualidade, apesar de haver diversas barreiras conservadoras baseadas em crenças sociais.


Palavras-chave


Sexualidade , Relações amorosas, Tendências sexuais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. S.; GUEDES, M. H. D.; ALVES, V. L. R. Um estudo sobre a satisfação sexual de pessoas portadoras de lesão muscular. Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 6-9, 1999. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102191/100606. Acesso em: 17 ago. 2020.

ALVES, A.; PESCA, L. Veja 5 motivos que levam os homens a curtirem pornô. Diário Gaúcho, Porto Alegre, 4 out. 2017. Não Paginado. Disponível em: http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2017/04/veja-5-motivos-que-levam-os-homens-a-curtirem-porno-9768648.html. Acesso em: 17 ago. 2020.

AMARAL, V. L. Psicologia da educação: sexualidade. Natal: EDUFRN, 2007. Disponível em: http://www.ead.uepb.edu.br/arquivos/cursos/Geografia_PAR_UAB/Fasciculos%20-%20Material/Psicologia_Educacao/Psi_Ed_A13_J_GR_20112007.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

CARPENEDO, C.; KOLLER, S. Relações amorosas ao longo das décadas: um estudo de cartas de amor. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 1-13, 2004. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/download/3234/2595. Acesso em: 17 ago. 2020.

COELHO, P. Novas formas de amar e relacionar-se: poliamor. Brasília Capital, Brasília, DF, 21 dez. 2017. Disponível em: https://www.bsbcapital.com.br/novas-formas-de-amar-e-relacionar-se-poliamor/. Acesso em: 17 ago. 2020.

ELLIS, H. Psychology of sex. London: W. Heinemann, 1933.

ETHRIDGE, S. A ilusão dos 50 tons. Tradução: Marcus Aurélio de Castro Braga. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2012.

FIGUEIREDO, S.; SIMAS, M. Casais brasileiros estão cada vez mais insatisfeitos com a vida sexual. São Paulo: Instituto do Casal, 2017. Não paginado. Disponível em: https://www.institutodocasal.com.br/2017/09/dia-do-sexo/. Acesso em: 17 ago. 2020.

FOUCAULT, M. A história da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. A coragem da verdade. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: WMF, 2011.

FREUD, S. Obras completas, volume 6: três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905). Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GIKOVATE, F. Uma nova visão do amor. 5. ed. São Paulo: Mg Editores, 2009.

GRUBBS, J. B. Porn use is up, thanks to the pandemic. The Conversation, Boston, 8 abr. 2020. Não paginado. Disponível em: https://theconversation.com/porn-use-is-up-thanks-to-the-pandemic-134972. Acesso em: 17 ago. 2020.

HADDAD-FILHO, J. Sexo, sexualidade e reprodução humana. São Paulo: Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, 2013. Não paginado. Disponível em: http://spdm.org.br/blogs/reproducao-humana/item/1277-68sexo-sexualidade-e-reproducao-humana. Acesso em: 17 ago. 2020.

LINS, R. N. Novas formas de amar. São Paulo: Planeta Brasil, 2017.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3. ed. rev. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

MOTOMURA, M. Como era o sexo na Idade Média? Super Interessante, São Paulo, 4 fev. 2018. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-era-o-sexo-na-idade-media/. Acesso em: 17 ago. 2020.

MOTOMURA, M. Como era o sexo na Antiguidade? Super Interessante, São Paulo, 14 fev. 2020a. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-era-o-sexo-na-idade-media/. Acesso em: 17 ago. 2020.

MOTOMURA, M. Como era o sexo na Idade Moderna? Super Interessante, São Paulo, 14 fev. 2020b. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-era-o-sexo-na-idade-moderna/. Acesso em: 17 ago. 2020.

NOBREGA, M. 5 benefícios do sexo tântrico. São Paulo: Catraca Livre, 2019. Não paginado. Disponível em: https://catracalivre.com.br/saude-bem-estar/5-beneficios-do-sexo-tantrico/. Acesso em: 17 ago. 2020.

OLIVEIRA, S. C. Sexo, sexualidade e sociedade. 7. ed. Rio de Janeiro: [s.n.], 2013.

OLIVEIRA, S. C. Sexualidade em foco: correspondência com os leitores 1. Rio de Janeiro: [s.n.], 2014.

PORTAL DO HOLANDA. Ménage é apontado em pesquisa como presente ideal para o Dia dos Namorados. [S.l.], 12 jun. 2019. Não paginado. Disponível em: https://www.portaldoholanda.com.br/dia-dos-namorados/menage-e-apontado-em-pesquisa-como-presente-ideal-para-o-dia-dos-namorados. Acesso em: 17 ago. 2020.

POSTAL, A. S. et al. Possíveis consequências da pornografia na sexualidade humana. Vivências, Erechim, v. 14. n. 27. p. 66-75, 2018. Disponível em: http://www2.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_027/artigos/pdf/Artigo_07.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

RIBEIRO, P. R. M. A sexualidade também tem história: comportamentos e atitudes sexuais através dos tempos. In: BORTOLOZZI, A. C.; MAIA, A. F. (org.). Sexualidade e infância. Bauru: FC/CECEMCA; Brasília, DF: MEC/SFF, 2005. p. 17-34.

SCHEEREN, P.; WAGNER, A. Predizendo a infidelidade conjugal. Psicologia Clínica, v. 31. n. 2, p. 387-406, 2019. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pc/v31n2/10.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

SERRÃO, V. A. S.; JUSTI, J. Amor saudável e patológico: desdobramentos neurobiológicos. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, Caçador, v. 9, n. 2(18), p. 98-115, 2019. Disponível em: https://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/ries/article/download/1550/1059. Acesso em: 17 ago. 2020.

SILVA, V. S. V.; NERES, G. M.; SILVA, R. Michel Foucault e o poliamor: cuidado de si, parresía e estética da existência. Tempo da Ciência, Toledo, v. 24. n. 48, p. 87-108, 2017. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/tempodaciencia/article/download/18968/12509. Acesso em: 17 ago. 2020.

SILVÉRIO, M. Gênero, sexualidade e swing: a ressignificação de valores através da troca de casais.: Sexualidad, Salud y Socociedad, Rio de Janeiro, n. 18, p. 111-139, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sess/n18/1984-6487-sess-18-00111.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

SPARGO, T. Foucault e a teoria queer: seguido de Ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Tradução: Heci Regina Candiani. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

TAVARES. G. I. P. H. Sobre amor, sexualidade, feminilidade. In: FREUD, S. Amor, sexualidade, feminilidade. Tradução: Maria Rita Salzano Moraes. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 7-35. (Coleção Obras Incompletas de Sigmund Freud, v. 7).

TERCI, M. R. Sexo e danação: 50 tons de Idade Média. Aventuras na História, São Paulo, 28 dez. 2019. Não paginado. Disponível em: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/sexo-e-danacao-50-tons-de-idade-media.phtml. Acesso em: 17 ago. 2020.

WALKER, D. Introdução ao estudo da sexologia. Juazeiro do Norte, 2011.

WHITEMAN, T.; PETERSEN, R. Seu casamento e a internet. Tradução: Marcelo Siqueira. Rio de Janeiro: CPAD, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Education and treatment in human sexuality: The training of health professionals – report of a WHO meeting [‎‎‎held in Geneva from 6 to 12 February 1974]‎‎‎. Geneva: WHO Press, 1975. (WHO Technical Report Series, 572). Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/38247/WHO_TRS_572_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 17 ago. 2020.

YSOS. 65 fetiches! Vocabulário de fetiches vai aquecer sua vida sexual. YSOS, 15 mar. 2019. Não paginado. Disponível em: https://ysosapp.com.br/65-fetiches-vocabulario-de-fetiches-vai-aquecer-sua-vida-sexual/. Acesso em: 17 ago. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n5-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.