Revitalização da mata de galeria do Ribeirão das Antas próximo a AMBEV (Compainha de Bebidas das Américas), Município de Anápolis – GO/ Revitalization of the gallery forest of the riverbank of the tapirs near AMBEV (Compainha of Drinks of the Américas), City of Anápolis – GO

Valdivino Domingos de Oliveira Júnior, Rodrigo Lima Oliveira Bazi, Wilton Raimundo Marques, Márcio Reginaldo Pires Maciel, Lindomar Custódio Camilo da Silva, Waleri Barbosa de Carvalho Junior, Roberta Croda Padilha, Jomar Magalhães Barbosa

Resumo


As Matas de Galeria possuem a importante função de conectar diferentes remanescentes florestais e manter a qualidade dos cursos d'água, evitando seu assoreamento. O objetivo deste estudo foi elaborar e executar um plano de recuperação de áreas degradadas de uma Mata de Galeria do Ribeirão das Antas inserida em uma empresa no município de Anápolis, Goiás. As etapas propostas para a realização do projeto foram a coleta de sementes, construção de um viveiro para produção de mudas de espécies nativas, limpeza e preparo do solo e plantio de mudas. O viveiro construído possui uma capacidade de produção de aproximadamente 5000 mudas de espécies vegetais nativas do Cerrado. Também foi realizado o plantio de espécies vegetais nas áreas degradadas seguindo o critério de intercalar plantas de classificação sucessional inicial (pioneiras) e plantas secundárias. Algumas espécies exóticas frutíferas foram plantadas fora das Áreas de Preservação Permanente visando proteção das bordas da mata, uso econômico e atração de animais dispersores. O processo de recuperação teve início em uma área composta por pastagem e por vegetação nativa com incidência de corte seletivo. Nestas áreas, foi utilizado o sistema de recuperação a partir da implantação de uma comunidade florestal nas pastagens e o sistema de adensamento da comunidade nas áreas com vegetação nativa que apresentavam corte seletivo. As contribuições do presente trabalho foram o início da recuperação de um importante curso d’água e a construção do viveiro que poderá fornecer mudas para os próximos plantios no decorrer do projeto e também para moradores das regiões próximas a área. Além disso, possibilitou uma experiência profissional aos acadêmicos na execução de atividades de campo e na pesquisa científica.


Palavras-chave


recuperação de áreas degradadas, produção de espécies vegetais nativas, mata de galeria.

Texto completo:

PDF

Referências


ATTANASIO, C. M.; RODRIGUES, R. R.; GANDOLFI, S.; NAVE, A. G. Adequação Ambiental de propriedades rurais, recuperação de áreas degradadas e restauração de Matas Ciliares. Apostila de recuperação. 2006. 65f. Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiros”(Org). Departamento de Ciências Biológicas (Org). Laboratório de Ecologia e Recuperação Ambiental (Org). Piracicaba-SP. 2006.

COUTINHO, L. M. O conceito de bioma. Acta Botânica Brasilica, v. 20, n.1, p. 13-23. 2006.

FLORIANO, E.P. Armazenamento de sementes florestais. Caderno Didático. Associação de Pesquisa, Educação e Proteção Ambiental do Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul (ANORGS). 1ª Edição, n° 1, 10p. 2004.

GONÇALVES, R. M. G.; GIANNOTTI, E.; GIANNOTTI, J. D. G.; SILVA, A. A. Aplicação de modelo de revegetação em áreas degradadas, visando à restauração ecológica da microbacia do córrego da Fazenda Itaqui, no município de Santa Gertrudes, SP. Rev. Inst. Flor., v. 17, n.1, p. 73-95. 2005.

HARIDASAN, M. Solos de Matas de Galeria e Nutrição Mineral de Espécies Arbóreas em Condições Naturais. In: Cerrado-Matas de Galeria. In: Ribeiro, J. F. (Org). Cerrado: Matas de Galeria. EMBRAPA. 1° Ed., Planaltina DF. 1998.

KAGEYAMA, P. GANDARA, F. B. Recuperação de áreas ciliares. Rodrigues, R. R. Leitão F°. H F. Matas ciliares. Conservação e Recuperação. São Paulo: Edusp. 2001. p. 249-269.

MACEDO, A. C. Produção de Mudas em viveiros florestais: espécies nativas / A. C. Macedo; revisado e ampliado por Paulo Y. Kageyama, Luiz G. S. da Costa. - São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Fundação Florestal, 1993 .

MARTINS, S. V. Recuperação de Matas Ciliares. 2. ed. ver. e ampl. – Viçosa, MG: CPT, 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. LEI 8.171 17/01/1991. D. O. de 18/01/1991 p. 1330. Disponível em: . Acesso em: 10 de Janeiro de 2009.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Federal Nº 4771, de 15 de setembro de 1965. D. O. de 16/09/1965. Disponível em: . Acesso em: 09 de janeiro de 2009.

MOLINA, M.; CHALUB, L.; VILLAS BÔAS, F. L. ; MACIEL, L. R.; PEREIRA M. F.C.F.; PEREIRA, E.N.; LEMOS G.N.; DUTERVIL, C. VIVEIROS FLORESTAIS COMUNITÁRIOS EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA. I Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Universidade Federal da Paraíba. 2002.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. “Fitofisionomias do bioma cerrado.” In: S. M. SANO, S. P. ALMEIDA (Eds.). Cerrado: Ambiente e Flora. Embrapa CPAC. Planaltina, DF. p.89-166. 1998.

REZENDE, A., V. Importância das Matas de Galeria: manutenção e recuperação. In: RIBEIRO, J. F. (Org). Cerrado: Matas de Galeria. EMBRAPA . 1° Ed., Planaltina DF. 1998.

RIBEIRO, J. F. ; WALTER, B. M. T. As Matas de galeria no Contexto do Bioma Cerrado. In. RIBEIRO, J. F. (eds). Cerrado: Caracterização e Recuperação de Matas de Galeria. EMBRAPA, Planaltina: EMBRAPA-CPAC. p. 29-45. 2001.

SANTOS, S. F.; ALVES, A. L.; CARVALHO, F. A.; OLIVEIRA, I. J. DESMATAMENTO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MATA CILIAR NO CÓRREGO FUNDO: REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA-GO, 1975/2002. Caderno de Artigos do Encontro Regional de Geografia. 2003

SILVA JÚNIO, M. C.; FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E.; REZENDE, A. V. Análise Florística das Matas de Galeria no Distrito Federal. In: RIBEIRO, J. F. (Org). Cerrado: Matas de Galeria. EMBRAPA. 1° Ed., Planaltina DF. 1998.

SILVA, E.B. Cadastramento das erosões tipo voçoroca no perímetro urbano da cidade de Anápolis-GO, Bairro Polocentro. 2005. 87f. Monografia – Licenciatura em Geografia. Universidade Estadual de Goiás. Anápolis, GO. 2005.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n5-006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.